Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

seta direita seta esquerda
Sala Porta-Jazz
seta direita seta esquerda
Cartaz Fevereiro Sala Porta-Jazz

Projeto constituído por cinco músicos, todos relacionados entre si de alguma forma e todos com um compromisso comum: fazer boa música.

Esta vontade aliada ao desejo de explorar novas sonoridades e novos caminhos, levou estes cinco elementos a juntarem-se e a contribuir cada um com composições suas para serem exploradas entre todos.

Nuno Campos Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria

Pedro Neves Piano

Ricardo Formoso Trompete

José Pedro Coelho Saxofone


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Elos Quintet

Rafa Fernández apresenta o seu novo disco "A Cara Bonita da Pedra", um trabalho homogéneo e ambiental onde a guitarra é a protagonista.

Paisagens sonoras são descritas em pequenas composições, onde convergem sons acústicos e eléctricos e que cativam o espectador desde o primeiro minuto.

Rafa Fernández Guitarra

Virxilio da Silva Guitarra

Álex Salgueiro Wurlitzer e Órgão Farfisa

Juan Cañada Contrabaixo


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Rafa Fernández

Foto: Jerry Noia

Novo Quarteto e nova música é o que apresenta Nuno Campos, alguns anos passados desde o seu regresso a Portugal, de onde é natural. Viveu anteriormente nove anos em Barcelona e Holanda, onde fez  inúmeros registos discográficos, quer como líder, quer como sideman.

Por estas bandas tem gravado discos como sideman e participado em inúmeros projetos nacionais. Para este novo grupo escreve temas originais seus. Os músicos, companheiros e amigos formam o que o líder considera um quarteto de luxo.

Brevemente o quarteto gravará o novo disco que incluirá apenas temas originais de Nuno Campos, motivados pelas vivências que tem experienciado nestes últimos anos na sua terra natal. Todos os temas têm um registo muito íntimo e pessoal, assim como tentativas de abordar o jazz de uma perspetiva mais moderna e aberta. Há muita improvisação quer individual,  quer coletiva, onde as composições desafiam cada músico individualmente. A música foi pensada nos músicos que integram a banda e nas suas personalidades individuais. Reina sobretudo nesta música a interação entre os músicos e o jogo constante da secção rítmica.

Nuno Campos Contrabaixo

Gabriel Pinto Piano

Ricardo Coelho Bateria

José Pedro Coelho Saxofone Tenor e Soprano


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Nuno Campos

Foto: Adriana Melo - Mínima

Por vezes escrever música é juntar "peças" intrincadas de cores, padrões, movimentos, etc.

O trio compõe em conjunto, contribuindo cada um a sua parte do puzzle.

Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Puzzle

Foto e edição: João Paulo Rosado

"Lento” é o resultado de uma procura em que a composição e a improvisação se juntam para darem voz às canções.

As melodias, simples e espaçadas, contrastam com grooves fortes, que por vezes criam uma espécie de ilusão rítmica. Em alguns temas os improvisos são uma continuação das partes escritas diferenciando-se de outros onde a improvisação dita o sentido da música que tenta sempre ser fresca e imprevisível.

AP Composição e Guitarra

Carlos Azevedo Piano

Filipe Teixeira Contrabaixo

Acácio Salero Bateria


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto AP

Foto: João Saramago


liner notes by Ohad Talmor - composer / saxophonist

Writing original music for a large jazz ensemble is challenging. Allowing for this music enough freedom for an improviser’s voice even more challenging. CORETO has achieved a brilliant balance between the written and the improvised. The music is full of surprises, colors and ideas and is beautifully served by inspired soloists. A rare feat in today’s culture!

Treat yourself to this music.

[…] O Coreto apresenta mais um volume de jazz actualíssimo, que tem tanto de cerebral e complexo como de frenético e vibrante

in Jornal Público (Ípsilon) 9 Fevereiro 2018

Em Analog a musica é inteiramente composta por João Pedro Brandão que desta vez se dedica à exploração de um imaginário sugerido pelo mundo analógico, transpondo os seus "ruídos" para a instrumentação deste ensemble de 12 músicos - Ecos, ressonâncias, um curto circuito, as interferências ou o atraso numa comunicação telefónica por fio, uma mensagem em código morse, a procura de uma estação de Rádio, são o mote para a composição escrita que abre espaço para momentos improvisados, de composição colectiva e solísticos de cada um dos elementos do grupo.

O CORETO é formado por 12 elementos da nova geração de músicos ligados à cidade do Porto e é reconhecido como um dos mais importantes grupos de Jazz em Portugal.

O grupo surge no coração da Associação Porta-Jazz com o objectivo de criar um “espaço” para a exploração e concretização de um repertório original e experimental num contexto de large ensemble.

João Pedro Brandão Saxofone alto, flauta

José Pedro Coelho Saxofone tenor

Hugo Ciríaco Saxofone tenor

Rui Teixeira Saxofone barítono

Susana Santos Silva Trompete

Ricardo Formoso Trompete

Andreia Santos Trombone

Hugo Caldeira Trombone

AP Guitarra

Hugo Raro Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Coreto

Foto: Adriana Melo - Mínima


O Quarteto Mário Santos(QMS)surge em 2009 com o projecto Bloco A4, dando continuidade à interpretação de temas do seu bloco de notas, o qual tem vindo a ser escrito desde 1996. Nesse mesmo ano, 2009, é editado o primeiro disco de Mário Santos, como resultado do Quinteto que até então  liderou – “Encomenda”. Do quarteto tradicional de jazz com a guitarra como instrumento harmónico, Mário Santos procura uma sonoridade própria e inovadora. O QMS nasce da cumplicidade sonora encontrada na regularidade dos encontros entre os músicos que integram o seu projeto. O grande objectivo consiste na criação de momentos em que os músicos possuem toda a liberdade de se expressar sobre os temas que interpretam. E como resultado desta união, mais do que se fazer ouvir cada um dos instrumentos, Mário Santos sonha com um som uno e de total harmonia. Em 2013 com o disco “Nuvem” a sonoridade do QMS faz-se ouvir.

Recentemente convida mais dois elementos para o seu grupo e desenvolve agora temas com a formação de sexteto que farão parte do seu proximo CD.

Mário Santos Saxofones

João G. Ferreira Saxofones

Ricardo Formoso Trompete, Fliscorne

Miguel Moreira Guitarra

Carlos Azevedo Piano

António A. Aguiar Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Sala Porta-Jazz

Rua de João das Regras 305

Junto à Praça da República

Foto Mário Santos Bloco A6