Eventos Passados

Uma pessoa foge no vácuo da sua existência, tenta escapar à fatal atração da sua conexão com as expectativas divinas, onde fará eco o seu grito de liberdade?”

Pedro Matos e Sara Santos Ribeiro exploram esta conversa entre o saxofone tenor e o contrabaixo.

Sara Ribeiro Contrabaixo

Pedro Matos Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

Summer School é o mais recente projeto do guitarrista José Vale, em colaboração com o saxofonista Gil Silva e o baterista Gonçalo Ribeiro, os três músicos com atividade na cidade do Porto. Neste projeto de originais propõem-se a utilização de uma estética do passado da História do Jazz, com muitas passagens nas melodias com referências a músicos como Thelonious Monk, Eric Dolphy, Ornette Coleman, etc, assim como uma abordagem mais moderna desses mesmos temas.

A formação em si (trio sem baixo) pressupõe uma utilização da guitarra mais livre, com inspiração também no trio do baterista Paul Motion, em que, como não tinha baixo, o guitarrista Bill Frisell tinha toda a liberdade para tomar decisões harmonicas. No entanto, neste projeto, “Summer School”, a música tem as suas próprias características, a utilização de partitura gráfica para ligar os vários temas e tornar as diversas músicas, numa só improvisação em formato concerto faz com que haja vários momentos de improvisação que não sejam nenhum dos temas, mas sim uma metamorfose para o próximo. As influências do compositor (José Vale, Guitarra), que habitam entre a música improvisada, o noise, e o rock ou fusão, trazem um aspecto mais pesado há interpretação dos temas, que junto com uma interpretação mais jazzística dos outros dois elementos (Gonçalo Ribeiro e Gil Silva) resulta numa mescla de sons e melodias que soam a passado, presente e futuro em simultâneo, “Summer school” pode ser jazz, noise ou rock a qualquer momento, e onde esses momentos acabam e começam é difícil dizer.

José Vale Guitarra

Gil Silva Saxofone Tenor

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem José Vale

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

João Próspero Contrabaixo

Rogério Francisco Vibrafone

João Silva Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by João Próspero

Companheiros de já várias aventuras, Gil Silva e João Paulo Silva juntam-se para mais uma viagem, desta vez em formato duo, pelas águas da música original e da improvisação.

Gil Silva Saxofone Tenor

João Paulo Silva Saxofone Alto


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

Carlos Bica é um dos poucos músicos portugueses que alcançou projeção internacional, tendo-se tornado uma referência no panorama do jazz europeu. Entre os vários projectos musicais que lidera e para além das suas colaborações com teatro, dança e cinema, o trio AZUL, com o guitarrista Frank Möbus e o baterista Jim Black, tornou-se na imagem de marca do contrabaixista e compositor. Paralelamente à contínua actividade do trio Azul, outros mais projectos têm nascido que ficaram registados discográficamente, tais como: Diz, Single, Matéria-Prima, I Am The Escaped One e o mais recente Playing with Beethoven que recebeu enormes elogios da crítica internacional, tendo sido nomeado pelo Preis der Deutschen Schallplattenkritik para um dos melhores álbuns de 2023.

Para este projecto, Carlos Bica convidou o saxofonista José Soares, o vibrafonista Eduardo Cardinho e o guitarrista Gonçalo Neto. A diferença de gerações é uma mais valia para este projecto que conta com a participação de alguns dos mais talentosos e criativos músicos de uma nova geração de músicos portugueses. Será com esta formação que Carlos Bica irá editar em Junho de 2024 pela editora discográfica Clean Feed um novo álbum com novas composições e marcar um novo percurso na sua criação artística.

Quando se fala da música de Carlos Bica, a crítica costuma salientar a forma como nela se interpenetram referências de diferentes universos, da música erudita contemporânea à folk, ao rock, ao jazz, às músicas improvisadas. A música de Carlos Bica é excitante, é moderna e contagiante. Bica é um ouvinte atento ao mundo exterior - donde a sua modernidade - e um escritor de canções inato. Nas suas composições encontramos fragmentos de coisas que apenas o nosso subconsciente reconhece, mas expostas de forma tal que elas nos surgem absolutamente naturais e óbvias. Nada que tenha a ver com alguma forma de pastiche ou resultado de copy/ paste; antes uma forma evidente de contar histórias feitas de pedaços de quotidiano que de uma forma estranha reconhecemos.“ - „All Jazz“

Carlos Bica Contrabaixo

José Soares Saxofone alto e clarinete

Gonçalo Neto Guitarra

Eduardo Cardinho Vibrafone


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Carlos Bica Quarteto

IMPROVISAÇÃO - INTERPRETAÇÃO - EXPERIMENTALISMO - COMPOSIÇÃO - EXPRESSÃO MUSICAL - CRIAÇÃO

Inúmeras são as questões que se levantam ao músico que se aventura pelos caminhos da improvisação. O improvisador pratica o seu instrumento, aprofunda os seus conhecimentos musicais, mas sobretudo cria o seu próprio método para atingir aquele que deverá ser o seu objectivo primordial - a descoberta de si próprio. Esta masterclass destina-se a músicos ou interessados de todas as áreas de expressão musical.

Pretende-se com esta masterclass criar um diálogo aberto com o público, e tentar responder às mais variadas questões relacionadas com a prática musical em grupo. Criatividade musical, composição, improvisação, tocar em grupo, saber escutar, serão entre outros alguns dos temas a abordar.


Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Materclass Carlos Bica

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Catarina Rodrigues Piano

Joana Raquel Voz

Afonso Silva Saxofone


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by Catarina Rodrigues

No decorrer do meu percurso musical como contrabaixista e sideman, a composição sempre foi um elemento presente e essencial para me poder expressar como um todo. Nos últimos 18 anos tive a oportunidade de liderar e editar com pequenas formações, 9 álbuns de música original que expressam as minhas raízes, vivências e a cumplicidade que criei com músicos deste país.

Nunca senti o que sinto com este grupo , uma profundidade e coesão rara no jazz. Com o meu nome o grupo existe há quatro anos mas fazemos música juntos há mais de 15 anos, no âmbito da orquestra jazz de Matosinhos e não só, isso faz com que haja um entendimento que vem da percepção instintiva , também há muito respeito, confiança e admiração . Cada elemento tem uma voz musical forte e uma visão que aporta riqueza à minha música e combinados o resultado é pura magia.

Trata-se de mais um projecto que julgo artisticamente ambicioso, que desafia os músicos a moverem-se e criarem num contexto muito para além da esfera do Jazz tradicional transitando entre o folclore da Argentina e a música de câmara.

Tendo raiz no jazz norte americano a filosofia do grupo baseia-se na interação e construção espontânea, por vezes respeitando as estruturas das composições outras vezes não . Sem medo de explorar territórios abstratos e paisagens típicas do dodecafonismo. A liberdade é o elemento primordial do grupo e o objetivo é imprimir a música com as personalidades de cada músico.

O que mais valorizo na música é quando existe uma proposta musical forte e pessoal , desde a composição até à interpretação e é isso , penso eu, que se ouve neste grupo.

Demian Cabaud Contrabaixo

João Grilo Piano

João Pedro Brandão Piano

José Pedro Coelho Saxofone

Marcos Cavaleiro Bateria


Foto Demian Cabaud

Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Demian Cabaud - Árbol Adentro

Se o belo é indefinível e subjetivo, há sons que são quase universalmente comoventes. Uma cantiga conhecida, ouvida ao virar da esquina. Dois instrumentos que não imaginávamos em uníssono. Um conjunto de notas improvisadas que nos toca onde não sabemos definir. São os sons mais inesperados, os que nos comovem de forma mais intensa.

Amigos há mais de uma década, esta é a primeira vez que o Pedro e a Ana tocam em palco, a sós. Será inesperado, sem dúvida, e com tanto potencial para a magia como a empatia entre um contrabaixo e uma voz familiares podem ser.

Ana Luisa Voz

Pedro André Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

O duo de Javier Moreno e Francesco Diodati é um projeto formado em Roma há dez anos, que reivindica a fusão entre a improvisação livre, a composição e o jazz.

A orientação estética do projeto abarca uma ampla gama de cores, ambientes e texturas, com a premissa de liberdade total em termos de execução e respeito pelo repertório. É composto por dez composições e arranjos originais de ambos os músicos.

Javier Moreno e Francesco Diodati encontram-se pela primeira vez em 2013, em Roma, a propósito da estadia de Javier para estudar música e musicologia na Real Academia de Espanha, e imediatamente, convergem num terreno comum onde exploram a experimentação e a interação.

Desde o seu encontro, trabalham em diferentes configurações e projetos sólidos: Desde o quarteto Hermanos, liderado pelo prestigiado saxofonista romano Marcello Allulli (que viu a luz do dia num álbum chamado “Hermanos” en 2014), até ao projeto multidisciplinar “Aire y Concierto para nómadas”, uma obra para large ensemble e video mapping composta por Javier e que se estreou ao vivo com suporte da fundação SGAE no Tempietto de Bramante em Julho de 2014 após residência na RAER.

O duo de contrabaixo e guitarra, é a fórmula perfeita para explorar territórios de risco e navegar entre a composição e a improvisação. Francesco e Javier são membros muito ativos na cena internacional de jazz, com uma grande quantidade de registos e projectos em nome próprio e colaborações de prestigio com figuras consagradas como Enrico Rava, Gerald Cleaver, Dino Saluzzi, Ernesto Jodos, David Dorantes ou Paolo Fresu.

Javier Moreno Contrabaixo

Francesco Diodati Guitarra


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Javier Moreno + Francesco Diodati

E aquele PÃO *.* Sahby é um termo árabe que significa amigo. O tal que alinha nas parvoíces sem comunicações prévias. Eventualmente apercebi-me que só amigos é que alinhariam em embarcar nesta estupidez. Isto de ter um discurso fluído também não creio ser necessário. Jazz original à primeira vista. Nem tempo. Que se foda a troika! Este vai ser o meu manifesto. Como se tudo tivesse que ter uma profundidade fodida. Migues, isto é o seguinte. Zé Stark, rapaz jovem, solteiro, bonito e bem aparentado. É óbvio que o nome João Cardita iria aparecer neste texto. Não tenho é recursos. Pensem nisto como ir ao cinema ver um filme parado. Quase como se fosse um Pollock.

Zé Stark Instrumentos vários

Eduardo Dias Instrumentos vários

Ana Luísa Marques Instrumentos vários

Teresa Costa Instrumentos vários

Hugo Ferreira Instrumentos vários


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Zé Stark

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Afonso Silva Saxofone Alto

Lucas Oliveira Saxofone Alto

Pedro Matos Saxofone Tenor

Gil Silva Saxofone Tenor

Rafael Gomes Saxofone Barítono

Hugo Silva Trompete

João Tavares Trompete

Vasco Silva Trompete

Rúben Rosa Trompete

Afonso Baldaque Trombone

Miguel Bessa Trombone

Maria Beatriz Moura Trombone

Rodrigo Santos Trombone baixo

Ricardo Moreira Piano

João Fragoso Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem AntQuestra

Como chegar? E aonde?… É preciso chegar?

Partindo de um itinerário pré-definido, a premissa para esta reunião entre os dois músicos consiste em navegar esse tracejado com a liberdade de um domingo à tarde… Depois de almoço… Sem telemóvel.

Vamos às virtudes? Como é que está o tempo? Se calhar mais vale ir tratar da saúde a uma chouriça assada e um bom naco de broa…

As possibilidades, assim como os locais, estão lá. Definidas. O percurso, esse, será construído ao longo do concerto.

Rafael Gomes Saxofone

Ricardo Moreira Piano


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Em 2012 saiu o disco Motor com a participação de Bernardo Sassetti, José Pedro Coelho, Susana Santos Silva, Demian Cabaud e Marcos Cavaleiro.

O grupo tocou intensamente ao longo de alguns anos até esta gravação, e parou com o desaparecimento de Sassetti, elemento fundamental no som do grupo e parceiro inestimável de todos os membros.

Alguns anos mais tarde, Fernandes decidiu reactivar o grupo para uma actuação no Hot Clube de Portugal, que deu origem a um disco ao vivo, desta feita com Óscar Graça no piano.

Agora o grupo volta a reunir-se, contando com Miguel Meirinhos no piano, e repertório novo, para uma nova vida e novo disco.

André Fernandes Guitarra

José Pedro Coelho Saxofone

Miguel Meirinhos Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem André Fernandes

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

João Paulo Silva Saxofone

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by João Paulo Silva

Hugo Ferreira Guitarra

Zé Stark Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Exploradora do jazz mais vibrante e prodigiosa compositora de música cinematográfica, a baterista Lucía Martínez (Vigo, 1982) é essencialmente uma artista cosmopolita que não vê horizontes. Embora o afeto pelas suas raízes portuárias e a reivindicação do património popular encontrem sempre lugar nas suas propostas, incorpora todo o tipo de sabores aparentemente díspares, ligando-os com naturalidade e nenhum preconceito.

O seu projeto berlinense, The Fearless - “Los Sinmiedo”, emerge da influência da obra de Sergio Leone, passa por melodias klezmer judaicas e daí encontra Bruce Lee, para tal apoiando-se numa instrumentação escolhida com excelente critério – clarinete baixo, trompa, eletrónicos e até mesmo um set de DJ - para cobrir uma ampla variedade de texturas e possibilidades expressivas e oferecer uma tela sugestiva e comovente.

Jazz moderno, com elementos de música improvisada, “Lucía Martínez & The Fearless” mostra uma artista num dos seus melhores momentos criativos.

Lucía Martínez Alonso Bateria e composição

Morris Kliphuis Trompa, clarim, electrónica

Benjamin Weidekamp Clarinete e clarinete baixo

Ronny Graupe Guitarra

Marcel Krömker Contrabaixo


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Lucia Martinez

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

João Cardita Bateria

Miguel Meirinhos Piano

Demian Cabaud Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by João Cardita

Antes da história houve pré-história. Antes disso, começou o tempo e, em consequência, o pulso.

Uma vez que se trata de um instrumento tradicionalmente abordado a partir de uma perspectiva rítmica, a revolução passa por parar o tempo, priorizando o foco na exploração do instrumento com base num ponto de vista tímbrico e textural.

Antón Quintela Bateria

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Iñigo Ruiz de Gordejuela é um jovem pianista/compositor nascido no país Basco e um dos grandes músicos da sua geração.

Em 2020 regressou a Espanha depois de ter estudado na Berklee College of Music e no New England Conservatory, ao mesmo tempo que partilhou palco com Guillermo Klein, Donny McCaslin, Miguel Zenon, Ran Blake, Darcy James Argue, Ariel Bringuez, entre outros.

Neste concerto junta-se a Demian Cabaud e Marcos Cavaleiro para interpretarem temas originais, num concerto que se revela único. 

Iñigo Ruiz de Gordejuela Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Iñigo Ruiz de Gordejuela / Demian Cabaud / Marcos Cavaleiro

Conceitos Rítmicos na Improvisação (Masterclass prática)

Esta masterclass terá como objetivo desenvolver conceitos rítmicos que visam aprofundar a improvisação em todos os instrumentos. Através de exercícios específicos e graduais, trabalharemos a pulsação, subdivisão e agrupamento de figuras rítmicas, aplicadas a padrões ou vamps, tanto em métricas convencionais quanto em ¨odd meters¨. O objetivo final será o de ampliar a nossa linguagem rítmica na improvisação, bem como facilitar o fluxo de ideias criativas e a sua execução.

Nota: Será entregue a cada participante um pequeno compêndio com todo o material exposto.


Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Materclass Iñigo Ruiz de Gordejuela

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

José Pedro Coelho Saxofone

João Fragoso Contrabaixo

Miguel Rodrigues Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by José Pedro Coelho

Viajando desde as primordiais Culturas Neolíticas e passando pela antiga Mesopotâmia, este duo peculiar trará a estes tempos modernos a simbiose entre um instrumento percussivo, a Bateria, e um instrumento de cordas, a Harpa.

Ora, considerando que os tempos em que vivemos diferem, no seu todo, dos tempos nos quais originaram estas duas criações, João e Frederica aplicam conceitos modernos musicais através do uso de eletrónica – assumindo-se assim, cada um deles, como o elo entre os exórdios da natureza humana, o seu desenvolvimento até ao presente e as possíveis linhas temporais que nos aguardam antes de atingirmos o paroxismo de Erebus

João Alves Bateria e electrónica

Frederica Campos Harpa e electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

O guitarrista e compositor mexicano Eddie Mejía apresenta o seu primeiro álbum como líder com a editora Fresh Sound New Talent, com um quarteto internacional que inclui Bill McHenry, Ramon Prats e Masa Kamaguchi. Música intensa e profunda que funde a tradição e a música contemporânea na música original de Mejia. Um concerto imperdível.

Eddie Mejía Guitarra

Bill McHenry Saxofone Tenor

Ramon Prats Bateria

Masa Kamaguchi Baixo Acústico


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Eddie Mejia Quartet

A minha masterclass será uma demonstração aberta do que faço para me preparar musicalmente para uma atuação, e uma revisão da minha própria história e desenvolvimento musical. Isso inclui ser um principiante, aprender a ouvir e a identificar as alturas, e como estas se relacionam com a harmonia convencional.

Também estarei aberto a perguntas sobre as minhas próprias gravações e sobre outros músicos com quem trabalhei.


Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Materclass Bill McHenry

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Filipe Dias Guitarra

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by Filipe Dias

Teresa e Nicky conheceram-se em 2021 a tocar juntas. Deste primeiro encontro guardam a memória de uma conversa sem palavras sobre o reconhecimento da fragilidade, o humor e a brincadeira, paisagens bucólicas, bruxaria e até gritos reivindicativos.

São uma flautista e uma saxofonista, mas podiam ser outra coisa qualquer. Do Porto e de Atenas respectivamente, trazem experiências musicais muito diversificadas na manga, e irão celebrar nos maus hábitos o seu terceiro encontro.

Teresa Costa Flauta

Nicky Kokkoli Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Implosão constitui o segundo projeto de música original liderado pelo trompetista e compositor Ricardo Formoso (A Corunha, 1986). Apresentado no Teatro Rivoli do Porto, durante a 10ª edição do Festival Porta-Jazz, este conjunto de composições sucede o muito bem recebido Origens (2017), também editado com o Carimbo Porta-Jazz.

Esta proposta artística traz um verdadeiro mosaico de talentos e geografias. Está-se a falar de um quinteto formado pelo próprio Ricardo Formoso (fliscorne), pelo canadiano Seamus Blake (saxofone tenor), pelo catalão Albert Bover (piano), pelo argentino Demian Cabaud (contrabaixo) e pelo português Marcos Cavaleiro (bateria). A solidez, versatilidade e sofisticação presentes tanto na interação, como no discurso individual, aportam profundidade, surpresa e magia às composições idealizadas pelo trompetista. Entre si, formam uma bela amostra da história recente do jazz, com carreiras ligadas a figuras notáveis do meio, de várias gerações.

Implosão contém um repertório desenhado para propiciar a reação entre as estruturas moleculares que configuram a essência e voz dos elementos desta formação, num contexto determinado pelo arranjo cuidado, a improvisação e a descoberta do cosmos.

Ricardo Formoso Fliscorne

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Albert Bover Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Ricardo Formoso

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Ana Luísa Voz

Ricardo Moreira Piano

Pedro Molina Contrabaixo


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by Ana Luisa

Foto: Carolina Frazão

Um sax, um contrabaixo... Linhas, linhas e mais linhas... retas, curvas, quebradas e onduladas.

Pedro Molina Contrabaixo

Brian Blaker Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

O duo Abe Rábade ao piano e Xose Miguélez no saxofone oferece uma sensibilidade única, criando uma experiência musical cativante que transcende os limites do jazz tradicional. Juntos, exploram novos territórios sonoros, oferecendo sonoridades que prendem a atenção do público desde a primeira nota. Com influências da música tradicional galega, mas com uma profunda raiz jazzística, apresentam um repertório de temas originais que em breve será capturado num trabalho discográfico.

Abe Rábade Piano

Xose Miguélez Saxofone Tenor


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Abe Rabade Xoge miguelez

O objetivo da Masterclasse é alcançar um desenvolvimento no vocabulário do jazz nas suas dimensões rítmica, harmónica e melódica. O treino auditivo e rítmico, a procura de melodias essenciais e noções de harmonia contemporânea serão o alicerce desta abordagem. Esta ir-se-á aprofundar em recursos que permitem ao instrumentista improvisar com proficiência. Trabalharemos com uma seleção de repertório representativo do Jazz: standards, músicas be-bop e composições mais contemporâneas. Abe Rábade e Xosé Miguélez ilustrarão com interpretações em vários tempos e atmosferas as possibilidades estéticas do jazz mais ortodoxo, mas também aberto à influência clássica, étnica e experimental.


Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Materclass Abe Rabade

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

João Alves Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam hosted by João Alvesr

"(...) O que está formado transforma-se de novo imediatamente e nós temos, se quisermos de algum modo chegar à intuição viva da Natureza, de nos manter tão móveis e plásticos como o exemplo que ela nos propõe. (...)"

J. W. von Goethe

Eurico Costa Guitarra

Gil Silva Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Nuno Campos 4tet “Something to Believe In” [PT]

“Something to Believe In” é o projeto resultante da inspiração que o contrabaixista e compositor Nuno Campos foi encontrar na mitologia egípcia, nas suas ancestrais narrativas e no fascínio que, ainda hoje, esta civilização antiga provoca ao restante mundo. Líder do seu quarteto com quem editou o disco de estreia “TaCatarinaTen”, compôs as várias peças musicais deste novo trabalho lançado pelo Carimbo Porta-Jazz em 2023, após uma visita ao Cairo para participação no seu festival de jazz anual. Inspirado nas narrativas e memórias construídas individualmente e pelo grupo, este disco comporta um forte carácter melódico influenciado pelo jazz, pela música improvisada e pela música contemporânea, com Bartok e Messiaen como referências maiores.


Nuno Campos Contrabaixo e composição

José Pedro Coelho Saxofone tenor

Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Coelho Bateria

Ensemble Mutante #1 - Vera Morais [PT, NL, SI, IT] - Novo Projeto / Encomenda

Para a primeira edição do que se pretende ser um espaço de criação e experimentação por encomenda – o Ensemble Mutante – foi convidada a inspiradora e multifacetada Vera Morais, que conceptualizou uma peça para um sexteto dividido em dois naipes: sopros e percussão. Sem material melódico, harmónico ou rítmico pré-definido, a notação assenta essencialmente em texto: um conjunto de pequenas instruções ou formulações poéticas que descrevem gestos, texturas, conceitos e processos a usar na composição em tempo real. Reunindo músicos de universos musicais distintos – da música improvisada à música contemporânea – este ensemble procura uma linguagem híbrida em total liberdade interpretativa. Uma anti-retórica feita da gramática de cada um, democrática no seu processo criativo e aberta à contaminação.


Vera Morais Voz

João Pedro Brandão Flauta, saxofone alto

Hristo Goleminov Clarinete baixo e saxofone tenor

Inês Lopes Piano e toy piano

Aleksander Sever Vibrafone

Marco Luparia Bateria, percussões

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 7

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Tom Brunt’s Acoustic Space [CH] - Parceria com AMR

A parceria entre a Porta-Jazz e a AMR – Genève pressupõe a partilha de programação em ambos os festivais anuais promovidos por cada uma das associações de músicos, bem como a realização de duas residências artísticas com elementos propostos por ambas as partes. Uma sinergia que tem vindo a ligar Porto e Genebra e a promover, assim, a apresentação de projetos já estabelecidos ou o estímulo à criação de novas propostas originais. Tom Brunt´s Acoustic Space é a banda escolhida para integrar o Festival Porta-Jazz nesta edição e vem aqui apresentar o seu trabalho editado em 2022 – Ambarchi. Este revela uma forte identificação com a música de Oren Ambarchi como ponto de partida para a exploração das atmosferas originais do guitarrista Tom Brunt, com influência da música contemporânea e improvisada bem como do folclore europeu, com texturas acústicas e electrónicas e uma instrumentação distinta para a criação de um universo próprio.


Tom Brunt Guitarra acústica e composição

Charles Fréchette Guitarra acústica

Marc Crofts Violino

Pierre Balda Contrabaixo

Luís Ribeiro “A Invenção da Ficção” [PT]

"A Invenção da Ficção" é o álbum de estreia de Luís Ribeiro enquanto compositor e líder de formação, editado pelo Carimbo Porta-Jazz em 2023. Com vasta experiência enquanto músico noutras áreas, seja em estúdio seja enquanto performer ao vivo, Luís Ribeiro revela com este trabalho a sua faceta de compositor e parte do seu universo relacionado com o jazz e a improvisação. Reunindo músicos bem estabelecidos e reconhecidos da comunidade portuense, o resultado é coeso e cativante, em torno da descrição do primeiro passo, ao qual se seguem tantos e tão diversos momentos, interações e memórias. Estes conceitos fundidos em versões únicas da realidade, à qual se nega a noção de controlo e se entrega à vida quotidiana a habilidade para a criação de música, integram a proposta do guitarrista.


Luís Ribeiro Guitarra e composição

Hugo Ciríaco Saxofone tenor

Rui Teixeira Saxofone barítono

Joaquim Rodrigues Piano e teclados

Miguel Ângelo Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 6

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Mané Fernandes “Matriz Motriz” [PT, US] - Projeto Guimarães Jazz / Porta-Jazz

Com liderança por um dos maiores valores da música nacional integrados na nova geração de artistas, matriz_motriz é a proposta de Mané Fernandes para a 9ª edição da residência feita no decurso do festival Guimarães Jazz em 2022. Esta parceria acontece sob duas premissas basilares – a interação entre a música e outra área artística, neste caso a dança, e o convite a jovens artistas sediados noutros países da Europa. Este projeto revela, assim, o imaginário do criativo improvisador, compositor e guitarrista, tendo sido amadurecido ao longo de uma intensa semana de trabalho e experimentação em torno da “origem do Todo e o Movimento que lhe é inerente”. Uma exploração sobre a especificidade do movimento, seja este físico, rítmico, harmónico ou tímbrico. Com a Voz e o Corpo como pilares da sua acção, este ensemble, sem a secção rítmica tradicional do jazz, apresenta-se como "uma drum-machine do futuro, feita de sonhos".


Mané Fernandes Guitarra, pedais, composição

Mariana Dionísio Voz

Vera Morais Voz

Sofia Sá Voz

João Grilo Piano preparado e electrónica

Brittanie Brown Dança, coreografia

Themandus [PT]

Assentes no ecletismo que o jazz sempre lhes proporcionou, o trio THEMANDUS percorre estéticas como drum 'n' bass, ambient, post-rock e eletrónica a fim de saciar as suas necessidades musicais e, paralela ou paradoxalmente, as esfaimar. Exploram ideias composicionais que vão desde a música escrita à improvisada, num diálogo enérgico entre os três jovens músicos. O seu álbum de estreia, homónimo, foi lançado pelo Carimbo em 2023, compondo com universos mais variados o já extenso catálogo do projeto editorial da Porta-Jazz.


Afonso Boucinha Silva Saxofone / EWI

Ricardo Alves Guitarra

Eduardo Carneiro Dias Bateria

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 5

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Neste concerto especialmente destinado às famílias com crianças de idades entre os três e os dez anos, convidamos o público a envolver-se com os músicos numa narrativa musical. Esta jornada, imersiva e participativa, acontecerá através de jogos de improvisação e atividades de criação musical espontâneas. Gestos simples, movimentos fáceis e sons, também eles, familiares. Não percam a oportunidade de cultivar a paixão pela música de forma envolvente e interativa!

Luís Castro e Luísa Matos Mediação de público

Mariana Vergueiro, Pedro Neves, João Fragoso e Gonçalo Ribeiro Música

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€ por cada criança + adulto (apenas um adulto acompanhador de cada criança)


Os bilhetes podem ser adquiridos aqui.

Decateto Porta-Jazz / Robalo + Hans Koller [PT, US, UK] - Parceria com Robalo

A Porta-Jazz e a Robalo são duas associações de músicos do Porto e Lisboa, respetivamente, que têm colaborado com regularidade, reunindo anualmente uma formação com músicos de ambas as partes. Alargam o âmbito desta colaboração convidando o compositor e músico Hans Koller para arranjar um conjunto de composições originais para um decateto, que se estreou em dezembro de 2023 na Festa do Jazz, em Lisboa. Hans Koller é um músico com vasta experiência em composição e arranjo para diversos ensembles e a sua música foi já tocada e apresentada em parcerias com dezenas de nomes tão relevantes como Steve Lacy, Bill Frisell, Kenny Wheeler, Bobby Brookmeyer, Adam Nussbaum e Evan Parker. Uma das mais frutíferas colaborações que estabeleceu é com o histórico saxofonista americano John O´Gallagher, que atualmente reside em Portugal e com quem subiu a palco nesta formação em Lisboa. Para este concerto juntam-se onze músicos de várias gerações propostos pela Porta-Jazz e pela Robalo, para se fazerem ecoar novamente os sons propostos pelo aclamado pianista e compositor.


Hans Koller Piano

Eurico Costa Guitarra

James Banner Contrabaixo

João Lopes Pereira Bateria

Joana Raquel Voz

Gonçalo Marques Trompete

João Almeida Trompete

Bernardo Tinoco Saxofone

João Paulo Silva Saxofone

Gil Silva Saxofone

Hristo Goleminov Saxofone

Hery Paz “River Creatures” feat. Nate Wooley & Tom Rainey [CU, US] - Novo CD Carimbo: nº 100

Hery Paz é um artista multifacetado oriundo de Cuba, que desenvolve um trajeto brilhante no panorama da música improvisada e do jazz em Nova Iorque. É a partir desse seio que encontra as inúmeras colaborações artísticas das quais faz parte, seja enquanto líder ou enquanto participante nos projetos de pares. Hery Paz toca diversos instrumentos mas apresenta-se enquanto saxofonista neste projeto em nome próprio - River Creatures - ao lado do aclamado trompetista Nate Wooley e do histórico baterista Tom Rainey. Três figuras de relevo no panorama internacional vêm apresentar este trabalho, que se torna no 100º disco com Carimbo Porta-Jazz. Uma celebração digna de destaque, pelo contributo deste trio de músicos amplamente reconhecidos para o distinto e muito diverso catálogo do Carimbo. Vêm mostrar neste concerto as composições mais recentes do saxofonista, desenvolvidas a partir de poemas e imagens também por ele criados, com forte inspiração na natureza, na geometria e nas palavras.


Hery Paz Saxofone

Nate Wooley Trompete

Tom Rainey Bateria

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 4

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Ducret - Mockūnas - Blaser Trio [FR, LT, CH] - Parceria com Improdimesija

Trio de músicos amplamente reconhecidos no panorama europeu, conta já com mais de uma dezena de concertos em tour europeia para apresentação deste projeto. Com forte componente de improvisação, a música resulta da interação entre três intensas forças. Marc Ducret, um histórico músico francês, com um vasto currículo em nome próprio e enquanto colaborador em projetos de outros pares, uma figura de relevo em qualquer formação que integra, que aqui se junta ao suíço Samuel Blaser, virtuoso trombonista e compositor e ao lituano Liudas Mockunas, um dos mais destacados líderes no âmbito da música improvisada, com mais de 70 álbuns gravados e em constante movimento pelos festivais e clubes europeus de renome. Argumentos de enorme sustento para que esta proposta em trio faça prever um dos momentos mais intensos no programa do Festival Porta-Jazz.


Marc Ducret Guitarra

Liudas Mockūnas Saxofone

Samuel Blaser Trombone

WIZ “Mosaico” [PT, SP, FR]

Em Mosaico, o segundo álbum deste trio editado com Carimbo Porta-Jazz em 2023, ouvimos novamente agregados os três diferentes imaginários dos músicos que compõe para esta formação, como três cores que lentamente se fundem, resultando em novas cores num quadro maior. O formato menos usual, sem baixo, abre a paisagem sonora, deixando espaços para a improvisação e a surpresa. Tendo os seus elementos uma cumplicidade musical de há já vários anos, tudo aqui se junta de forma natural e integrada, havendo confiança para explorar e desafiar limites.


Wilfried Wilde Guitarra

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Iago Fernández Bateria

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 3

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Ward / Trocado / Tavares “Corrosion” [UK, PT]

A natureza efémera do som está patente, à medida que estratos de som emergem para logo a seguir se deteriorarem, desintegrarem e recombinarem, testando as fronteiras do orgânico, erodindo estruturas físicas e metafóricas, movendo-se ao longo dos pontos de contacto entre música improvisada, disposições humanas ou inhumanas e decadência social. “Corrosion” é o segundo álbum deste trio de improvisadores, editado em 2023 com o Carimbo Porta-Jazz, composto por dois experientes músicos estabelecidos no Porto e uma figura de relevo no panorama experimental europeu e que trabalha a partir do Reino Unido.


Tom Ward Flauta, saxofone e clarinete

Nuno Trocado Guitarra e processamento electrónico em tempo real

Sérgio Tavares Contrabaixo

How Noisy Are the Rooms? [DE, CH, AT] - Parceria com Bezau Beatz

Trio eclético e provocativo oriundo de três pontos do centro da Europa – Alemanha, Suíça e Áustria – reunido no seio da música experimental e improvisada que floresce no festival anual Bezau Beatz, com quem a Porta-Jazz tem estabelecido um intercâmbio. A proposta deste ano para integrar o Festival Porta-Jazz compreende a participação destes três músicos de referência no meio europeu, que procuram neste projeto testar a compreensão perante as diferentes perspetivas sobre o som, emitindo uma forte e constante energia com os elementos a chocarem entre si, em explosão sonora. Espera-se anarquia criativa, sons vocais que evocam culturas distantes, labirintos de manipulação eletrónica e incansável percussão ritualista.


Almut Kühne Voz

Joke Lanz Turntables

Alfred Vogel Bateria e electrónica

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 2

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Nate Wooley é um dos mais virtuosos e reconhecidos trompetistas da cena nova-iorquina atual. Tom Rainey é um baterista com história que soma décadas de música, um dos motores maiores do jazz e improvisação, que traz na sua bagagem fortes argumentos na interseção com músicos de gerações mais recentes.

São estes músicos, compositores, pensadores criativos e figuras de grande relevo que irão dirigir ao público do Festival Porta-Jazz um momento de partilha, no qual poderemos usufruir de tempo para escutar, questionar e deixar-nos inspirar pela brilhante presença do trio.

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

Entrada Livre

Alma Tree “Sonic Alchemy Suprema” feat. Alves, Moses, Trilla [PT, US, SP] - Novo CD Carimbo

Bob Moses é um baterista lendário que moldou o som do jazz dos anos 70 e 80 nas bandas de Pat Metheny, Paul Bley, Steve Swallow, Gary Burton ou Dave Liebman. Aos 75 anos, reúne em si a experiência do jazz fulgurante que se viveu nas últimas décadas em Nova-Iorque bem como uma curiosidade pura que o mantém atento às novas explorações e rumos da música. É assim que Ra Kalam Bob Moses, o nome espiritual com que agora se apresenta, se encontra com Pedro Melo Alves e Vasco Trilla, duas novas referências imparáveis da percussão exploratória contemporânea com forte atividade discográfica nos circuitos europeus. Os três bateristas que se movem entre as correntes mais livres do jazz e da música improvisada, juntam-se num trio de percussão, combinando entre composições e improvisações as suas fortes personalidades e recursos únicos num espetáculo de diálogos profundos e imprevisíveis, com forte carácter espiritual. Nesta passagem por Portugal, o trio de percussão encontra-se a apresentar o seu álbum de estreia "Sonic Alchemy Suprema", editado pelo Carimbo Porta-Jazz, que conta com a participação dos saxofonistas Julius Gabriel, João Pedro Brandão e José Soares.


Ra Kalam Bob Moses Bateria e percussão

Vasco Trilla Bateria e percussão

Pedro Melo Alves Bateria e percurssão

Participação

Julius Gabriel, João Pedro Brandão e José Soares Saxofones

AXES “Hexagon” [PT]

Constituindo ao longo dos últimos anos um dos principais focos criativos do saxofonista João Mortágua e afirmando desde logo uma estética composicional arrojada, transversal e eclética, Axes é um projeto de referência no panorama nacional, que já foi além fronteiras, percorrendo vários palcos dos festivais europeus.

Em "Hexagon", o segundo álbum deste sexteto, editado em 2023 com o Carimbo Porta-Jazz, Mortágua dá definitivamente um passo em frente na história da banda, erguendo sobre os seus alicerces identitários toda uma nova construção geométrica, baseada na narrativa dos ângulos e dos polígonos. Partindo dessa premissa arquitetónica, a música deste novo álbum revela-se firme e impactante, buscando no equilíbrio entre a força e a emotividade o ónus do seu significado: uma permanente construção conjunta sobre a tela em branco que é a nossa passagem por este mundo.


João Mortágua Saxofone soprano e composição

José Soares Saxofone alto

Hugo Ciríaco Saxofone tenor

Rui Teixeira Saxofone barítono

Filipe Louro Baixo eléctrico

Pedro Vasconcelos Bateria

imagem 14º Festival Porta-Jazz Bloco 1

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


7€

Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz no dia 27 de janeiro (sábado, 18:30 às 23:00) e a partir de 1 de fevereiro nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

Conectar notas e batidas individuais a princípios mais amplos é algo natural para Bob Moses, baterista lendário que moldou o som do jazz nova-iorquino dos anos 70 e 80 nas bandas de Pat Metheny, Paul Bley, Steve Swallow, Gary Burton ou Dave Liebman. Ra Kalam Bob Moses, o nome espiritual com que agora se apresenta - significando "o som inaudível do sol invisível", é um músico com uma abordagem decididamente filosófica da música. "Cresci no mesmo prédio que Art Blakey, Max Roach, Abbey Lincoln, Elvin Jones ou Rahsaan Roland Kirk. (...) Da minha janela, eu podia ver Eric Dolphy a tocar flauta no Central Park. Ele sentava-se lá e tocava com os pássaros.”.  Esta imagem captura a ideia de realização interior a que Moses se refere quando hoje descreve a sua relação com a música - “It’s not about entertainment; it’s about inner attainment.”

Este workshop de bateria, percussão e improvisação é destinado a todos os amantes de música, sem idade ou formação mínima.

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

Entrada Livre

14º FESTIVAL PORTA-JAZZ

Um multiverso de jazz e criação

Ao pesquisar a palavra Multiverso, conclui-se que a mesma é usada para descrever um conjunto de universos possíveis, incluindo aquele em que nos encontramos. Uma combinação e coexistência de vários universos e a totalidade de elementos sobre os quais eles se baseiam, como um ensemble musical, com diferentes músicos de diferentes universos e que juntos com as suas diferenças se transformam num único universo observável à primeira vista.

Serve assim este conceito de multiverso e este paralelismo com a realidade musical da Porta-Jazz como lema para mais um ano de atividade da Associação e o seu pináculo, ou ponto de chegada e partida, o 14º Festival Porta-Jazz.

Num ano de consolidação de um novo Espaço em que finalmente se torna fisicamente possível a materialização em pleno do conceito multiverso, é precisamente nesse multiverso que tudo se baseia e justifica e assim se celebram 14 anos deste Festival. Uma celebração em forma de presente cultural e musical a uma cidade que de resto, como a história já nos mostrou em várias ocasiões, não se verga nem se estende em bicos de pés a quem nega a existência e a liberdade de vários universos num só. É também ao mesmo tempo e de forma inevitável, uma resposta em contracorrente a um mundo e a uma realidade que cada vez menos promove as diferenças e o salutar resultado das dinâmicas que provêm da partilha, respeito e amor existentes nessas mesmas diferenças. Quando em conjunto apenas se tem como fim o crescimento e o desenvolvimento humano, em paz e conscientes que um universo se torna mais “uni-” quanto mais “multi-” o for.

É assim com este mote que a Porta-Jazz se apresenta em mais um ano de Festival no histórico Teatro Rivoli, alicerçando e preservando dinâmicas que têm servido de fio condutor ao longo destes 14 anos de vida e dedicação ao jazz do Porto. Cumprindo os seus desígnios e princípios motivadores ao proporcionar a um meio musical local uma forma de comunicar com o resto do mundo e tornar assim possível a sua existência e crescimento. Permitindo assim aos músicos estabelecerem ligações, desenvolverem as suas criações e concretizarem o seu trabalho sob a forma de concertos no Espaço Porta-Jazz, noutras partes da cidade e do país e em festivais na europa em parceria com movimentos congéneres.

Assim, nesta 14ª edição o Festival Porta-Jazz serve mais uma vez de montra maior dos conteúdos musicais que este multiverso produz, como o selo Carimbo, que neste ano de exultação para além dos concertos dos projetos editados no ano passado celebra também a chegada do disco número cem, com três discos a serem lançados durante o Festival. Uma centena de edições que contam já uma história de mais de uma década de jazz no Porto e um catálogo que espelha de forma clara e inequívoca este patente multiverso musical.

Nessa montra cabem também os projetos em forma de encomenda numa envolvência de músicos nacionais e internacionais, a presença de músicos históricos como os bateristas norte-americanos Bob Moses e Tom Rainey ou as parcerias com a associação Robalo, de Lisboa, que este ano acontece em formato decateto com o pianista inglês Hans Koller como convidado e também o habitual concerto do projeto resultante da residência no festival Guimarães Jazz. Ano de estreia para um novo desafio no festival, o Ensemble Mutante, que assim arranca sob a batuta da cantora Vera Morais e também como vem sendo bom hábito, os projetos resultantes das parcerias internacionais com a associação suíça AMR que este ano nos envia o projeto “Tom Brunt's Acoustic Space”, o festival austríaco Bezau Beatz com “HOW NOISY ARE THE ROOMS?” e a plataforma Improdimensija, de Vilnius, Lituânia, representada este ano por um trio de “pesos-pesados” do jazz europeu com o saxofonista lituâno Liudas Mockunas, o histórico guitarrista francês Marc Ducret e o trombonista suíço Samuel Blaser.

Com um primeiro dia a fazer nascer o primeiro dos três discos a serem lançados durante o Festival, o concerto de “À Procura” de Pedro Molina Quartet seguido de uma jam session, marcam o início desta festa no dia 1 de fevereiro no Espaço Porta-Jazz. Nos três dias seguintes as jams repetem-se todos os fins de noite no TMP Café, no Rivoli, cujos concertos de abertura estão a cargo de combos de jazz da ART´J, ESMAE e Conservatório de Música do Porto. Haverá, ainda, lugar para duas masterclasses que assinalam o início de cada tarde de concertos, na sexta-feira por Bob Moses e no sábado por Nate Wooley e Tom Rainey, bem como o concerto para famílias Diversão / Improvisação no domingo.

Tudo isto é o multiverso em que nos movemos e que nos move. Todo este multiverso é o universo Porta-Jazz e que aqui se estende por quatro dias, num cosmos diáfano de música e criação, a estender-se até ao infinito das nossas vontades e motivações.

cartaz 14º Festival Porta-Jazz

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Bilhetes

Pedro Molina “À Procura” [SP, PT] - Novo CD Carimbo

Do imaginário do contrabaixista espanhol Pedro Molina surge este projeto em parceria com jovens músicos da sua geração, distinguido em 2023 com o prémio para “Melhor Ensemble” no 3º Concurso Internacional de Jazz da Universidade de Aveiro. “À Procura” é a estreia dos seus registos discográficos enquanto líder e debruça-se sobre a observação do seu próprio mundo, de quem o rodeia e das emoções que pontuam um percurso de adaptação a uma nova cidade, à cultura, ao clima e às novas vivências que proporciona. A busca - e tudo aquilo que se descobre entretanto - serão os pontos de partida para a narrativa que poderemos escutar neste concerto de lançamento do disco com Carimbo Porta-Jazz.

Pedro Molina Contrabaixo e Composição

Miguel Meirinhos Piano

Filipe Dias Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / Entrada Livre Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem abertura 14º Festival Porta-Jazz

O Antón convidou o João Paulo

combinaram fazer um momento improvisado

não há muito mais a saber

um concerto de bateria e saxofone sem acordo prévio

João Paulo Silva Saxofone

Antón Quintela Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

O Kyle Green Quintet é um combo internacional de jazz com raízes em Portugal. Formado em 2020, o quinteto reuniu alguns dos maiores músicos da cena para interpretar as composições originais do guitarrista Kyle Green. A banda é composta por Kyle Green (EUA), César Cardoso (Portugal), Michael Lauren (EUA), Liévin Lefebvre (França) e Ricardo Formoso (Espanha).

Na sua essência, este projecto é construído na estrutura do trio de órgão clássico. O trio de órgão tornou-se popular nos anos 50 e 60, pois permitia que um pequeno grupo tivesse um som gigante. Desde então, tem sido uma casa ideal para guitarristas de jazz. Neste projecto, a adição de saxofone e trompete permite timbres ricos, contramelodias e harmonias que criam uma experiência de audição verdadeiramente dinâmica. As composições para este projecto foram escritas pelo líder da banda, Kyle Green, e são uma homenagem aos gigantes musicais do passado. Principalmente escritas no estilo post bop, as composições fundem elementos que reflectem a sua diversificada formação musical, combinando elementos do jazz e blues americano tradicional com influências mais modernas de funk e rock. Através de sua música, Kyle presta homenagem ao passado, permitindo que um mundo em constante mudança contribua para a evolução de sua voz musical.

Ricardo Formoso Trompete

César Cardoso Saxofone

Kyle Green Guitarra

Liévin Lefebvre Órgão

Michael Lauren Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Kyle Green Quintet

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Rui Catarino Guitarra

João Próspero Contrabaixo

João Almeida Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem João Próspero

"Acaba sempre por surgir aquele momento, na vida de cada qual, onde vemos três feições. A geometria de cada rosto organiza-se e, cada qual, experimenta o ócio de forma diferente. Poderemos até segurar, suspender dois desses rostos, à esquerda e à direita, como que numa indecisão interna sobre qual o que vestir em dado dia, em certo momento. Mas, a mais pura das verdades é que somos todos eles, e até outros, pois cada um é como cada qual." - Francisco Prata

Afonso Silva Saxofone

João Próspero Baixo eléctrico e contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

"PAIRA é um quarteto constituído por João Dias (trompete), Gil Silva (saxofone), Pedro Molina (contrabaixo) e Gonçalo Ribeiro (bateria).

Com raízes no meio jazzístico portuense, o grupo visa apresentar ao mundo a sua música original, envoltos numa estética pessoal em progressiva transformação e maturação, fruto do carácter artístico de cada membro.

Como algo que paira no ar, a sensação de sustentabilidade emitida pelas composições do quarteto revelam uma enorme liberdade na expressão musical, com recurso à improvisação livre, evidenciando assim a voz de cada membro como improvisador e canalizando-as para uma voz de grupo.

Dentro de um caldeirão de possiblidades, a única norma é permitir a música e os músicos reinventarem-se em tempo real. "

João Dias Trompete

Gil Silva Saxofone Tenor

Pedro Molina Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto PAIRA

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Brian Blaker Saxofone

Xavier Nunes Contrabaixo

João Alves Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Brian Blaker

dois amigos, uma história, muita conversa e vários motivos!

João Pedro Dias Trompete

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Marta Rodrigues Quinteto apresenta composições originais que evocam diferentes ambientes, através de uma profunda exploração de texturas e timbres, reforçadas por poemas e elementos de improvisação livre. Em todo o repertório, a liberdade, o conjunto e o lirismo são o mote. Partindo desta premissa, a cantora reuniu quatro músicos que se complementam e proporcionam uma diversidade sonora que muito valoriza as suas composições. O grupo é formado por Marta Rodrigues (voz e composição), Duarte Ventura (vibrafone), Miguel Meirinhos (piano), Gonçalo Naia (contrabaixo) e João Sousa (bateria). Recentemente, o quinteto gravou o seu disco de estreia, com lançamento previsto para 2024.

Marta Rodrigues Voz e Composição

Duarte Ventura Vibrafone

Miguel Meirinhos Piano

Gonçalo Naia Contrabaixo

João Sousa Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Marta Rodrigues Quinteto

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Rafael Gomes Saxofone Alto

Pedro André Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Antón Quintela

Rui Catarino Guitarra

Xavier Nunes Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

No dia 7 de Janeiro, das 16h às 21h, a Porta-Jazz organiza a primeira sessão Eureka, um micro-festival que numa tarde de domingo dá a conhecer vários projectos de natureza experimental, cruzando a música com o vídeo, a instalação, a performance. Em comum têm o tema, que nesta primeira sessão é "obras na cidade". As gruas e retroescavadoras, o barulho dos martelos pneumáticos, as ruas cortadas, ocupam o quotidiano dos portuenses. A transformação urbana está na ordem do dia, discutindo-se o acesso à habitação, a sobrevivência do comércio tradicional, o turismo, o Stop; e as implicações deste fulgor construtivo que perpassa a cidade são sensoriais, estéticas, sociais, culturais. A Porta-Jazz desafiou alguns dos mais criativos artistas desta cidade a desenvolverem esta temática, preenchendo com uma série de curtas intervenções a galeria, pátio, auditório e salas de ensaio do seu espaço na Praça da República (também permanentemente em obras). Haverá ainda uma conversa a cargo do Arquitecto Nuno Brandão Costa, cuja obra no Porto inclui o Terminal Intermodal da Campanhã e a reabilitação do bairro de São João de Deus.

Abertura

Arq. Nuno Brandão Costa

"Gentrifugação"

Diana Gil, Joana Raquel

"O Taipal"

Nuno Trocado, Sérgio Tavares

"Viagens nessa rua"

Ana Luísa Marques, Antón Quintela, Gil Silva, Gonçalo Sarmento, Ricardo Moreira

"Pó"

Demian Cabaud, João Pedro Brandão, Marcos Cavaleiro

"O Bairro"

AP, Hugo Caldeira, Hugo Raro, João Pedro Dias, Sérgio Tavares, Teresa Costa, Zé Stark

"Eu, Ruido"

Susana Santos Silva


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Cartaz Eureka!

FIONA é um trio sediado na cidade do Porto composto por Hugo Ferreira (Guitarra), João Próspero (Contrabaixo) e Gonçalo Ribeiro (Bateria). FIONA expressa a dualidade entre o áspero e o delicado, entre o caos e a harmonia, que se vão desenvolvendo e entrelaçando, preto no branco. O repertório é composto por um conjunto de temas originais, da autoria dos três membros, que juntam influências do jazz, rock e música erudita.

Hugo Ferreira Guitarra

João Próspero Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto FIONA

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Hugo Ferreira Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Zé Stark Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem João Cardita

2023

“The Life of M” é uma suite que retrata a vida de uma pessoa (M) que, à medida que vai envelhecendo, vai perdendo a capacidade de ver cor. Cor essa que também representa metaforicamente a sua felicidade e vontade de viver. Toda a peça é um desenvolvimento da nostalgia/desespero/ira da personagem ao longo da sua vida.

Mané Fernandes Guitarra

João Cardita Bateria

Gil Silva Saxofone Tenor

Hugo Caldeira Trombone

Miguel Meirinhos Piano

Filipe Louro Contrabaixo


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto The Life of M

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Gil Silva Saxofone

João Fragoso Contrabaixo

João Silva Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Gil Silva

oão Fragoso e Gil Silva tocam juntos há dois anos, em variados agrupamentos. Neste concerto propõem-se a interpretar composições originais de cada um, neste contexto reduzido, interligando-as com o discurso improvisado que este local privilegia. 

João Fragoso Contrabaixo

Gil Silva Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Do caderno de rascunhos de Mariana Vergueiro surge o ponto de partida para um trabalho conjunto a apresentar na última edição do ciclo Residencial Porta-Jazz em 2023, que destacou o papel de liderança no feminino ao longo das suas dez residências artísticas no Espaço Porta-Jazz. Este trabalho traz à cantora portuense uma motivação acrescida, pela vontade de concretizar um projeto com Mané Fernandes, um dos músicos da sua geração que mais fortemente admira. A restante formação é composta por dois talentosos e criativos companheiros de viagem, que trazem consigo a experiência em tocar juntos para este novo grupo que aqui emerge. A cumplicidade na exploração das ideias simples e a atenção aos pequenos detalhes nelas contidos vão ser os destaques maiores na Residencial Mariana Vergueiro.

Mariana Vergueiro Voz e Composição

Mané Fernandes Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Mariana Vergueiro

Foto: Pedro Ferreira

Neste concerto especialmente destinado as criança, os mais pequenos serão conduzidos numa jornada imersiva e participativa, através de jogos de improvisação e atividades de criação musical. Não percam a oportunidade de cultivar a paixão pela música de forma envolvente e interativa!"

5€

Lotação Limitada

+ Info e inscrições através de producao.portajazz@gmail.com até 22/12


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto

Cartaz Diversão / Improvisação

Entre a canção, a improvisação e a electrónica, Joana Raquel e Daniel Sousa convergem as suas influências através de abordagens mais experimentais, numa formação que quer renovar a identidade e a estética do duo portuense.

Após o lançamento do seu primeiro disco “Membrana” pelo carimbo Porta-Jazz, 293 diagonal apresenta-se agora, em formato expandido com Eduardo Dias na bateria e Sara Ribeiro no baixo elétrico.

Esta nova proposta em quarteto, reinventa temas do disco bem como apresenta novos originais, que desenha uma nova abordagem mais concreta, assente na canção, projetando a banda para novas direcções.

Joana Raquel Voz

Daniel Sousa Saxofone alto e electrónica

Eduado Dias Bateria

Sara Ribeiro Baixo Eléctrico


CAAA Guimarães

R. Padre Augusto Borges de Sá, 4810-523 Guimarães

foto 293 Diagonal

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Rui Catarino Guitarra

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Rui Catarino

João Cardita e Joaquim Festas já colaboraram em vários projetos, mas nunca se apresentaram em duo.

Juntos formam os "Ladrões de Limões" e para este lugar levam temas da sua autoria e ideias que se querem expandir num espaço que abrange o groove e a improvisação livre.

João Cardita Bateria

Joaquim Festas Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

HIIT é um trio de piano de música contemporânea improvisada, com quadros composicionais que definem a composição em tempo real. Nele ouve-se uma estética reminiscente da música improvisada e composta dos séculos XX e XXI e ouve-se uma energia de sangue quente que não evita a melodia lírica, a contemplação abstrata ou matrizes formais estruturadas.

Conectando o cenário da nova música de Portugal e Itália, HIIT é composto pelo pianista Simone Quatrana, pelo contrabaixista Andrea Grossi e pelo baterista Pedro Melo Alves.

Simone Quatrana Piano

Andrea Grossi Contrabaixo

Pedro Melo Alves Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Pedro Melo Alves HIIT

Notre traditionnelle collaboration avec l’association de musiciens de Porto, Porta Jazz.

Deux musiciens sont invités par chaque association pour jouer avec deux musiciens de l'association hôte.

Une nouvelle rencontre fructueuse. Les artistes présenteront leur travail après trois jours de résidence à l’AMR.

Gabriel Zufferey Piano

Noé Tavelli Bateria

Gil Silva Saxofones

João Fragoso Contrabaixo


Mais info

AMR Genève

Rue des Alpes 10, 1201 Genève, Switzerland

foto AMR PJ

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Eurico Costa Guitarra

João Próspero Contrabaixo

Zé Stark Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Eurico Costa

No palco íntimo dos Maus Hábitos, entregamo-nos a uma sinfonia apaixonada entre a guitarra elétrica habilmente acariciada por Hugo Ferreira e o trompete ardente de João Dias. Unidos por laços musicais forjados nos estudos de jazz, estes virtuosos exploram o terreno do improviso, dançando no limiar do imprevisível. Em sintonia, não apenas com os maus, mas também com os sublimes hábitos musicais, criam uma narrativa sonora que é um convite ao deleite emocional. Deixe-se levar pela magia única deste concerto, onde a música transcende o simples som, transformando-se numa experiência romântica e eloquente.

Hugo Ferreira Guitarra

João Pedro Dias Trompete


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto


Entrada Livre

imagem Jazz à Mesa

Abrem as portas da residência permanente no Espaço Porta-Jazz para deixar entrar dois viajantes vindos da Suíça, enviados especiais da associação AMR Genève, com quem a Porta-Jazz tem uma parceria estabelecida desde 2017.

Este intercâmbio tem trazido ao Porto diversos projetos sugeridos pela AMR e levado a Genebra vários concertos por bandas do Carimbo Porta-Jazz. Pelas pontes assim estabelecidas, a Porta-Jazz e a AMR têm vindo a promover outros modelos, como as residências artísticas, que colocam em colaboração músicos que não se conhecem anteriormente, num e noutro país.

Nesta edição será a vez dos portugueses João Pedro Dias e João Cardita acolherem no Porto dois músicos suíços - Mona Creisson e Ravi Ramsahye - para a criação de uma proposta original que irá pôr à prova a sinergia entre os quatro, explorada numa semana intensiva de trabalho que antecede o concerto.

Com forte interesse na música improvisada e experimental, Mona Creisson é uma violinsta multifacetada pois para além do seu instrumento explora as texturas da voz e da eletrónica, através de live sampling.

O guitarrista Ravi Ramsahye é filho de dois emigrantes da Maurícia radicados em Genebra, pelo que os seus antecedentes multiculturais lhe aportam uma visão abrangente sobre a expressão artística. Profundamente fascinado por jogos rítmicos, esse é o seu maior contributo para os projetos em que se envolve, em liderança ou em colaboração.

João Pedro Dias é um trompetista muito ativo na cena portuense, tendo já somado diversas participações com orquestras e large ensembles para concertos e gravações, liderando o seu projeto próprio "Matéria", a ser editado brevemente.

O baterista João Cardita tem vindo a trilhar um sólido percurso, sendo um dos elementos mais destacados da nova geração de músicos que exploram a improvisação e os projetos que nela assentam para desafiar barreiras estilísticas.

João Pedro Dias Trompete

Mona Creisson Violino

Ravi Ramsahye Guitarra

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto PJ AMR

Ao longo de três encontros durante a Feira do Livro do Porto de 2023, três bandas de Jazz apresentaram-se enquanto um grupo de crianças e adultos desenhavam em frente ao palco. Numa espécie de performance estimulada pela música, os participantes moviam mãos, braços e corpos numa coreografia improvisada e individual registando com os seus instrumentos de desenho os sentimentos, emoções e sensações do momento. Os grafismos a tinta e carvão deixados no papel de grande formato, um espaço partilhado, território livre, guardam uma tradução visual daquilo que foi escutado, transformando som em imagem através do gesto. Registos que, provavelmente, não poderiam ser verbalizados ou expressos racionalmente. Coube ao desenho, ato primordial, que nasceu antes da linguagem falada ou escrita e que acompanha o homem desde a sua origem na tentativa incansável de pertencer e explicar o mundo, a tarefa de marcar na superfície as sensações do público.

MON-WED 10:00 - 13:00

During concerts


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto

Imagem Desenhar o Som

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.


Quase tão antigas como a própria arte que interpretam e sustituindo outras danças populares como a valsa ou a polka, as big bands ou orquestras de jazz têm acompanhado o percurso deste género musical chegando ao seu apogeu entre o final da década de 1930 e a primeira metade da década seguinte. Músicos como Count Basie, Duke Ellington, Benny Goodman, Stan Kenton, Tommy Dorsey lideraram com éxito algumas das orquestras que ajudaram a definir este grande formato.

A AntQuestra revisita o amplo legado que estas e outras orquestras deixaram na história da música a través de um coletivo integrado por músicos da cena portuense.

João Paulo Silva Saxofone Alto

Afonso Silva Saxofone Tenor

Pedro Matos Saxofone Tenor

Gil Silva Saxofone Tenor

Rafael Gomes Saxofone Barítono

João Pedro Dias Trompete

Hugo Silva Trompete

João Tavares Trompete

Afonso Baldaque Trombone

Maria Beatriz Moura Trombone

Miguel Bessa Trombone

Rodrigo Santos Trombone Baixo

Ricardo Moreira Piano

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem AntQuestra

Viagens, texturas, acontecimentos – tudo ad libs da nossa visita efémera a esta esfera solitária.

Encontrando-se pela primeira vez num duo de baterias e electrónica, Gonçalo e João exploram diferentes timbres de forma a criar mantras que se alinhem com memórias passageiras do que têm vivido.

"Fora um momento oscilante, pelas assim iluminadas Vias Ancestrais." - Atanásio

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Alves Bateria

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

A Porta-Jazz do Porto e a Robalo de Lisboa são duas associações de músicos que têm colaborado com alguma regularidade, organizando anualmente um sexteto com músicos de ambas as associações. Este ano resolveram alargar o âmbito desta colaboração e convidar o compositor e músico Hans Koller para escrever um conjunto de temas para um conjunto alargado de músicos. O resultado é este Decateto Porta-Jazz / Robalo que se apresenta este ano na Festa do Jazz, celebrando a parceria com o projecto.


+ INFO

Hans Koller Piano, direcção e composição

Joana Raquel Voz

Gonçalo Marques Trompete

João Almeida Trompete

John O’Gallagher Saxofone Alto

João Paulo Silva Saxofone Alto

Hristo Goleminov Saxofone Tenor

Gil Silva Saxofone Tenor

Eurico Costa Guitarra

James Banner Contrabaixo

João Pereira Bateria


Pequeno Auditório do CCB

Praça do Império, 1449-003 Lisboa

Foto Imagem Decateto Porta-Jazz/Robalo/FDJ & Hans Koller

Duo formado em 2016 por dois dos músicos mais inquietos da cena nacional. Duas gerações diferentes do jazz espanhol juntam-se para nos oferecer uma proposta muito particular.

O contrabaixista galego Baldo Martínez é um dos músicos mais representativos do jazz contemporâneo feito em Espanha, com uma sólida carreira repleta de projectos arriscados e criativos. Juan Saiz é um dos músicos emergentes da nova geração do jazz e da música criativa em Espanha.

A música de NU2 cobre um leque tão amplo como o que caracteriza o jazz mais criativo, que pode ir desde a música tradicional como fonte de inspiração, em temas como "Cantiga", até composições originais baseadas em diferentes tendências do jazz contemporâneo mais aberto, como "Coterón - Reñada" ou "Bradada". Devido à formação instrumental do duo, flauta/sax e contrabaixo, consegue-se uma sonoridade muito pessoal onde o timbre desempenha um papel fundamental, assim como a improvisação que é amplamente desenvolvida a partir das composições originais na sua totalidade.

Baldo Martínez Contrabaixo

Juan Saíz Saxofones e Flauta


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto NU2

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Hugo Ferreira Guitarra

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Hugo Ferreira

Nuno Trocado (guitarra, electrónica) e Sérgio Tavares (contrabaixo) vêm mantendo uma extensa colaboração, que resultou este ano no disco "Corrosion" (Porta-Jazz), com o multi-instrumentalista britânico Tom Ward - "uma viagem extremamente excitante no panorama da improvisação, que flui livremente e acerta-nos em cheio na alma" (Salt Peanuts, Noruega), "fraseados remetidos para uma multiplicidade de recantos, como para os melhor desmembrar em pequenos pedaços" (JazzMania, França), "uma experiência intensa onde até chamar-lhe 'heavy' parece pouco" (JazzHalo, Bélgica), "distingue-se pela originalidade das abordagens" (Jazz.pt, Portugal), "um distopia aqui recriada com precisão e engenho" (Cadernos do Underground, Portugal). Nesta ocasião especial, a Trocado e Tavares junta-se o jovem trompetista João Pedro Dias.

Nuno Trocado Guitarra e electrónica

Sérgio Tavares Contrabaixo

João Pedro Dias Trompete


CAAA Guimarães

R. Padre Augusto Borges de Sá, 4810-523 Guimarães

Foto Trocado / Tavares / Dias

Na vertente espiritual e filosófica, o nome do grupo "Samurai Magazine", bem como os nomes das oito composições, sofrem uma grande influência oriunda da cultura Japonesa no século X em que os guerreiros Samurais e o seu respectivo código de honra são as principais fontes de inspiração para o encontro de pontes entre o abstrato artístico e o concreto científico.

Resultado do trabalho académico desenvolvido no mestrado em interpretação artística da Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE-IPP), este é o 98º disco do catálogo do Carimbo Porta-Jazz.


Foto Samurai Magazine

João Guimarães Saxofone Alto

Dalila Teixeira Teclado

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Acácio "Salero" Cardoso Bateria, composição e arranjos


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Samurai Magazine

Ana Luísa e Joana Raquel usam as suas vozes para explorar sonoridades que se inspiram na música tradicional e no jazz.

Com recurso a improvisação procuram revisitar canções e interpretá-las de forma mais crua. 

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Joana Raquel Vozes, percussões e electrónica

Ana Luisa Vozes, percussões e electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

As afinidades musicais revelam-se inúmeras vezes através de um gosto convergente nos mesmos estilos, épocas, geografias ou repertórios. Mais raramente acontece existir um encantamento partilhado em torno do momento criativo, pela perspetiva de uma inquietação prazerosa que é própria da imprevisibilidade a que a música nos expõe, se nos permitirmos a entrega necessária ao momento: Não importam tanto então os repertórios, os idiomatismos caracterizadores de um ou outro estilos conhecidos, ou as heranças de determinada cultura musical. Neste quadro artístico onde se juntam Tomás Marques e Afonso Pais, o ponto de partida musical é consequente desta forma espontânea e de reciprocidade de estar no momento criativo.

Afonso Pais Guitarra(s) Eléctrica(s)

Tomás Marques Saxofones


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Boglin

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Luís Ribeiro Guitarra

Filipe Teixeira Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Miguel Sampaio

O grupo FROX dedica-se à improvisação e ao processo criativo. Este processo refere-se à mediação entre o impulso e o som, entre a vontade e a ação, que, por sua vez, aborda a reflexão, o movimento, a 'e-moção'. Agem sem planeamento prévio, sem acordos, dedicados às circunstâncias momentâneas em que se encontram e que os influenciam, envolvendo os ouvintes num jogo colaborativo e opositor ao mesmo tempo.

Deste modo, FROX propõe uma música improvisada que nasce de uma entrega absoluta e genuína ao existente em redor.


Foto Frox

Lennard Fiehn Saxofone Tenor

Samuel Gapp Piano

Jakob Obleser Contrabaixo

Jonas Kaltenbach Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Frox

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.


Em vésperas de gravação do seu 2º disco, o quarteto de Gonçalo apresenta-se ao vivo na Porta-jazz. Desta vez o sucessor de “Linhas” (ed. Porta-Jazz 2019) inspira-se no universo complexo de Franz Kafka, o famoso escritor checo do início do sec XX. Para descobrir a música presente nos seus esboços musicais, Gonçalo Marques socorre-se dos mesmos elementos do primeiro disco: o pianista Jacob Sacks, o contrabaixista Masa Kamaguchi e o Baterista Jeff Williams.

Gonçalo Marques Trompete

Jacob Sacks Piano

Masa Kamaguchi Contrabaixo

Jeff Williams Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Quarteto de Gonçalo Marques

Foto: Jorge Carmona

O trombonista e compositor suíço Samuel Blaser regressa regularmente ao princípio estrutural experimentado em várias fórmulas orquestrais pelo grande Paul Motian, como prescindir do contrabaixo, fazendo deste espaço vazio simultaneamente a força motriz e o pivot paradoxal para a elaboração de um discurso autenticamente coletivo. Acompanhado pelo pianista nova-iorquino Russ Lossing e pelo baterista Billy Mintz, Blaser apresenta uma série de temas baseados nesta dinâmica do vazio, numa música melódica, muito colorida e cheia de contrastes, que liga o jazz de câmara abstrato e lírico de Jimmy Giuffre, com o seu sentido de improvisação, e um vocabulário harmónico retirado de várias fontes da música de arte do século XX, tanto europeias como americanas.

Samuel Blaser Trombone

Russ Lossing Piano

Billy Mintz Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Triple Dip

“ODE”

Hugo Raro & Rui

Com mais de uma dezena de colaborações em conjunto ao longo de 25 anos, os músicos Hugo Raro e Rui Teixeira apresentam-se em duo sob o epíteto de “Ode”. Numa celebração e comunhão simbiótica entre teclados e saxofone, numa trama que se vai tecendo com vários e diferentes fios musicais. “Ode” é uma ode à música dos nossos tempos, de outros tempos e de todos os tempos. “Ode” vive na improvisação, na composição, na música popular e na erudita, nos sons urbanos e numa certa melancolia bucólica de quem anseia por horizontes mais vastos dentro das 4 paredes de uma cidade.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Rui Teixeira Saxofone

Hugo Raro Teclados


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Prática e experimentação em situação de grupo. Treino auditivo em ambiente sonoro complexo, reatividade, respeito e responsabilidade como líder. Os alunos poderão trabalhar em duas composições do repertório atual do trio. Gráficos e músicas serão enviados com antecedência.


Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com

Samuel Blaser Trombone

Russ Lossing Piano

Billy Mintz Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Triple Dip

Em 2023, a proposta sugerida no âmbito da parceria entre o Guimarães Jazz e a associação portuense Porta-Jazz será o projeto [Soma], protagonizado por um quarteto liderado pelo saxofonista e compositor José Soares. A atuação deste ensemble, formado, para além de Soares, pelo pianista José Diogo Martins, pelo contrabaixista Omer Govreen e pelo baterista João Lopes Pereira, será complementada pela colaboração com a artista visual argentina Várvara Tazelaar. Musicalmente influenciadas pela estética da música contemporânea, do noise e das tendências de experimentação, as composições e as imagens desenvolvidas no âmbito deste projeto terão como simultaneamente ponto de partida e de expansão narrativa textos da autoria de Gonçalo M. Tavares, Robert Musil, Gaston Bachelard, Clarice Lispector e Maria Gabriela Llansol.

José Soares Sopros e composições

José Diogo Martins Piano

Omer Govreen Contrabaixo

João Lopes Pereira Bateria

Várvara Tazelaar Artista Visual


Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães

Av. Conde de Margaride 175, 4810-535 Guimarães

Imagem SOMA Guimarães Jazz

A partir de uma peça de Kate Soper - "Only the words themselves mean what they say" - Mariana Dionísio e Clara Saleiro partem à descoberta de novas formas de tocar em conjunto.

Ideias, jogos e pequenos temas servirão de base a uma exploração da fusão sonora através da improvisação.

Clara Saleiro Flauta

Mariana Dionísio Voz


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Clara Saleiro e Mariana Dionísio

Foto: João Duarte

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Guilherme Costa Guitarra

Nuno Campos Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Nuno Campos

José Pedro Coelho e Marcos Cavaleiro têm nos últimos anos colaborado neste formato, sendo um lugar onde os dois músicos fundem o resultado da suas pesquisas, e dão novas trajetórias a sua interação  enquanto coletivo. Este concerto pretende-se tolamente improvisado.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


José Pedro Coelho Saxofone

Marcos Cavaleiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Reunindo personalidades parceiras de longa data e, criando de raiz, para as mesmas, um reportório resultante das suas mais recentes experiências composicionais, Gil Silva apresenta assim um novo quinteto e primeiro grupo que interpreta a sua música.

“Neste reportório diverso, no qual se podem reconhecer diferentes influências composicionais e linhas estéticas, se observarmos as composições como entidades independentes que existem por si só, emergem tópicos comuns: assuntos que estas entidades debatem entre si.

Com o foco direcionado para aquilo que, através de palavras, ambicionamos descrever como “dimensão/plano mental”, tentamos musicalmente capturar uma pequena parte daquilo que é uma miríade infinita de transmutações deste espaço não palpável e a sua magia negra.”

João Paulo Silva Saxofone Alto

Gil Silva Saxofone Tenor / Composição

Joaquim Festas Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Gil Silva Quinteto

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.


Quase tão antigas como a própria arte que interpretam e sustituindo outras danças como a valsa ou a polka, as big bands ou orquestras de jazz têm acompanhado o percurso deste género musical, tendo como apogeu a década de 1930, onde nasce a emblemática Count Basie Orchestra (1936).

Thad Jones (1923), que co-liderou a Thad Jones/Mel Lewis Jazz Orchestra, foi um dos grandes compositores/arranjadores para esta formação e este ano festeja-se o 100º aniversário do seu nascimento. Jones e Lewis apresentaram a sua orquestra em 1966, sendo que Jones já tinha formado parte da Count Basie Orchestra desde 1954 e durante quase uma década. Lá pelo meio aparece a figura do Gil Evans, muito associado ao imprescindível Miles Davis e essencial na história da música. Para fechar o círculo, Thad Jones grava como trompetista um álbum do Gil Evans (The Individualism of Gil Evans, 1964) já no fim da sua estadia com a orquestra de Basie e pouco antes de começar a preparar o nascimento da sua própria grande formação.

Nesta noite exploraremos algumas das músicas mais emblemáticas figuras tão imprescindíveis na história da música como são Basie, Evans e Jones além de alguma outra surpresa.

João Paulo Silva Saxofone

Afonso Silva Saxofone

Pedro Matos Saxofone

Pedro Miranda Saxofone

Rafael Gomes Saxofone

João Pedro Dias Trompete

Hugo Silva Trompete

João Tavares Trompete

Afonso Baldaque Trombone

Hugo Caldeira Trombone

Miguel Bessa Trombone

Ricardo Moreira Piano

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto AntQuestra

"De vez em quando, enquanto procurava nas minhas memórias, estendia a mão para onde a escada de corda estava pendurada contra a parede e dava-lhe um puxão para me certificar de que não se tinha soltado. Não conseguia afastar o medo de que ela pudesse simplesmente ceder a qualquer momento. Conseguia ouvir o meu próprio coração a bater. Depois de ter verificado um certo número de vezes - talvez vinte ou trinta - comecei a ganhar alguma calma. Afinal de contas, eu tinha feito um bom trabalho ao prender a escada à árvore. Ela não se iria soltar assim, sem mais nem menos." - Haruki Murakami

João Próspero Contrabaixo

Joaquim Festas Guitarra

Miguel Meirinhos Piano

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto João Próspero

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Joana Raquel Voz

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by Joana Raquel

O Comissariado Cultural da FEUP e a Associação Porta Jazz convidam todos os apaixonados pela música a embarcar numa experiência única. Neste concerto, onde a improvisação é o veículo privilegiado para a criação artística, a Orquestra Clássica da FEUP e um quinteto de jazz encontram-se numa simbiose musical, convidando o público a uma imersão participativa através de estímulos e gestos musicais simples que desencadeiam uma viagem sonora fascinante.

À Orquestra Clássica da FEUP junta-se na direção musical e voz Luís Castro, acompanhado por Hugo Ciríaco no saxofone tenor, Ricardo Moreira no piano, Sara Santos Ribeiro no contrabaixo e Zé Stark na bateria.

"Imersão/Improvisação" promete uma noite de música espontânea que transcende os limites dos géneros musicais, uma celebração da liberdade criativa onde todos são bem-vindos a participar e testemunhar a magia da improvisação musical, criando memórias inesquecíveis.

Orquestra Clássica da FEUP

+

Luís Castro Voz e direção musical

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Ricardo Moreira Piano

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo

Zé Stark Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala)

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Imersão, improvisação

Numa noite iluminada pelos tons suaves e cativantes do jazz, o guitarrista Filipe Dias e o saxofonista Pedro Matos, serão a vossa companhia em mais uma jornada musical nos "Maus Hábitos". Esta performance irá abranger um variadíssimo espectro de composições originais, repertório do cancioneiro americano do jazz e será certamente uma experiência intensa, envolvente e ficará no coração de quem embarcar nesta aventura.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Filipe Dias Guitarra

Pedro Matos Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Quarteto criado por Pedro Ivo Ferreira em 2021, explora ritmos e melodias do nordeste brasileiro misturado com improvisação livre.

Os integrantes de 4 diferentes nacionalidades; Pedro Ivo Ferreira (Brasil), Miguel Petruccelli (Uruguay), José Soares (Portugal) e Onno Govaert (Holanda) (re)criam uma sonoridade única, explorando a simplicidade e a acidez do sertão brasileiro com a espontaneidade da música improvisada.

Pedro Ivo Ferreira Composição e Contrabaixo

José Soares Saxofone

Miguel Petruccelli Guitarra

Onno Govaert Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Orè

Este trio é o mais recente projeto do pianista e compositor Nataniel Edelman, um dos artistas criativos em ascensão de Buenos Aires, Argentina, que reúne duas das principais vozes do jazz e da cena musical criativa de Nova York: o mestre Michael Formanek no baixo e saxofone poeta Michael Attias.

As composições escritas por Edelman para este cenário intimista combinadas com o fluxo e o lirismo velado das improvisações tornam esta banda muito especial, cheia de momentos frágeis de delicadeza e explosões estrondosas de energia. Três músicos de diferentes gerações e partes do mundo com bom senso para som e música.

Esta digressão europeia marca o lançamento do primeiro álbum do trio “Un Ruido de Agua” lançado pela Clean Feed Records em outubro de 2023.

Nataniel Edelman Piano

Michael Formanek Contrabaixo

Michael Attias Saxofone Alto


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Nataniel Formanek Attias

Músicos tragam seus instrumentos! O trio vai apresentar algumas das músicas que serão tocadas no concerto, discutindo a relação entre material escrito e improvisação. Compartilhará também experiências e abrirá espaço para questões sobre aspectos de improvisação e arte musical.

Michael Formanek é um dos baixistas e compositores mais experientes dos nossos tempos, e partilhou música com uma grande variedade de músicos - Tony Williams, Freddie Hubbard, Stan Getz, Tim Berne, Tony Malaby e Kris Davis - liderando também os seus próprios ensembles. Michael Attias trabalhou, entre outros, com lendas como Anthony Braxton, Paul Motian e Oliver Lake, enquanto liderava vários grupos de vanguarda em Nova York. Nataniel Edelman é um dos pianistas mais requisitados de Buenos Aires, Argentina.

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


Entrada Livre

Foto Nataniel Formanek Attias

Emaranhado

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Guimarães Saxofone

Hugo Ferreira Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Duarte Ventura (vibrafone) e Hugo Ferreira (guitarra) são dois músicos e amigos, residentes em Lisboa e no Porto. Em Setembro de 2022 juntaram-se pela primeira vez em formato de residência artística, completando um quarteto com João Cardita (bateria) e João Fragoso (contrabaixo), e assim formando este projecto, GODUA. Desde aí têm-se reunido periodicamente em contexto de ensaio, de composição conjunta, e de concertos ao vivo, dando continuidade à jornada iniciada. Têm o objetivo continuado de construir uma sonoridade própria e íntima, em que coabite a identidade musical de cada um, e se evolua a forma musical da sua junção.

Hugo Ferreira Guitarra

Duarte Ventura Vibrafone

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Godua

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Duarte Ventura Vibrafone

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by João Cardita

Em Mosaico ouvimos novamente agregados os diferentes imaginários de Coelho, Wilde e Fernández, como três cores que lentamente se fundem, resultando em novas cores num quadro maior. O formato menos usual, sem baixo, abre a paisagem sonora, deixando espaços para a improvisação e a surpresa. Tendo os seus elementos uma cumplicidade musical de há já vários anos, tudo se junta de forma natural e integrada, havendo confiança para explorar e puxar os limites.


Foto WIZ

José Pedro Coelho Saxofone

Wilfred Wilde Guitarra

Iago Fernandez Bateria


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt / www.portajazz.com


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento WIZ

Ouvi contar que antigamente nas desfolhadas, quando aparecia o milho-rei, era tradição as pessoas se abraçarem. Imagino a ternura fraterna, e não menos importante o particular êxtase daqueles que guardavam secretas paixões, cujo impulso mantinham contido no conservadorismo próprio da nossa história, ansiosos de contacto corpo a corpo - que intenso. Aos nossos dias, procurar o milho-rei pode carregar a metáfora de procurar a sorte, numa crença de que havemos de sentir, a qualquer dia, a bênção dos Deuses: ao revés do que trouxe a frenética a produção desumanizada, deixar brilhar a nossa existência única e preciosa.

Neste ciclo de canções, dedicado à esperança e à coragem, Luís Castro (voz e eletrónica), Miguel Meirinhos (piano) e Zé Stark (bateria) são desafiados a integrar nas composições originais de Sara Santos Ribeiro (contrabaixo) novas ideias e a celebrar novos caminhos.

Este ciclo conta a história de uma menina corajosa que atravessa as correntes incoercíveis, se lança em queda livre, para se transformar em luz do outro lado das possibilidades, e de um gigante que se fez amigo, um gigante com um abraço tão largo quanto o próprio horizonte.

Luis Castro Voz e electrónica

Miguel Meirinhos Piano

Zé Stark Bateria

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo e Composição


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Sara Santos Ribeiro

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Hugo Ferreira Guitarra

João Próspero Contrabaixo

João Alves Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by João Alves

Dois jovens guitarristas, colegas de longa data, juntam-se a fim de partilhar a sua afinidade musical explorando os oceanos da improvisação, com algumas referências do cancioneiro do jazz americano. Sem estéticas predefinidas procuram envolver-se em texturas e melodias realçando a proximidade destes jovens músicos.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Rui Catarino Guitarra

Hugo Caldeira Trombone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

“Convidei quatro dos meus músicos preferidos para me ajudarem a partilhar convosco a música nova que escrevi a pensar nesta ocasião.

Escrevi peças e canções,
cada uma delas
uma personagem
na história que vos vamos contar
ao longo da noite
e talvez alguma delas
vos possa acompanhar
(enquanto vos servir)”

Afonso Silva Saxofone Alto/Flauta

João Pedro Brandão Saxofone/Flauta

Clara Lacerda Piano/Composição

Romeu Tristão Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Clara Lacerda

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Fernando Brox Flauta

Gianni Narduzzi Contrabaixo

Zé Stark Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by Fernando Brox

Este duo de guitarra e trompete junta-se para uma viagem onde uma nota, um som, uma ideia abrem caminhos para a improvisação livre e a experimentação.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


AP Guitarra

João Pedro Dias Trompete


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Sempre gostei de canções.

A voz é um instrumento primário das canções. Cria palavras e frases, que pintam paisagens ou que contam histórias.

Os restantes elementos musicais acompanham essas histórias. Criam imagens sonoras, como um livro transporta mentalmente para cenários e pessoas.

Ou também podem ser parte da história como personagens.

Ou então pode ser também que os elementos musicais sejam em si a história e a voz, desta vez sem palavra, parte do seu enredo.

Sobre essa história, cada um pode contar a sua história.

Ou então só existem cenários e cada elemento cria a sua história, como se fosse um livro escrito pelas suas diferentes personagens, nas suas próprias línguas.

A composição musical e as texturas sonoras que esta residência pretende explorar utilizam a história como mote para a construção musical e a cada músico integrante é esse o convite feito.

Ana Luisa Composição, voz

Gil Silva Saxofone Tenor

Ricardo Moreira Piano

Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Ana Luisa

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Ricardo Moreira Piano

Pedro André Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by Pedro André

De vez em quando, enquanto procurava nas minhas memórias, estendia a mão para onde a escada de corda estava pendurada contra a parede e dava-lhe um puxão para me certificar de que não se tinha soltado. Não conseguia afastar o medo de que ela pudesse simplesmente ceder a qualquer momento. Conseguia ouvir o meu próprio coração a bater. Depois de ter verificado um certo número de vezes - talvez vinte ou trinta - comecei a ganhar alguma calma. Afinal de contas, eu tinha feito um bom trabalho ao prender a escada à árvore. Ela não se iria soltar assim, sem mais nem menos.

Haruki Murakami

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Próspero Contrabaixo

Joaquim Festas Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

NoMad Nenúfar é um projeto idealizado por Bernardo Tinoco e Tom Maciel que visa a composição coletiva de repertório original específico para os dois instrumentistas envolvidos. A proposta do duo inclui a exploração de uma sonoridade eletrónica através do uso de sintetizadores e processamento de áudio como base do processo criativo. O álbum de estreia do duo foi editado pela Clean Feed com apoio da Antena 2 e conta com a presença do baterista João Pereira em três faixas.

O disco constou na lista de melhores do ano 2022 da revista jazz.pt, nas Notas Azuis de Rui Miguel Abreu e como álbum revelação no programa Beats For Peeps de João Morado.

Bernardo Tinoco Saxofones, Flauta, Duduk

Tom Maciel Piano, Synths, Eletrónica

João Pereira Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Nomad

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Joaquim Festas Guitarra

João Próspero Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by Joaquim Festas

O Antón convidou ao Zé

combinaram fazer um concerto improvisado

não há muito mais a saber

uma hora de guitarra e bateria sem acordo prévio

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Antón Quintela Bateria

José Vale Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Nascidos, em 2022, fruto de vários workshops realizados pela Associação Porta-Jazz, o “Ensemble Jazz ao Largo” afirma-se como um laboratório de improvisação e exploração sonora. Na oitava edição do Jazz ao Largo, e liderados pelo multi-instrumentista Luís Castro, o ensemble estará disponível para quem o quiser dirigir. Pede-se ao público que tome as rédeas desta big band. Ao seu alcance, estará uma série de ferramentas gerenciadoras dos resultados mais surpreendentes. Venha dirigi-los!

+ INFO

Constituindo ao longo dos últimos anos um dos principais focos criativos do saxofonista João Mortágua, este sexteto editou o seu álbum de estreia pelo Carimbo Porta-Jazz em Junho de 2017, afirmando desde logo uma estética composicional arrojada, transversal e eclética, numa "fusão entre o erudito e o urbano, uma ode ao pássaro citadino e à geometria pagã". Disse a crítica que é "um disco excelente de ouvir, (...) com ideias musicais muito interessantes de seguir" (jazz.pt), "cada melodia abre um caminho amplo, derrubando tudo à sua frente" (Bird is the worm); foi eleito álbum do ano pela JazzLogical; e mais recentemente, disse ainda Ian Patterson, da All About Jazz, na cerimónia de encerramento da European Jazz Conference, que "esta é alguma da música mais vanguardista a ser feita na Europa neste momento; os Axes são um exemplo da música nova que os festivais deveriam estar a celebrar nos seus cartazes." Depois de atuarem em festivais como o Spring On! (Casa da Música), 8º Festival Porta Jazz (Rivoli), KM.251 (Ponferrada) ou o Internationales Jazz Festival (Muenster), marcaram ainda presença nos festivais de jazz de Sudtirol e de Belgrado, para além do Angra Jazz e do festival Antena2.

Neste concerto apresentam o novo disco "Hexagon", editado também pelo Carimbo Porta-Jazz, onde Mortágua dá definitivamente um passo em frente na história da banda, erguendo sobre os seus alicerces identitários toda uma nova construção geométrica, baseada na narrativa dos ângulos e dos polígonos. Partindo dessa premissa arquitetónica, a música deste novo álbum revela-se firme e impactante, buscando no equilíbrio entre a força e a emotividade o ónus do seu significado: uma permanente criação conjunta sobre a tela em branco que é a nossa passagem por este mundo.

+ INFO

João Mortágua Saxofone soprano e Composição

José Soares Saxofone Alto

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui Teixeira Saxofone Barítono

Filipe Louro Baixo Eléctrico

Pedro Vasconcelos Bateria


Palco Rossio da Sé

Rossio da Sé 4700-030 Braga

foto Axes

Foto: Szymon Trel / Mínima

Ninhos nasce de uma primeira colaboração entre Joana e Miguel em que a palavra conduz a criação da música. Deste encontro surgiu uma série de temas que incorpora elementos do jazz e da música erudita. Procura, acima de tudo, ascender à organicidade que amarra os momentos escritos aos improvisados, numa temática que apela ao desamarrar das cordas:

“Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Depois de desenvolver o projeto em duo foi sentida a necessidade de expandir esta música e respetiva temática, criando-se assim um quarteto de piano, voz, contrabaixo e bateria, juntando-se Demian Cabaud e João Cardita.

Relata-se o libertar das amarras e a viagem de um chamariz, protagonista destas músicas e representação voadora de nós próprios. Conta-nos, através de letras, as adversidades da sua jornada pelos ares depois da sua emancipação.

+ INFO

Joana Raquel Voz, Letras e Composição

Miguel Meirinhos Piano e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria


Palco Rossio da Sé

Rossio da Sé 4700-030 Braga

foto Joana Raquel e Miguel Meirinhos

Nuno Campos 4tet apresenta-nos o segundo álbum: Something to believe in. Inspirado em concertos da banda no Egypto com o disco anterior, o líder compôs várias peças musicais inspiradas na mitologia egípcia com um forte carácter melódico passando pelo jazz, música improvisada e música contemporânea influenciada por Bartok ou Messiaen. O grupo é formado por Miguel Meirinhos no Piano; José Pedro Coelho no Saxofone Tenor e Ricardo Coelho na Bateria.

+ INFO

Nuno Campos Composição, Contrabaixo e Texto

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Coelho Bateria


Palco Rossio da Sé

Rossio da Sé 4700-030 Braga

foto Nuno Campos

O pianista e compositor Pedro Neves apresenta o mais recente projeto do seu trio, Hindrances, o quarto álbum editado com Carimbo Porta-Jazz, neste concerto com um convidado especial, o prodigioso trompetista galego Javier Pereiro.

Depois de Ausente (2013), 05:21 (2016) e Murmuration (2019) este trabalho explora novas estruturas composicionais e ambientes sonoros aproveitando a riqueza tímbrica e profundidade rítmica do baterista José Marrucho aliadas à grande cumplicidade musical estabelecida com o contrabaixista Miguel Ângelo ao longo de décadas de amizade e construção conjunta.

Hindrances são cinco obstáculos que impedem a paz de espírito e a clareza mental, sendo as oito peças que compõe o álbum o resultado da reflexão de Pedro Neves perante este conceito budista, a partir da visão imaginária de uma jornada até ao topo de uma montanha, onde o foco maior é a contemplação do momento presente enquanto decorre o percurso para a superação dessas barreiras.

Este disco vem cimentar a identidade musical criada por Pedro Neves reconhecida como "...alguma da mais bela e delicada música jazz feita em Portugal. ", (por Nuno Catarino in bodyspace.net).

Trata-se da 90ª edição do Carimbo Porta-Jazz, nos habituais formatos (digital e CD), e é a estreia de lançamentos do projeto editorial da Associação Porta-Jazz em disco de vinil.

+ INFO

Pedro Neves Piano, Composição

Javier Pereiro Trompete

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Palco Rossio da Sé

Rossio da Sé 4700-030 Braga

foto Pedro Neves

Foto: Pedro Ferreira

Oficina "Desenhar o Som" - Desenho a carvão

Nesta oficina os participantes serão desafiados a fazer uma representação visual a partir de uma apresentação musical ao vivo. De forma lúdica, exploratória e sinestésica, a unir música, escuta, percepção, reação e criação de imagens, tudo a decorrer ao mesmo tempo.


Ap Quarteto "Nu"

2022 foi também ano de mais um disco do guitarrista e compositor portuense AP pelo Carimbo Porta-Jazz.

Nu é o nome do álbum que é já o quarto trabalho com música sua no selo Carimbo, depois de Lento em quarteto, A Incerteza do Trio Certo ou Mergulho, onde o Coreto toca exclusivamente a sua música.

Nu é um regresso ao formato quarteto, onde se faz acompanhar pelos músicos da nova geração José Diogo Martins no piano e teclados, Gonçalo Sarmento no baixo elétrico e contrabaixo e Gonçalo Ribeiro na bateria.

O disco Nu é uma experiência musical que, entre outras coisas, explora a simplicidade melódica, o rigor formal ou ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade. A música de AP apresenta-se aqui, como o nome do álbum sugere, despida de acessórios ou artefactos, mas plena do mesmo conteúdo e profundidade que distinguem as obras musicais mais esclarecidas, maduras e consistentes.

Nu é o trabalho de um músico e compositor cada vez mais fiel à sua verdade musical. É o trabalho de um quarteto que se mostra atento a novas tendências e correntes, mas que nunca abandona a sua essência. É composição, improvisação e execução musical imbuída da proficiência natural de quem sabe o que está a fazer.

AP Guitarra, efeitos e composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo eléctrico e contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto AP Quarteto

Foto: João Saramago

Este será o primeiro encontro em duo de Albert Cirera e João Fragoso. Juntam-se para tocar música improvisada, explorar o som, e a estrutura em tempo real.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Fragoso Contrabaixo

Albert Cirera Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Oficina "Desenhar o Som" - Colagem

Nesta oficina os participantes serão desafiados a fazer uma representação visual a partir de uma apresentação musical ao vivo. De forma lúdica, exploratória e sinestésica, a unir música, escuta, percepção, reação e criação de imagens, tudo a decorrer ao mesmo tempo.


Pedro Neves Trio "Hindrances" feat. Javier Pereiro

O pianista e compositor Pedro Neves apresenta o mais recente projeto do seu trio, Hindrances, o quarto álbum editado com Carimbo Porta-Jazz, neste concerto com um convidado especial, o prodigioso trompetista galego Javier Pereiro.

Depois de Ausente (2013), 05:21 (2016) e Murmuration (2019) este trabalho explora novas estruturas composicionais e ambientes sonoros aproveitando a riqueza tímbrica e profundidade rítmica do baterista José Marrucho aliadas à grande cumplicidade musical estabelecida com o contrabaixista Miguel Ângelo ao longo de décadas de amizade e construção conjunta.

Hindrances são cinco obstáculos que impedem a paz de espírito e a clareza mental, sendo as oito peças que compõe o álbum o resultado da reflexão de Pedro Neves perante este conceito budista, a partir da visão imaginária de uma jornada até ao topo de uma montanha, onde o foco maior é a contemplação do momento presente enquanto decorre o percurso para a superação dessas barreiras.

Este disco vem cimentar a identidade musical criada por Pedro Neves reconhecida como "...alguma da mais bela e delicada música jazz feita em Portugal. ", (por Nuno Catarino in bodyspace.net).

Trata-se da 90ª edição do Carimbo Porta-Jazz, nos habituais formatos (digital e CD), e é a estreia de lançamentos do projeto editorial da Associação Porta-Jazz em disco de vinil.

Pedro Neves Piano, Composição

Javier Pereiro Trompete

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Pedro Neves

Foto: Pedro Ferreira

Oficina "Desenhar o Som" - Desenho a tinta da china

Nesta oficina os participantes serão desafiados a fazer uma representação visual a partir de uma apresentação musical ao vivo. De forma lúdica, exploratória e sinestésica, a unir música, escuta, percepção, reação e criação de imagens, tudo a decorrer ao mesmo tempo.


Themandus

Assentes no ecletismo que o jazz sempre lhes proporcionou, THEMANDUS percorre estéticas como drum 'n' bass, ambient, eletrônica a fim de saciarem as suas necessidades musicais e, paralela ou paradoxalmente, as esfaimar. Em formato de trio – saxofone/EWI, bateria e Guitarra – Afonso Boucinha Silva, Eduardo Carneiro Dias e Ricardo Alves exploram ideias composicionais que vão desde a música escrita à totalmente improvisada.

Afonso Boucinha Silva Saxofone Alto, Ewi

Eduardo Carneiro Dias Bateria

Ricardo Alves Guitarra

Carlos Fonseca Voz-Off


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Themandus

Aether é o nome do álbum que Bode Wilson lançou em 2022 pelo selo Carimbo Porta-Jazz. Depois da estreia em 2014 com “26” e de um segundo álbum denominado “Lascas” em 2017, aqui está novamente o “cabra Wilson”, desta vez embarcando numa viagem sonora experimental sem material musical pré-definido. Inquieto e faminto, este corpo de três cabeças move-se por terrenos montanhosos numa simbiose tímbrica e estética que os torna um todo único. Bode Wilson apresenta-se como fugaz, arejado e rodeado de um mistério que existe desde tempos imemoriais.

Gravada numa capela exterior em ruínas e integrada de forma transversal na natureza envolvente, a música de Bode Wilson transporta-nos para um estado meditativo. A artista Maria Mónica viajou especialmente para Bezau Beatz, que interage magicamente com a música com as suas projeções artísticas em tempo real e vai nos encantar visualmente a outro nível.

+ INFO

João Pedro Brandão Saxofone, Flauta, Pedal

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria

Maria Mónica Real-time video


Bezau

Bezau, Austria

foto Bode Wilson

Fotografia: Alexandra Corte-Real

Billy Martin, mais conhecido por seu trabalho com o lendário trio de vanguarda de groove jazz Medeski, Martin e Wood, é uma figura de proa na cena criativa de Nova York. Sua visão de criatividade é interdisciplinar e altamente contagiante. “Todo mundo é um artista”, diz Billy, e ele regularmente prova isso através de seu trabalho como mentor, tutor e maestro de conjuntos formados de forma completamente aleatória.

No Bezau Beatz Workshop deste ano, Billy reúne um conjunto formado por músicos profissionais e amadores e já temos a certeza que será mais um destaque musical, à semelhança do Feral Choir de Phil Minton no ano passado.

+ INFO

Billy Martin Direção

Miguel Meirinhos Piano

Steven Moser Bateria

Gonçalo Ribeiro Bateria

Demian Cabaud Contrabaixo

Nuno Trocado Guitarra

Iseul Kim Piano

Cenk Dogan Sax

e muitos outros...


Bezau

Bezau, Austria

foto Billy Martin

Dois jovens guitarristas, colegas de longa data, juntam-se a fim de partilhar a sua afinidade musical explorando os oceanos da improvisação, com algumas referências do cancioneiro do jazz americano. Sem estéticas predefinidas procuram envolver-se em texturas e melodias realçando a proximidade destes jovens músicos.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Rui Catarino Guitarra

Filipe Dias Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

WIZ brinda-nos com música que vagueia entre a liberdade da improvisação e o rigor da composição num caleidoscópio sonoro que nos transporta para as mais infinitas e oníricas paisagens.

“Um delicado, mas pacientemente urdido equilíbrio entre os três instrumentos, cada um com lugar perfeitamente definido no quadro sónico desenhado, sem baixo, mas com expressividade melódica bem acentuada, ora nos uníssonos de guitarra e saxofone, ora nas derivas individuais.”, Rui Miguel Abreu in Rimas e Batidas (2021).

José Pedro Coelho Saxofone

Wilfred Wilde Guitarra

Iago Fernández Bateria


Casa do Miradouro

Largo António José Pereira, 3500-080 Viseu

imagem Wiz - Que Jazz é Este

Exploramos.

O som e as palavras.

O acústico e o eletrónico.

O escrito e o improvisado.

Vamos descobrindo as histórias que ainda temos por contar. E contamos.

Descascando o tempo em espiral, como quem descasca uma maçã.

Mas se esquece de afiar a faca.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Joana Raquel Voz

Rafael Gomes Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Umbral é um trabalho multidisciplinar que junta a música do guitarrista e compositor Nuno Trocado com os textos do dramaturgo Jorge Louraço Figueira e foi editado pelo Carimbo em 2022.

De acordo com os autores:

“Se algum de nós pudesse abrir as asas e voar, de maneira semelhante às aves migratórias, e viesse chegando à mesma velocidade dos pássaros, que sons e sílabas iria reconhecendo, à medida que se aproximasse e ficasse cada vez mais perto das pessoas, dos bichos, das plantas e das coisas? As palavras dos pássaros e o canto dos poetas de Trás-os-Montes inspiraram este espetáculo de música e teatro a partir da recolha de vestígios arqueológicos e outros nem tanto.”


foto Umbral

Foto: André C. Macedo (Look Closer)

Catarina Lacerda Voz

Nuno Trocado Guitarra elétrica, composição

Sérgio Tavares Contrabaixo

Acácio Salero Bateria

Pedro Pires Cabral Theremin, samples, gravações de campo

João Pedro Brandão Flauta, saxofone alto

Jorge Louraço Figeuira Texto


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

Cartaz Porta-Jazz ao Relento 2023

O Coreto é um coletivo de 12 elementos de relevo no jazz nacional, liderado por João Pedro Brandão. Os seus cinco registo discográficos tiveram estreia em 2012 com “Aljamia”, sendo este também o primeiro disco do já vasto catálogo do Carimbo Porta-Jazz. Somam-se "Mergulho", "Sem Chão", "Analog" e "A Tribo", numa construção de forte cumplicidade entre os compositores e intérpretes nestes diversos projetos, equilibrando com mestria a orgânica da escrita para um large ensemble com a liberdade proposta pela improvisação.

Em 2021, o Coreto teve a sua primeira nomeação para Melhor Álbum de Jazz nos Play - Prémios da Música Portuguesa - com A Tribo, o 5º álbum do coletivo e terceiro com música original de João Pedro Brandão. Estes álbuns têm sido aclamados pela crítica constando nas listas de Melhores discos de Jazz nacional; prémio Melhor Grupo nos 50 anos dos "5 Minutos de Jazz" de José Duarte.

"A Tribo” é mais um testemunho da relevância criativa de João Pedro Brandão e do Coreto e sobe ao Olimpo dos discos nacionais de 2021.”

António Branco, in jazz.pt


foto Coreto

Foto: Adriana Melo (Mínima)

João Pedro Brandão Saxofone alto, flauta

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui Teixeira Saxofone barítono

Ricardo Formoso Trompete, Fliscorne

Susana Santos Silva Trompete

Daniel Dias Trombone

Andreia Santos Trombone

AP Guitarra

Hugo Raro Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

Cartaz Porta-Jazz ao Relento 2023

O contrabaixista italiano Gianni Narduzzi, que residiu nos últimos anos na cidade do Porto, apresenta aqui o seu disco editado pelo Carimbo Porta-Jazz no ano de 2022.

Dharma Bums é um projeto musical que exprime o universo sonoro criado pelo contrabaixista e compositor e o nome é uma homenagem ao homónimo livro de Jack Kerouac que tem como temática central a viagem, física e interior, e a busca de um lugar.

O interrogativo e a procura do lugar ideal lançam o mote das histórias que os músicos contam.

A banda que Gianni Narduzzi juntou em formato de quinteto, reúne mais quatro músicos da nova cena jazzística do Porto, que aqui se movem entre elementos de música escrita e música improvisada dentro de um vasto campo de influências sonoras, assim como literárias e cinematográficas.


foto Gianni Narduzzi - Dharma Bums

Foto: Simon Trel (Mínima)

Gianni Narduzzzi Contrabaixo e Composição

Hugo Caldeira Trombone

Afonso Silva Saxofone

Joaquim Festas Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

cartaz Porta-Jazz ao Relento 2023

Serpente é o nome do disco que o pianista Carlos Azevedo editou no ano de 2022 pelo Carimbo Porta-Jazz.

Este mestre do piano e da composição e figura icónica do jazz portuense e nacional faz assim a sua estreia no Carimbo Porta-Jazz com a sua música em disco num formato quarteto. Com um currículo que transpõe fronteiras e um consistente reconhecimento nacional e internacional, Azevedo apresenta-se em formação reduzida ao invés das grandes e sinfónicas formações às quais a sua música tem sido dedicada.

Carlos Azevedo é acompanhado por Miguel Moreira, Miguel Ângelo e Mário Costa, todos eles valores seguros do jazz nacional e além fronteiras e nomes recorrentes nas edições do Carimbo, também como autores.


foto Carlos Azevedo

Foto: Francisco Teixeira

Carlos Azevedo Piano e Composição

Miguel Moreira Guitarra

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

cartaz Porta-Jazz ao Relento 2023

É como tudo o resto. Às vezes basta um passo para virar à esquerda. E depois vêm as manadas de pássaros “ora vamos lá, pés em frente!” Só que a seguir ainda vem o ziguezague, daquela frase, que leva, àquela, ideia, que, daquela, palavra, me esqueci de pagar a conta da eletricidade.

E depois?

A ideia é tentar respirar fundo e depois será. Quando for sem palavras, cada um sabe de si. Quando for com palavras, puxamos a sardinha à brasa de todos.

Resumindo, umas ideias compostas, umas conversonoras e umas interpretações de umas músicas que dizem respeito à sardinha.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Ana Luísa Marques Voz

Ricardo Moreira Piano


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Juraj Stanik Experience é um projeto musical que reúne os talentos do pianista Juraj Stanik, do contrabaixista Gonçalo Feijão e do baterista Leo Giger. Cada membro desta banda contribui com a sua própria experiência musical, resultando numa envolvente fusão de Jazz, música contemporânea e improvisação.

Juraj Stanik (NL) é um pianista de renome, reconhecido tanto pelos seus próprios projetos como pelas suas colaborações com lendas do jazz como Elvin Queen, Pat Metheny e Chris Potter. A sua mestria e versatilidade ao piano renderam-lhe uma nomeação para o prestigiado Prémio Edison em 2023. Juraj cria paisagens sonoras envolventes, transportando o público para uma jornada musical cativante.

Gonçalo Feijão (PT), um virtuoso do contrabaixo, traz consigo uma abordagem musical versátil, tendo-se apresentado em palcos por toda a Europa e explorado uma ampla gama de estilos musicais. A sua formação clássica e licenciatura em Contrabaixo de Jazz fornecem uma base sólida, enquanto a sua paixão pela experimentação adiciona um toque arrojado e criativo à música que interpretam.

Leo Giger(CH / USA), um baterista exímio, acrescenta uma dimensão dinâmica e enérgica a Juraj Stanik Experience. Com a sua notável versatilidade e musicalidade, Leo conduz o ritmo e realça o som coletivo do ensemble. A sua bateria precisa e expressiva serve como uma base sólida, sustentando as explorações musicais de Juraj e Gonçalo.

Juntos, Juraj Stanik, Gonçalo Feijão e Leo Giger formam uma união musical poderosa, que desafia os limites dos seus instrumentos. Juraj Stanik Experience cativa o público com a sua virtuosidade, criatividade e paixão pela música. A fusão única de jazz, música contemporânea e improvisação que criam transporta o público para uma viagem musical inesquecível.

Juraj Stanik Piano

Gonçalo Feijão Contrabaixo

Leo Giger Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Juraj Stanik Experience

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Rui Catarino Guitarra

João Próspero Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by Rui Catarino

João Cardita e Miguel Meirinhos já colaboraram em vários projetos, mas nunca se apresentaram em duo.

Para este lugar levam temas da sua autoria e ideias que se querem expandir num espaço que abrange o groove e a improvisação livre.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Miguel Meirinhos Piano

João Cardita Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

Um arco de concentração. Eclipse. Play the room.

Com Hugo Ferreia na guitarra e com quem construiu o arco primordial deste concerto, absorvendo também as composições de Eurico Costa, também na guitarra, e Mário Santos, saxofone.

João Cardita vai à frente na embaixada porque tem duas espadas na bateria.

João Guimarães Saxofone

Mário Santos Saxofone

Eurico Costa Guitarra

Hugo Ferreira Guitarra

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto João Guimarães

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Miguel Seoane Sax Alto

Romeu Tristão Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by MIguel Seoane

Um duo que junta a voz, a guitarra elétrica e a flauta transversal num repertório vai abarcar clássicos da música portuguesa, música popular brasileira, música original e improvisada. Música que brota de uma entrega mútua e espontânea.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Inês Gouveia Voz

Filipe Dias Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

18:00 Abertura de portas para convívio, leituras e sopa

19:00 Concerto


o Frestão é uma festa aberta ao meio


é uma espécie de teoria do sim:


picnic exponencial
festival para gozar com o mundo


fazemos anos de cansados
e queremos frestejar o descanso


há sopa afrodisíaca,
poesia
aparições
e um concerto-performance

com esta equipa que vai de bem a melhor:

Grilo Poesia, piano, objectos, electrónica, movimento, voz

Inês Campos Movimento, voz, violoncelo, objectos

Catarina Carvalho Voz, objectos

Clara Salero Flautas, voz, objectos

Beatriz Rola Viiolino, voz, objectos

Inês Lapa Violino, voz, objectos

Ana Conceição Violoncelo, voz, objectos

Tiago Candal Som, voz, objectos


Convidados

Nuno Duarte Voz

Alexandra Cueca Voz


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Frestão

Foto: Tia Carr

Este trio é liderado pelo trompetista e compositor Luís Vicente e tem, de alguns anos para cá, apresentado o seu trabalho pelos palcos internacionais, actuando em vários festivais e salas de renome. Registou também uma considerável discografia que conta já com mais de 3 dezenas de exemplares assinados, tanto em nome próprio como em várias colaborações com figuras de proa do universo jazzístico, e tendo recebido várias críticas positivas e elogios por parte da crítica especializada.

Nesta formação em trio faz-se acompanhar por dois músicos de créditos firmados que têm igualmente desenvolvido trabalho notável a nível pessoal: Gonçalo Almeida, contrabaixista português a residir em Roterdão e o baterista Pedro Melo Alves.

A este trio junta-se Tony Malaby, figura de destaque na cena jazzística de Nova Iorque, e uma saxofonista de renome, que este envolvido, na década de 90 em projetos como a Electric Bebop Band de Paul Motian, e a Liberation Music Orchestra de Charlie Haden.

Tony Malaby Saxofone

Luís Vicente Trompete

Gonçalo Almeida Contrabaixo

Pedro Melo Alves Bateria e Percussão


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Luís Vicente Trio

Tony Malaby é um dos saxofonista mais fascinantes no jazz há mais de 25 anos, com um estilo marcado tanto pelo tradicional como pelo experimental e emergiu como uma voz totalmente única e singular na comunidade de música improvisada de Nova Iorque.

O artigo "80 Coolest Things in Jazz" da DownBeat dizia que "[Malaby] é um soprano formidavelmente talentoso e um saxofonista tenor com tom invejável e uma fonte infinita de ideias atraentes que afasta a sua música da perfeição" e "os seus dons consideráveis como melodista tendem a surpreender." O JazzTimes chamou-o de "herói da cena musical improvisada de hoje".

Malaby esteve envolvido em vários projetos desde que chegou a Nova York no início dos anos 1990, tais como a Electric Bebop Band de Paul Motian, a Liberation Music Orchestra de Charlie Haden, o John Hollenbeck Large Ensemble e o trio Open Loose de Mark Helias.

O corpo de trabalho de Malaby como líder é dinâmico e variado, tanto em trio, como no Adobe, como em noneto, no Novela.

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


Entrada Livre

Foto Tony Malaby

00
As mãos da minha avó.
Macias e engelhadas como algodão.

01
Não sabia quem eram as sombras acima da luz. Nem a forma do corpo na cabeça do cão.
E gostava como cada uma era a contraforma de um poema.

02
  Quantas toneladas rasguei
Convicções, listas de compras, talões multibanco, mágoas.
talões talões talões

03
Quero ser como o Herberto, ter 80 anos onde sair com o pescoço encordado em sangue.
E ser descuidada como as crianças.

04
Tive um sonho líquido! Nunca consegui levantar um carro. Lúcido!
Existiam outros e eu estava atrasada: e se isto fosse tudo um sonho?
Quando alguém desapareceu, eu percebi. Acordei felizna.

05
O sossego traz um cheiro entre os dedos.

06
Hoje continuo-me ontem. Trago a falta de noção.

07
Flores para dentro
Colho os figos com a mão direita.
Uma fruta implode.

Joana Raquel e Diana Gil

Joana Raquel Voz, textos

Diana Gil Visuais, textos

Gonçalo Ribeiro Percussões

João Fragoso Contrabaixo

Rafael Santos Guitarra, clarinete e electrónicas


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Joana Raquel

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

João Mortágua Saxofone

Carlos Azevedo Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem João Mortágua + Jam Session

Assentes no ecletismo que o jazz sempre lhes proporcionou, THEMANDUS percorre estéticas como drum 'n' bass, ambient, eletrônica a fim de saciarem as suas necessidades musicais e, paralela ou paradoxalmente, as esfaimar. Em formato de trio – saxofone/EWI, bateria e Guitarra – Afonso Boucinha Silva, Eduardo Carneiro Dias e Ricardo Alves exploram ideias composicionais que vão desde a música escrita à totalmente improvisada.


Foto Themandus

Afonso Boucinha Silva Saxofone Alto, Ewi

Eduardo Carneiro Dias Bateria

Ricardo Alves Guitarra

Carlos Fonseca Voz-Off


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt / www.portajazz.com


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Themandus

Hugo Caldeira e Demian Cabaud embarcam em duo numa aventura musical improvável entre trombone e contrabaixo. A experiência aliada à criatividade abrirá portas à improvisação e ao experimentalismo naquela que será uma caminhada repleta de vibrações graves e espontaneidade, nunca descartando raízes tradicionais do jazz como o swing ou a tonalidade.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Hugo Caldeira Trombone

Demian Cabaud Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Através de um formato eletroacústico que merge a música improvisada e escrita, Sofia e Fragoso procuram colar fragmentos de texturas únicas que surgiram de gravações, versos, contemplações, conversas. Esta musica é a moldura do que os juntou, e muda sempre que o caminho lhes pisa os pés. 

Sofia Sá Voz, piano e efeitos

João Fragoso Contrabaixo e pedais


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Sofia Sá

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Hugo Ferreira Guitarra

João Próspero Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Hugo Ferreira + Jam Session

9 de junho 18h30

Pedro Neves Trio "Hindrances"

O pianista e compositor Pedro Neves apresenta o novo projeto do seu trio, Hindrances, o quarto álbum editado com Carimbo Porta-Jazz.

Hindrances são cinco obstáculos que impedem a paz de espírito e a clareza mental, sendo as oito peças que compõe o álbum o resultado da reflexão de Pedro Neves perante este conceito budista, a partir da visão imaginária de uma jornada até ao topo de uma montanha, onde o foco maior é a contemplação do momento presente enquanto decorre o percurso para a superação dessas barreiras.

Este disco vem cimentar a identidade musical criada por Pedro Neves reconhecida como"...alguma da mais bela e delicada música jazz feita em Portugal. ", (por Nuno Catarino in bodyspace.net), depois de Ausente (2013), 05:21 (2016) e Murmuration (2019), este trabalho explora novas estruturas composicionais e ambientes sonoros aproveitando a riqueza tímbrica e profundidade rítmica do baterista José Marrucho aliadas à grande cumplicidade musical estabelecida com o contrabaixista Miguel Ângelo ao longo de décadas de amizade e construção conjunta.

Pedro Neves Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


9 de junho 21h30

Mané Fernandes "Matriz Motriz"

A origem do Todo e o Movimento que lhe é inerente.

Uma exploração sobre a especificidade de movimento, seja este físico, rítmico, harmónico ou tímbrico. Com a Voz e o Corpo como pilares da sua acção, este ensemble, sem a secção rítmica tradicional do jazz, apresenta-se como "uma drum-machine do futuro, feita de sonhos".

Mané Fernandes Composição, guitarra eléctrica customizada, electrónica e voz

Sofia Sá Voz

Mariana Dionísio Voz

Vera Morais Voz

João Grilo Piano, electrónica e voz


10 de junho, 11h30

Imersão / Improvisação

Orientada por Hugo Ciríaco e Luís Castro, esta oficina vai decorrer nas semanas anteriores e irá culminar aqui, num concerto participado com jovens provenientes de escolas de música da Maia, com cinco músicos da Porta-Jazz e o público.


10 de junho 17h00

O Vazio e o Octaedro

O universo de Vazio e o Octaedro nasce num momento em que o silêncio ocupa todos os espaços que outrora eram ocupados por pessoas e ideias. Numa tentativa de colmatar estas ausências, Gianni e Josué decidem começar a construir algo juntos, sólido e equilibrado, a partir de pontas opostas, mas seguindo o mesmo ritmo e a mesma direção. É nesta linha de pensamento que decidem juntar a um quarteto de jazz que carece de instrumento harmónico um quarteto de cordas que lhe confere esse suporte e verticalidade. Completadas todas as faces, vértices e arestas e preenchidos todos os espaços anteriormente desocupados, passam a sentir falta do silêncio. Assim, decidem recuperá-lo e imediatamente se apercebem de que, tanto o vazio como o octaedro só fazem sentido quando, não só coexistem, mas também cooperam.

Josué Santos Saxofone tenor, voz e composição

Hristo Goleminov Saxofone tenor e flauta

Afonso Silva Saxofone alto

Gianni Narduzzi Contrabaixo e composição

João Cardita Bateria

Beatriz Rola Violino

Alice Abreu Violino

Sara Farinha Viola

Manuela Ferrão Violoncelo


10 de junho 21h30

Nuno Campos 4tet

Nuno Campos 4tet apresenta-nos o segundo álbum: Something to believe in. Inspirado em concertos da banda no Egipto com o disco anterior, o líder compôs várias peças musicais inspiradas na mitologia egípcia com um forte carácter melódico passando pelo jazz, música improvisada e música contemporânea influenciada por Bartok ou Messiaen.

Nuno Campos Contrabaixo e composição

José Pedro Coelho Saxofone tenor

Ricardo Moreira Piano

Ricardo Coelho Bateria


11 de junho 17h00

Luís Ribeiro "A Invenção da Ficção"

"Num momento nada. No outro tudo. Todas as possibilidades, todas as viagens, todas as versões da realidade.

Num momento silêncio. No outro música.

A premissa inicial deste trabalho foi o momento do primeiro passo.

A primeira nota é a correcta? A primeira história é a verdadeira? O primeiro improviso é o justo?

Dúvidas que se esfumam imediatamente porque as músicas emancipam-se. Crescem rapidamente e fogem do nosso controlo. Um controlo que nunca existe.

Este trabalho foi escrito em duas semanas no inicio da pandemia, numa altura em que o mundo parou e eu andei. É resultado da minha parceria com cinco músicos majestosos que partilharam a minha visão e que a encandearam com a sua luz. É o resultado de madrugadas, de palcos, de conversas, de uma vida cravada na música.

Num momento uma página em branco. No outro uma pinga de tinta caiu.",

Luís Ribeiro, março 2023

Luís Ribeiro Guitarra

Hugo Ciríaco Saxofone tenor

Rui Teixeira Saxofone Barítono

Joaquim Rodrigues Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria

Jazz no Parque

Entrada Livre

Fórum da Maia

R. Eng. Duarte Pacheco 131, 4470-136 Maia

A origem do Todo e o Movimento que lhe é inerente.

Uma exploração sobre a especificidade de movimento, seja este físico, rítmico, harmónico ou tímbrico. Com a Voz e o Corpo como pilares da sua acção, este ensemble, sem a secção rítmica tradicional do jazz, apresenta-se como "uma drum-machine do futuro, feita de sonhos".


Foto Matriz Motriz

Mané Fernandes Composição, guitarra eléctrica customizada, electrónica e voz

Sofia Sá Voz

Mariana Dionísio Voz

Vera Morais Voz

João Grilo Piano, electrónica e voz


Entrada Livre


Fórum da Maia

R. Eng. Duarte Pacheco 131, 4470-136 Maia

Capa disco Mané Fernandes - Matriz Motriz

Ao longo de uma carreira de mais de 25 anos, o baterista e percussionista Florian Arbenz conquistou uma reputação não apenas como um músico habilidoso, mas também como um colaborador criativo.

Isso está evidente no seu novo trio, que reúne dois músicos cujo conceito rítmico, visão harmónica e execução de mente aberta levam o ouvinte a uma jornada que varia de hard-swinging solos e improvisações livres a paisagens sonoras sonhadoras.

Pode parecer à primeira vista que falta, a esta formação ligeiramente incomum de guitarra, trompete e bateria, um instrumento de baixo. Mas, apesar dos desafios envolvidos, a criatividade dos músicos, bem como a adição por Florian de instrumentos de percussão personalizados, proporcionam uma escuta fascinante!

Hermon Mehari Trompete

Nelson Veras Guitarra

Florian Arbenz Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Arbenz X Veras / Mehari

Constituindo ao longo dos últimos anos um dos principais focos criativos do saxofonista João Mortágua, este sexteto editou o seu álbum de estreia pelo Carimbo Porta-Jazz em Junho de 2017, afirmando desde logo uma estética composicional arrojada, transversal e eclética, numa "fusão entre o erudito e o urbano, uma ode ao pássaro citadino e à geometria pagã". Disse a crítica que é "um disco excelente de ouvir, (...) com ideias musicais muito interessantes de seguir" (jazz.pt), "cada melodia abre um caminho amplo, derrubando tudo à sua frente" (Bird is the worm); foi eleito álbum do ano pela JazzLogical; e mais recentemente, disse ainda Ian Patterson, da All About Jazz, na cerimónia de encerramento da European Jazz Conference, que "esta é alguma da música mais vanguardista a ser feita na Europa neste momento; os Axes são um exemplo da música nova que os festivais deveriam estar a celebrar nos seus cartazes." Depois de atuarem em festivais como o Spring On! (Casa da Música), 8º Festival Porta Jazz (Rivoli), KM.251 (Ponferrada) ou o Internationales Jazz Festival (Muenster), marcaram ainda presença nos festivais de jazz de Sudtirol e de Belgrado, para além do Angra Jazz e do festival Antena2.

Neste concerto apresentam o novo disco "Hexagon", editado também pelo Carimbo Porta-Jazz, onde Mortágua dá definitivamente um passo em frente na história da banda, erguendo sobre os seus alicerces identitários toda uma nova construção geométrica, baseada na narrativa dos ângulos e dos polígonos. Partindo dessa premissa arquitetónica, a música deste novo álbum revela-se firme e impactante, buscando no equilíbrio entre a força e a emotividade o ónus do seu significado: uma permanente criação  conjunta sobre a tela em branco que é a nossa passagem por este mundo.

João Mortágua Saxofone soprano e composição

José Soares Saxofone Alto

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui Teixeira Saxofone Barítono

Filipe Louro Baixo Eléctrico

Pedro Vasconcelos Bateria


Entrada Livre


Parque de Serralves

R. Dom João de Castro 210, 4150-417 Porto


Foto Axes
Capa disco Axes - Hexagon

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Eurico Costa Guitarra

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Eurico Costa + Jam Session

Miguel Meirinhos e Hugo Ferreira juntam-se pela primeira vez no formato de duo. Depois de terem participado juntos em vários projetos propõem uma abordagem diferente na qual pretendem abordar o som como um todo nunca recorrendo aos caminhos e formas habituais, tentando dar nova cor às suas personalidades musicais

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Hugo Ferreira Guitarra

Miguel Meirinhos Piano


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

João Fragoso, contrabaixista, encontra neste quinteto o terreno para explorar a sua identidade musical. Junta-se a Albert Cirera no saxofone tenor, João Almeida no Trompete, João Carreiro na guitarra e Miguel Rodrigues na bateria, músicos que o acompanham na concretização e evolução da estética.

Juntos expandem musicalmente instantes do quotidiano, dão som às tensões e harmonias que neles vivem.

João Almeida Trompete

Albert Cirera Saxofone

João Carreiro Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Miguel Rodrigues Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Fragoso Quinteto

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

João Paulo Silva Saxofone

Pedro Molina Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Corrosion é o segundo álbum do trio de improvisadores Tom Ward (flauta, sax, clarinete), Nuno Trocado (guitarra e processamento electrónico em tempo real) e Sérgio Tavares (contrabaixo). A natureza efémera do som está patente, à medida que estratos de som emergem para logo a seguir se deteriorarem, desintegrarem e recombinarem, testando as fronteiras do orgânico, erodindo estruturas físicas e metafóricas, movendo-se ao longo dos pontos de contacto entre música improvisada, disposições humanas ou inhumanas e decadência societal.


Foto Tom Ward, Nuno Trocado, Sérgio Tavares

Tom Ward Flauta, Saxofone Alto, Clarinete, Voz

Nuno Trocado Guitarra, Electrónica

Sérgio Tavares Contrabaixo, Voz


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt / www.portajazz.com


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Tom Ward, Nuno Trocado, Sérgio Tavares

"Através da improvisação espontânea e criativa a tempo real procuramos desenvolver e criar um ambiente sonoro ao qual chamar-lho-emos TRANSE”.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Pedro Dias Trompete

João Almeida Trompete


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Se algum de nós pudesse abrir as asas e voar, de maneira semelhante às aves migratórias, e viesse chegando à mesma velocidade dos pássaros, que sons e sílabas iria reconhecendo, à medida que se aproximasse e ficasse cada vez mais perto das pessoas, dos bichos, das plantas e das coisas? As palavras dos pássaros e o canto dos poetas de Trás-os- Montes inspiraram este espectáculo de música e teatro a partir da recolha de vestígios arqueológicos e outros nem tanto.

Catarina Lacerda Voz

João Pedro Brandão Saxofone Alto, Flauta

Nuno Trocado Guitarra

Sérgio Tavares Contrabaixo

Acácio Salero Bateria

Pedro Pires Cabral Theremin, Samples, Gravações de Campo


Sede da Associação Cultural de Padornelo

Padornelo


Entrada Livre

Mais Info
Foto Umbral

Este concerto será um desafio aos músicos, que estarão integrados na plateia, criando uma proximidade ao público que permite a escuta dos diversos sons acústicos e sem o palco como meio formal para a apreciação da música. Assim, imersos entre os espectadores, os músicos irão tocar, improvisando e interagindo com a audiência através de propostas muito simples, baseadas em imitação de ritmos, sons simples com a voz e gestos que irão ordenar sons e silêncios. Será uma descoberta em conjunto, uma ação participada entre todos, onde não se contemplam certos nem errados, o ter ou não ter jeito para a música, apenas a vontade de escutar, deixar-se envolver e fazer parte de um concerto especial e diferente.

Luís Castro Direção, Voz, Eletrónica

João Pedro Brandão Saxofone Alto, Flauta

Nuno Trocado Guitarra

Sérgio Tavares Contrabaixo

Acácio Salero Bateria


Sede da Associação Cultural de Padornelo

Padornelo


Entrada Livre

Mais Info
Foto Imersão

Antón Quintela é um baterista e compositor galego estabelecido na cidade do Porto. Formou-se nos Conservatórios da Corunha, na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo do Porto, no Seminário Permanente de Jazz de Pontevedra e com os mestres John Riley e Ian Froman na cidade de Nova Iorque como bolseiro da Delegação Provincial da Corunha. Atualmente lidera um trio focado na re-interpretação do repertório jazzístico e um quinteto onde têm explorado as suas composições e arranjos originais com alguns músicos pertencentes à nova geração do jazz lusitano; em paralelo faz parte de outros coletivos do panorama luso-galaico destacando o Diego Alonso 5tet, o Eixo do Jazz Ensemble e o Filipe Dias Trio.

Nemólito (“rocha arborizada”) é o nome deste projeto de recente criação que serve como meio para apresentar a nova música do baterista e, ao mesmo tempo, consciencializar para a urgência de um futuro onde o verde da natureza se sobrepõe à cor cinzenta e sem vida que predomina em tantas cidades deste globo. Para este quarteto convida três dos músicos mais destacados da cena portuguesa para que o acompanhem nesta viagem em volta do seu imaginário musical, caracterizado principalmente por uma forte componente lírica.

José Soares Saxofone Alto

Miguel Meirinhos Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Antón Quintela Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Nemolito

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Joaquim Festas Guitarra

João Próspero Contrabaixo

João Alves Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Jam Session hosted by João Próspero

A dupla Neves/Rosado traz uma nova interpretação de clássicos do Jazz e de composições originais de projectos dos quais fazem parte e criam uma experiência íntima e cativante para os ouvintes. Com um repertório que abrange vários géneros que vão do rock, do swing ao jazz contemporâneo, a energia dinâmica e a química musical desta dupla certamente irá encantar e inspirar o público.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Serpente é o primeiro disco desta formação liderada pelo consagrado pianista e compositor Carlos Azevedo, um nome maior na música portuguesa. Cada uma das composições que fazem parte deste projeto pretende criar um universo único, que funcione num todo coerente. Como uma Serpente silenciosa que vai explorando paisagens urbanas, retendo em cada uma momentos únicos.

Carlos Azevedo Piano e Composição

Miguel Moreira Guitarra

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


Antiga Escola Primária de Bico

Bico


Entrada Livre

Mais Info
Foto Carlos Azevedo

32.56 é um projecto experimental constituído por quatro elementos, João Cardita e Gonçalo Ribeiro nas baterias, Gil Silva no saxofone e João Pedro Dias no Trompete.

A premissa deste grupo é a improvisação livre, espontânea e coletiva em tempo real sem qualquer tipo de barreiras expondo assim o publico a uma situação de imaginação e absorção ativa. A criação de diferentes texturas, exploração tímbrica, exploração rítmica e o dialogo são pontos aos quais nós depositamos importância pois são as bases deste projeto. O universo da música livre e de criação espontânea é algo assustador e reconfortante em ambos os sentidos pois o rumo que uma performance/concerto pode tomar depende de vários fatores físicos e psicológicos.

Pertencendo ,os elementos deste grupo, a um universo mais jazzístico apontamos alguns artistas que fazem parte das nossas referências para este projeto tais como: Peter Evans, Ambrose Akinmusire, John Coltrane, Evan Parker, Justin Brown e Paul Motian.

João Pedro Dias Trompete

Gil Silva Saxofone Tenor

João Cardita Bateria

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto 32.56

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Hugo Ferreira Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem João Fragoso + Jam Session

Dharma Bums é o projeto musical que exprime o universo sonoro criado pelo contrabaixista e compositor Gianni Narduzzi.

O nome é uma homenagem ao homónimo livro de Jack Kerouac que tem como temática central a viagem, física e interior, e a busca de um lugar.

O interrogativo e a procura do lugar ideal representam o leitmotiv das histórias musicais que os músicos contam.

A banda é um quinteto que reúne elementos de música escrita e música improvisada dentro de um vasto campo de influências sonoras, assim como literárias e cinematográficas.

O projeto nasce em finais de 2019 no Porto sob o impulso de Gianni Narduzzi; em finais de 2021 o quinteto grava o seu primeiro disco, que saiu no começo de 2022, Dharma Bums, editado pelo Carimbo Porta-Jazz.

Gianni Narduzzi Contrabaixo e Composição

Afonso Silva Saxofone Alto

Hugo Caldeira Trombone

Joaquim Festas Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria


Xapas Lounge (Paredes de Coura)

R. Conselheiro Miguel Dantas 25, 4940-441 Paredes de Coura


Entrada Livre

Mais Info
Foto Gianni Narduzzi

Flauta transversal e Contrabaixo vertical, um cruzamento temperamental.

Teresa Costa e João Fragoso vêm de sítios diferentes, decidiram experimentar o encontro na linguagem livre, em diálogo de improviso.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Teresa Costa Flauta

João Fragoso Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

Lamb Changes, trio composto por músicos da nova geração, convida dois nomes maiores do jazz - Perico Sambeat e André Fernandes - para a partilha de um concerto. Esses artistas consagrados trazem consigo uma mistura única de influências e experiências que elevará ainda mais a sonoridade do grupo. Juntos, proporcionarão uma experiência envolvente e singular para os amantes da arte da improvisação.

Este concerto oferece uma oportunidade para apreciar a habilidade e criatividade desses artistas e ser envolvido por um espetáculo sonoro que certamente será inesquecível. Lamb Changes é um projeto improvável, mas que certamente conquistará aqueles que tiverem a chance de os ouvir.

Perico Sambeat Saxofone Alto

André Fernandes Guitarra

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

Diogo Alexandre Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Lamb Changes ft. André Fernandes & Perico Sambeat

Lamb Changes é um grupo improvável que surge da vontade de unir duas gerações de artistas para criar um dia exclusivo e imperdível na Porta-jazz. O primeiro concerto será a trio, e contamos com a presença de três dos mais talentosos músicos da nova geração: João Fragoso, Miguel Meirinhos e Diogo Alexandre. Eles prometem um espetáculo que une o abstracionismo da música improvisada com a clareza da forma das suas composições elaboradas. Será uma apresentação que certamente encantará os ouvidos mais exigentes e sensíveis.

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

Diogo Alexandre Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Lamb Changes

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Mané Fernandes Guitarra

Demian Cabaud Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Gonçalo Ribeiro + Jam Session

'Contando já com alguns anos de colaboração e partilha de experiências musicais e pessoais, Gonçalo Ribeiro e Gil Silva juntam-se desta vez neste formato mais cru que é o duo. Propõem uma viagem por diferentes atmosferas e imaginários, numa tentativa de os interligar através de uma narrativa, de os munir de várias roupagens e de fazer o ouvinte esquecer que escuta apenas um saxofone e uma bateria.'

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Gil Silva Saxofone

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

imagem Jazz à Mesa

«Um dia pensei que talvez a bateria pudesse ser um instrumento melódico no mesmo sentido em que o piano é alegadamente um instrumento de percussão e por isso achei que as melodias que o Marcos toca na bateria e que nem têm propriamente notas ainda assim devem ser melodias porque harmonias não devem ser ou então são e eu é que não percebo nada disto de modos que provavelmente seria melhor perguntar-lhe sobre estas e outras coisas com as quais ele também se debate por exemplo sobre como é que se conta o silêncio se é que ele existe ou como é que se toca o mais lento possível ou ainda como é que vamos fazer agora com a voz porque se a bateria for afinal um instrumento de melodias a voz vai ser um instrumento de quê, questões estranhas estas que nos assaltam»

Vera Morais Voz

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Vera Morais

Foto: Beatriz Lerer Castelo

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Manuel Guerra Piano

Pedro Molina Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Pedro Molina + Jam Session

“Ode à Liberdade”

Gianni e Josué são dois filhos de vinte e cincos de abril, respectivamente, o italiano e o português. Juntam-se neste dia simbólico para reinterpretar e improvisar sobre as lutas pela liberdade, as suas e as de outrem.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Josué Santos Saxofone

Gianni Narduzzi Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

“peixe-boi”, junção provável de três amigos que partilham gostos e ideias musicais. A música parte maioritariamente de fragmentos melódicos, formas específicas ou texturas subtis, submetidas ao improviso e à procura conjunta de liberdade dentro de contextos mais estruturados.

João Carreiro Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Miguel Rodrigues Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto peixe-boi

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Pedro Jerónimo Trompete

Gianni Narduzzi Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Gianni Narduzzi

Um texto para apresentar o desconhecido, aquilo que nem eles próprios sabem que é ou será, uma tentativa de definir o abstracto e palpar o etéreo. Ricardo Moreira (teclados) e Antón Quintela (bateria) apresentam em exclusivo um novo ente musical para quem lá estiver, um ser de uma hora, uma criação com um começo e um final, vibrações no espaço e tempo que não hão de voltar.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Ricardo Moreira Piano

Antón Quintela Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Forget About Mars é um projeto liderado por Débora King, apresentado em formato de quarteto com Marta Rodrigues na Voz, João Hasselberg no Contrabaixo e Samuel Dias na Bateria. A música é escrita especialmente para esta formação, havendo sempre uma procura por novos caminhos e abordagens. As composições têm vindo a mudar e não serão todas iguais às do primeiro EP. Antes pelo contrário. A procura por novas fórmulas reflete-se nas novas composições.

O projeto tem como propósito refletir sobre a fragilidade humana, recorrendo ao abstrato e ao universo tímbrico do mundo analógico. Forget About Mars questiona mas não impõe. As mensagens não são diretas e muitas vezes nem se revelam, como em tudo o que não é concreto. Este projeto vem lembrar que nada é estático e que nem tudo é previsível.

Débora King Piano

Marta Rodrigues Voz

João Hasselberg Contrabaixo

Samuel Dias Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Debora King

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Gil Silva Saxofone Tenor

José Carlos Barbosa Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem concerto + Jam Session

"Num momento nada. No outro tudo. Todas as possibilidades, todas as viagens, todas as versões da realidade.

Num momento silêncio. No outro música.

A premissa inicial deste trabalho foi o momento do primeiro passo.

A primeira nota é a correcta? A primeira história é a verdadeira? O primeiro improviso é o justo?

Dúvidas que se esfumam imediatamente porque as músicas emancipam-se. Crescem rapidamente e fogem do nosso controlo. Um controlo que nunca existe.

Este trabalho foi escrito em duas semanas no inicio da pandemia, numa altura em que o mundo parou e eu andei. É resultado da minha parceria com cinco músicos majestosos que partilharam a minha visão e que a encandearam com a sua luz. É o resultado de madrugadas, de palcos, de conversas, de uma vida cravada na música. Num momento uma página em branco. No outro uma pinga de tinta caiu."

Luís Ribeiro, março 2023


Neste concerto poderemos assistir à apresentação do disco de estreia do guitarrista e compositor Luís Ribeiro, experiente músico do panorama musical portuense, com inúmeras colaborações em projetos musicais desde tributos a música original, desde o blues ao soul, funk, pop e rock. É um versátil multi-instrumentista que vem dar a conhecer as suas composições no âmbito do jazz, tendo como suporte uma banda de talentosos e reconhecidos músicos.

A Associação Porta-Jazz tem com o Comissariado Cultural da FEUP uma parceria que conta já com mais de uma década, para que se mostre no auditório da FEUP o que de mais atual o jazz com raízes no Porto está a produzir. São concertos de música original e este será o lançamento do 92º disco deste extenso e variado catálogo.

Luís Ribeiro Guitarra e composição

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui Teixeira Saxofone Barítono

Joaquim Rodrigues Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt / www.portajazz.com


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto


Foto Luís Ribeiro
Cartaz lançamento Luís Ribeiro - A Invenção da Ficção

Francisco Rua (guitarra) e João Próspero (contrabaixo) são dois músicos baseados na cidade do Porto. Tocando juntos com frequência (em projetos como The Guit Kune Do) João e Francisco juntam-se agora em formação reduzida (dueto), apresentando música original da autoria de ambos. Neste concerto, contrabaixo e guitarra entrelaçam-se, explorando as infinitas potencialidades melódicas e percussivas de ambos os instrumentos, criando paisagens sonoras de intimidade e introspeção. Nesta parceria, segue-se rumo ao desconhecido e todos os limites serão deixados à porta.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Francisco Rua Guitarra

João Próspero Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O pianista, compositor e pedagogo Greg Burk viveu, estudou, partilhou conhecimento e apresentou-se em concerto um pouco por todo o mundo. Ao longo da última década esteve a viver nos E.U.A., particularmente em Detroit e Boston, sendo que atualmente se radicou em Roma, trabalhando ativamente enquanto sideman, mas também enquanto líder. Tem a rara habilidade de combinar a sua composição original com melodias memoráveis e um ímpeto criativo em direção à improvisação que lhe conferem um carácter ímpar. Reconhecido como "um excepcional pianista e compositor" (All Music Guide), "um pianista e compositor com ideias vigorosas e criativas que encontram sempre um chão e uma estrutura bem fundamentada" (Boston Herald), "um pianista com o dom da melodia e um toque generoso que nos faz querer gostar dele" (LA Weekly) ou "um músico que toca com aparente amor e paixão pela sua arte" (AllAboutJazz), Greg Burk subirá ao palco do Espaço Porta-Jazz na companhia de uma secção rítmica de excelência - o contrabaixista Demian Cabaud e o baterista Marcos Cavaleiro. Um concerto a trio, onde poderão escutar as composições originais do pianista, que não deixarão ninguém indiferente.

Greg Burk Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Greg Burk Trio

O pianista e compositor Greg Burk está de passagem pelo Porto e, como não podia deixar de ser, a Porta-Jazz é uma paragem obrigatória. Com vasta experiência enquanto pedagogo, leccionou na prestigiada Berklee College of Music e, ao longo dos últimos 15 anos, tem percorrido toda a Itália, com especial destaque para o seu actual papel de coordenação do mestrado em Jazz na cidade de Siena.

Burk irá dedicar algum tempo durante a tarde de sábado, antes do concerto em trio, para partilhar experiências, responder a questões e contribuir para a inspiração e motivação de todos os que queiram vir ouvir, ver, absorver e daqui levar mais ideias e mais estratégias para casa. Amplamente reconhecido enquanto intérprete e compositor, com uma discografia extensa e variada, são inúmeras as valências que este músico poderá explorar com os participantes nesta masterclasse. Desde conceitos filosóficos a exercícios funcionais, destacamos alguns tópicos: como trabalhar a confiança, o beat placement (como tocar atrás, à frente e no meio do beat), swing feel, broken feel, como tocar com outros (separados mas juntos, comping motívico, free), como construir um solo, compreender a direção do solista, tocar com o solista e tocar contra, tensão e resolução na construção do comping.

Enfim, os argumentos são muitos para virem até ao Espaço Porta-Jazz no sábado às 16:00.

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


Entrada Livre

Foto Greg Burk

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Clara Lacerda Piano

Romeu Tristão Contrabaixo

João Pedro Almeida Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Clara Lacerda

Neste concerto, Mário Costa e Mané Fernandes apresentam uma primeira exploração em duo, com toda a abertura que esta formação oferece. A improvisação a partir de pequenas premissas composicionais e a exploração do acústico / electrónico constituem o método de criação, acedendo assim à vastidão de possibilidades que este encontro promete.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Mané Fernandes Guitarra e electrónica

Mário Costa Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

TRAVESSIA

Acordei na savana árida,
entre as espigas que balançam com o vento.
O cheiro da terra quente,
o brilho do sol vermelho.
O Zambeze corre, com pressa,
flui com o tempo,
flui em contratempo.

Voei.
Aterrei na costa.
Vi o mar e o farol, que me apontou o caminho.
Vi dunas e sonhei com montanhas.
Plantei a semente.

O rio (a ria), o caminho, o cansaço.
A viagem, a sede, a noite.

Voarei de novo.
Amanhã será.
Assentarei no chão, no meu lugar.
Amanhecerá.

Os montes, tornados realidade
O coração sereno.
A luz que rega os meus pés, as minhas raízes.

Catarina Rodrigues Piano, sintetizador, Voz

Joana Raquel Voz

Beatriz Rola Violino, Voz


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Catarina Rodrigues

Foto: Adriana Melo (Mínima)

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Miguel Meirinhos Piano

João Próspero Contrabaixo

Antón Iglesias Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem concerto + Jam Session

A vocalista grega Savina Yannatou – uma figura amplamente reconhecida da música europeia em resultado tanto do seu trabalho de interpretação da música de raiz tradicional grega, sefardita e mediterrânica, bem como das suas incursões pelas linguagens do experimentalismo; o pianista espanhol Agustí Fernández – um nome de projecção internacional no contexto da cena global de improvisação livre com um trabalho também significativo de direcção de ensembles; o baterista e percussionista radicado em França Rámon López – músico com uma longa e distinta lista de colaborações com algumas da figuras maiores do jazz contemporâneo e um instrumentista multifacetado com um interesse particular na música indiana – e, finalmente, o saxofonista alemão Julius Gabriel – representante omnívoro das mais recentes tendências nómadas, tanto geográficas como estilísticas, da cultura contemporânea, materializadas num percurso que inclui projectos de jazz, pop-rock, improvisação livre, música electrónica, entre outras incursões – formam um grupo que é em si mesmo parte de um ensemble jazzístico de catorze músicos, a Blue Shroud Band liderada por Barry Guy, que gravará em Portugal o seu terceiro registo discográfico.

O quinteto pan-europeu apresentado pela Porta-Jazz neste concerto é composto por um naipe de músicos que, nos seus diferentes percursos e expressões, uns mais próximos da sua nascente e outros na transição dos estuários para o vasto oceano dos futuros estéticos, se integram no fluxo expansivo que comanda o jazz do presente. No centro deste projecto baseado na composição instantânea e na improvisação espontânea estará a filiação dos criadores que o protagonizam à música de tendência vanguardista e disruptiva que, após ter germinado a partir das convulsões sociais e artísticas da década de 1960, se consolidou e transformou durante os últimos cinquenta anos no cânone ou mediana que organiza as matrizes de avaliação estética da música actual, em consequência do trabalho de músicos dedicados e inventivos como, entre outros, do contrabaixista e compositor Barry Guy. Influenciado tanto pelas extremidades angulosas do free jazz como pelas abstracções cosmológicas da composição erudita contemporânea, o corpo de trabalho de Barry Guy, desenvolvido tanto a solo como em parceria cúmplice com outras figuras seminais desse movimento como Derek Bailey, Tony Oxley, Marillyn Crispell ou Evan Parker, é considerado actualmente um dos percursores europeus do que hoje entendemos por música “contemporânea”. Um músico simultaneamente físico e cerebral, teórico e preceptivo, Barry Guy desbravou na sua actividade artística ao longo das últimas cinco décadas inúmeros territórios musicais em ventos cruzados de criação intersectados por encontros com incontáveis ensembles e criadores, como estes que o acompanham em palco neste concerto, cúmplices do seu aventureirismo estético e compromisso com a busca por um ideal de comunicação através da música.

Savina Yannatou Vocals

Julius Gabriel Saxophone

Agustí Fernandez Piano

Barry Guy Double Bass

Rámon López Drums


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


TICKETS
Foto Yannatou-Gabriel-Fernandez-Guy-Lopez

O contrabaixista e compositor Pedro Molina vai lançar ainda este ano o seu primeiro álbum gravado em quarteto.

Para amenizar a espera, este concerto pretende apresentar algumas das músicas do contrabaixista num formato reduzido e exigente que seja capaz de expor novos caminhos e texturas a explorar.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Pedro Molina Contrabaixo

Miguel Meirinhos Piano


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Seis anos depois do internacionalmente aclamado GETTING ALL THE EVIL OF THE PISTON COLLAR!, os incontestáveis mestres do jambacore voltam a atacar com um poderoso novo álbum, Free Development of Delirium, em que elevam ao máximo o seu conceito musical pós- pós-modernista, absurdo, irónico, cínico, in your face, e sim, piroclástico. A música é feita de escombros de vanguardas passadas, oriundas do jazz, da música clássica contemporânea, do metal, do punk e de outras referências da contracultura. O resultado é, tal como o título promete, um delírio de sons e de formas. Tudo isto tem um efeito provocatório em “You Won’t Mind If We Laugh” e “Ego.Death”; gera confusão em “C2H3Cl3O2”, e faz-nos acreditar que ainda há espaço para algo diferente, descomprometido, dedicado e novo. Os The Rite of Trio podem estar constantemente a iludir as nossas expectativas e sentidos, mas a música é muito séria e vai, com certeza, tocar-nos de formas agradáveis, embora um tanto estranhas e inesperadas. Preparados para este ataque sónico?

André Silva Guitarra eléctrica e acústica

Filipe Louro Contrabaixo, baixo eléctico, guitarra acústica

Pedro Melo Alves Bateria, electrónica e gritos


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto The Rite of Trio

Foto: João Pádua

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento. Ligado à tradição como ponto de partida para os diversos percursos da música improvisada e do jazz contemporâneo, este encontro semanal é um ritual antigo, sempre novo, sempre diferente.

Ricardo Moreira Saxofone Tenor

Pedro Molina Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem concerto + Jam Session

Existe um João do contrabaixo. Existe um João do trompete. Os joões tocam um instrumento. Os joões juntaram-se. Os Joões são amigos. Os Joões vão tocar música deles e de outros. Os joões vão explorar o campo cósmico e sensorial do ser humano. Os joões vão....

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Pedro Dias Trompete

João Fragoso Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

No início surge o Impulso,
dá-se no Corpo e antecede a Respiração.
O ar vibra e nasce o Som,
que por vezes articulo em palavras.
Por fim, e adotando um sentido,
permito-me expressar e realizar o imaginário inatingível,
através da Linguagem.

Este projeto visa explorar diferentes ambientes sonoros tendo como ponto de partida o texto originalmente escrito. Por sua vez, numa espécie de simbiose cíclica, a música modula o texto e o texto refraseia o som. Nesta procura conjunta, a banda residente propõe-se concretizar na música um universo antes pertencente apenas ao domínio das ideias, sentimentos e emoções.

Maria Inês Gouveia Voz e Flauta

João Geraldo Gomes Violoncelo, electrónica

Clara Lacerda Piano

Eduardo Carneiro Dias Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Inês Gouveia

As noites de sexta-feira começam com um concerto que dá o mote à jam session, aberta a todos os músicos que queiram vir participar neste movimento.

Nesta semana contamos com o contrabaixista Demian Cabaud, uma das figuras mais carismáticas do nosso meio e que tanto valor acrescenta a cada novo projeto, um músico e pedagogo de renome que virá até ao Espaço Porta-Jazz na companhia de dois talentosos jovens: Miguel Rodrigues e João Ferreira. Pleno de energia, este concerto será um ao qual irão querer assistir.

João Ferreira Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Miguel Rodrigues Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Blind Dates + Jam Session

42 ème FESTIVAL DE L'AMR

19h00 DJ OWELLE

À LA CAVE : DJ OWELLE

OWELLE, une artiste émergente de Genève, vous emmène dans une ascension éclectique et électrique. Elle crée sa musique sans frontières, en constante expérimentation, en combinant musique électronique, inspirations psych rock, field recordings et sa voix.

DJ OWELLE, platines

20h00 CATARSE CIVIL

Dans ce projet, un collectif de jeunes compositeurs et interprètes se consacre à l’exploration des possibilités entre la musique et les mots, Le projet explore la littérature et sa relation avec la musique. L'orientation est axée sur la liberté de création, la foi en l'autre étant l'outil principal.

Un groupe qui nous vient de Porto et du collectif Porta Jazz !

Sara Santos Ribeiro, contrebasse

Hugo Silva, trompette

Zé Stark, batterie

Tiago Batista, vibraphone

Pedro Matos, saxophone ténor

Catarina Rodrigues, clavier

André Ramalhais, trombone

Miguel Meirinhos, piano

Joana Raquel, voix

Sofia Sá, voix

Jan Wierzba, direction

Rui Spranger, conteur

21h30 TRIO METTE RASMUSSEN/BARRY GUY/RAMON LOPEZ

Ils se sont trouvés souvent dans le grand orchestre de Barry Guy, se découvrant au fur et à mesure, creusant les chemins de l’improvisation par tous les temps.

Ils ont choisi de se retrouver à trois pour défricher de nouvelles pistes sonores.

Toutes les formules seront possibles dans ce programme exceptionnel, inédit.

Mette Rasmussen, saxophone alto

Barry Guy, contrebasse

Ramon Lopez, batterie


Mais info

AMR Genève

Rue des Alpes 10, 1201 Genève, Switzerland

foto Do Acaso

O diário de bordo de Nuno Campos é um registo vivo, que procura conter os detalhes impermanentes e fugazes que teimam em esbater-se da memória algum tempo após uma aventura ter acontecido. Custa fugir à vontade tão humana de, através da arte, se tentar fixar a Natureza e a História, ou mesmo aos fundamentos da composição musical e da improvisação, para se exprimir um momento na vida, um instante ou uma jornada.

Sob alçada da coragem, o quarteto observa e relata, trilha o seu próprio percurso no mapa desenhado em preparação da travessia, percorrendo um caminho que poderia ser outro qualquer noutro dia qualquer, para nos entregar uma narrativa plena de peripécias irrepetíveis. Somos tão pequenos na nossa finitude e tão audazes na sua superação.

Esta é música escrita a partir de um pulsar incessante e da presença volumosa do contrabaixo, na incursão por um deserto imaginário, visitado em sonhos, onde a avassaladora paisagem quente é sempre constante e obriga ao profundo entendimento entre os quatro para a sobrevivência sem referenciais perante o inesperado. Atrai-nos o intenso desafio ao que estaria dado como certo e ao qual ansiamos regressar, para experienciarmos uma e outra vez a noção de se sentir amplitude sem fim.

E quando alguns grãos de areia retidos nas mãos são resgatados pelo vento e contrariam a tendência inevitável da gravidade pairando, por magia, no ar em remoinho, a razão desiste de tentar explicar e encontra-se a mais profunda sensação de libertação. É quando os cânones, a herança cravada em pedra e os fortes alicerces de uma civilização inteira se transformam em material imensurável, tudo levanta voo e se alinha numa corrente impetuosa para nos transportar numa incrível viagem sem se sair do lugar.

Mariana Vergueiro, fevereiro 2023

Nuno Campos Composição, Contrabaixo e Texto

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Coelho Bateria


Acesso gratuito, sujeito à lotação da sala

Mais informações: ccultur@fe.up.pt / www.portajazz.com


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Nuno Campos 4tet - Something to Believe In

'Esfanes' é o resultado musical das ideias propostas pelos diversos elementos do grupo. Depois de um vasto período de tempo juntos a pensar e trabalhar música em diferentes contextos, juntaram-se finalmente numa residência artística fria e isolada onde desenvolveram a música uns dos outros e de uns para os outros.

Sem nunca comprometer a liberdade de cada um, procuram um som coletivo simultaneamente vertebrado e invertebrado e, entre todos, um ponto comum de onde a música se possa desenrolar de forma honesta.'

Gil Silva Saxofone Tenor

Hugo Ferreira Guitarra

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Esfanes

Não, não é um jogo de encontros amorosos. Ainda assim é um jogo mas com outras regras.

Explicando melhor, é uma série de concertos na sexta-feira às 21:30 no Espaço Porta-Jazz, onde todas as semanas são convidados dois músicos que sobem ao palco sem nada previamente combinado, sem ensaios, sem mesmo saberem quem vão encontrar, fazendo valer o sentido mais positivo da expressão “encontro às cegas”.

Após o concerto, acontece a recém-chegada e já animada jam session da Porta-Jazz, todas as sextas-feiras.

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Imagem Blind Dates + Jam Session

Acabado de nascer, Lotus reune quatro músicos que se admiram entre si mas que só agora coincidem, fundindo assim quatro universos musicais distintos mas cúmplices e familiares.

O ritual da improvisação e da interação espontânea alimenta-se das composições dos seus elementos, que como diferentes afluentes correm a dar vida a uma torrente mais larga.

Gonçalo Marques Trompete

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Lotus

Hery Paz, Javier Moreno e Marcos Cavaleiro são três reconhecidos músicos oriundos de Cuba, Espanha e Portugal. Cruzaram-se pela primeira vez em 2018 e em 2021 editaram no Carimbo Porta-Jazz o primeiro trabalho como colectivo.

Neste regresso, trazem novas ideias, novas vidas e nova música, matéria prima que será desenvolvida e apresentada numa série de oito concertos por Portugal e Espanha. Toda a atmosfera musical será registada e posteriormente editada.


Após o concerto haverá jam session.

Hery Paz Saxofone Tenor

Javier Moreno Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Vessel Trio

Inspiração, consciência e caminho artístico.

Os dois músicos irão partilhar as suas procuras e experiências tendo como pontos de partida os seguintes tópicos:

Caminho artístico vs. ofício

A procura de uma identidade

Prática do instrumento

Experiências importantes com os seus mestres

Composição

Improvisação


Hery Paz

Hery Paz é um saxofonista e artista visual de Cuba. É um elemento integrante da cena musical criativa da cidade de Nova York, onde já trabalhou com artistas como Fred Hersch, Dave Liebman, Thomas Morgan, George Garzone, Francisco Mela, Kris Davis, Ralph Alessi, Ethan Iverson, Miguel Zenón, Tom Rainey, Gerald Cleaver e Joe Morris...

Como pintor Hery é um artista que assina capas publicadas para a IRAZÚ RECORDS, RED PIANO RECORD e PYROCLASTIC RECORDS (Kris Davis/Craig Taborn “Octopus”). Além disso, foi o artista comissionado para a 4ª temporada do prestigiado selo NEWVELLE RECORDS, envolvendo artistas como Tim Berne, Dave Liebman, Hank Roberts, Kenny Werner e Bill Frisell.

EDUCAÇÃO: Mestre pelo New England Conservatory (Boston) e professor ativo do New England Conservatory Jazz Lab e do University of Maine Jazz Camp em Farmington.

Contrabaixista e compositor nascido em Madrid. Reside há muito tempo na cidade de Nova York com estadias intermitentes em diferentes lugares como Roma ou Buenos Aires realizando intensa e dedicada atividade profissional ao jazz em todas as suas vertentes.

Javier Moreno

Estudou em instituições como a New York University (New York) (Mestrado em Jazz Performance e Composição) e no Conservatório Real da Cidade de Haia. (Holanda) (Graduação Superior em Jazz).

Recebeu prémios, bolsas e reconhecimentos como: Banff Centre of Creative Arts (Canadá) Tete Montoliú (AIE) (Espanha); Fundação Caja Madrid (Espanha), ART-EXT, (AECID) (Espanha), Fundo Nacional para as artes. (EUA) MacDowell Colony (EUA), Exploring the Metropolis (EUA) ou a bolsa Royal Academy of Spain em Roma. (AECID), (Roma-Itália).

Na sua carreira profissional fez parte de diferentes cenas dentro do jazz, música contemporânea, flamenco e outras, colaborando como Sideman de artistas tão diversos como: Gerald Cleaver, Tim Berne, Ernesto Jodos, Dino Saluzzi, Tony Malaby, Craig Taborn, Badal Roy, Jeremy Pelt, Mat Maneri, Carmen Linares, Greg Tardy, Camila Meza, Agustín Carbonell "El Bola", Javier Ruibal, Arcángel, Rycardo Moreno ou David Dorantes.

Tem no seu currículo seis álbuns como líder (quatro deles com a editora de jazz catalã Fresh Sound New Talent) e outros quatro como co-líder, destacando-se as colaborações com a editora Porta Jazz do Porto (Portugal), e a editora Ears and Eyes records.

O seu mais recente trabalho como compositor contemporâneo para Marimba, Vibraphone, dois pianos e contrabaixo, chama-se Rainha do Limbo, e foi encomendado pelo prestigiado Icarus Quartet ensemble da cidade de New Haven (EUA) em junho de 2018.

Como educador, faz atualmente parte do corpo docente do Ciclo Superior de Jazz e Música Atual da Escola de Música Criativa de Madrid, onde leciona: Contrabaixo Jazz, Composição para Intérpretes, Combo de Jazz Moderno e Conjunto de Jazz de Vanguarda.


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com

Foto Paz-Moreno

Sendo o Jazz uma linguagem comum aos intérpretes, estes irão tocar temas que partem da folha em branco, esperando que desta viagem resulte uma narrativa coerente, mas efémera.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Carlos Azevedo Piano

Miguel Meirinhos Piano


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O espetáculo André B. Silva - Mt. Meru surge na sequência do lançamento discográfico deste ano pela prestigiada Clean Feed Records. O disco tem somado críticas unanimemente positivas em vários artigos a nível nacional e internacional.

O grupo é um septeto que conta, para além de André B. Silva na guitarra, com José Soares no saxofone alto, Raquel Reis no violoncelo, Sophie Bernado no Fagote, Paulo Bernardino no clarinete baixo, André Carvalho no contrabaixo e Ricardo Coelho na bateria e percussão.

Um grupo eclético e internacional de jovens músicos conceituados no panorama do jazz e da música erudita a nível global.

O concerto focar-se-á no repertório presente no disco, podendo-se descrever o espectáculo como uma viagem impressionista de auto-descoberta com contornos introspectivos e imprevisíveis.

André B. Silva Guitarra

José Soares Saxofone Alto

Raquel Reis Violencelo

Sophie Bernardino Fagote

Paulo Bernardino Clarinete baixo

André Carvalho Contrabaixo

Ricardo Coelho Bateria / Percussão


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Vera Morais & Hristo Goleminov

A música de Vera Morais e Hristo Goleminov brota do espaço entre a poesia e a improvisação. No seu álbum de estreia "Consider the Plums" (Carimbo Porta-Jazz 2022), servem-se da estética imagista do poeta americano William Carlos Williams como ponto de partida para música elástica, translúcida e plena de sinergia, numa ode ao quotidiano. Tendo sido elogiados pela crítica nacional e internacional pelas suas interpretações originais da poesia de Williams, apresentam agora uma proposta centrada exclusivamente em material original - musical e poético.


Após o concerto haverá Jam Session.

Vera Morais Voz

Hristo Goleminov Saxofone Tenor


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Vera Morais & Hristo Goleminov

Saxofone e guitarra eléctrica, num duo ampliado com electrónica, desafiando as fronteiras do jazz e da improvisação entre o intenso e o contemplativo, a ordem e o caos, o imóvel e o fluxo.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Pedro Brandão Saxofone

Nuno Trocado Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Mezcalito convida João Paulo Silva & Hugo Ferreira

O universo do livro “Ensinamentos de D. Juan” do escritor e antropólogo Carlos Castaneda, veio inspirar a criação deste projeto liderado por Demian Cabaud e Marcos Cavaleiro.

O livro descreve os ensinamentos que o autor Carlos Castaneda recebeu do Índio Yaqui, Don Juan, em que este o leva a ultrapassar-se e a vislumbrar a existência de outros padrões da realidade.

O propósito deste duo é precisamente em cada sessão convidar diferentes músicos a embarcar numa procura colectiva, sendo a proposta musical o resultado de um desafio mútuo.

Para a primeira sessão decidiram convidar dois talentosos músicos da nova geração, o saxofonista João Paulo Silva e o guitarrista Hugo Ferreira.

João Paulo Silva Sax Alto

Hugo Ferreira Guitarra

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Mezcalito

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

O amor quando se revela, poema de Fernando Pessoa


Nesta noite, guitarra e voz juntam-se para improvisar e musicar poemas intemporais que se debruçam sobre uma das temáticas mais abordadas na arte: “If music be the food of love, play on” (William Shakespeare)

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Ana Luisa Marques Voz

Filipe Dias Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

A ideia do projeto MOVA DREVA nasceu pela mão da pianista e cantautora Katerina L’dokova que mistura as melodias tradicionais da Belarus com harmonia jazzística, abordagens de música clássica e estilos contemporâneos. O seu maior sonho é descamuflar os valores transversais que estão presentes nas canções tradicionais de todo o mundo.

No dia 11 de Fevereiro o MOVA DREVA vai se apresentar em quarteto, trazendo com eles histórias e contos musicais baseados em canções quase desaparecidas: canções festivas, chamamentos da primavera e ciclos da natureza, cânticos de saudade e tristeza, de brincadeiras e casamentos.

Katerina L'dokova Piano e Voz

Diogo Duque Trompete, Flauta e eletrónica

João Fragoso Contrabaixo

Samuel Dias Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Mova Dreva

Brian Blaker é saxofonista e compositor norte-americano, atualmente a residir no Porto e já integrado na fervilhante cena local do jazz e das músicas criativas.

Miguel Sampaio é baterista, com forte interesse pela música eletrónica e composição.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Brian Blaker Saxofone, loops e efeitos

Miguel Sampaio Bateria, percussões e sintetizadores


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

AP Quarteto – "Nu" (PT)

2022 foi também ano de mais um disco do guitarrista e compositor portuense AP pelo Carimbo Porta-Jazz, que aqui o apresenta ao vivo neste grande auditório do Teatro Rivoli.

Nu é o nome do álbum que é já o quarto trabalho com música sua no selo Carimbo, depois de Lento em quarteto, A Incerteza do Trio Certo ou Mergulho, onde o Coreto toca exclusivamente a sua música.

Nu é um regresso ao formato quarteto, onde se faz acompanhar pelos músicos da nova geração José Diogo Martins no piano e teclados, Gonçalo Sarmento no baixo elétrico e contrabaixo e Gonçalo Ribeiro na bateria.

O disco Nu é uma experiência musical que, entre outras coisas, explora a simplicidade melódica, o rigor formal ou ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade. A música de AP apresenta-se aqui, como o nome do álbum sugere, despida de acessórios ou artefactos, mas plena do mesmo conteúdo e profundidade que distinguem as obras musicais mais esclarecidas, maduras e consistentes.

Nu é o trabalho de um músico e compositor cada vez mais fiel à sua verdade musical. É o trabalho de um quarteto que se mostra atento a novas tendências e correntes, mas que nunca abandona a sua essência. É composição, improvisação e execução musical imbuída da proficiência natural de quem sabe o que está a fazer.


AP Guitarra, efeitos e composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo eléctrico e contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Do Acaso – "Catarse Civil" (PT)

Catarse Civil é um projeto que cruza a música com a literatura e foi editado em disco pelo Carimbo em 2022. Liderado e pensado pela contrabaixista Sara Santos Ribeiro é com este grande ensemble que se encerra a última noite no grande auditório do Teatro Rivoli.

Catarse Civil nasce do convite literário lançado por Sara Santos Ribeiro a Sofia Teixeira.

Neste projeto, um coletivo de jovens compositores e intérpretes dedica-se a explorar possibilidades entre a música e as palavras.

Um exercício neo surreal de materializar "os sonhos da humanidade que dorme".

Catarse Civil – imaginemos que a humanidade é uma pessoa que dorme.

Imaginemos que nos seus sonhos os movimentos sociais dançam numa libertação explícita das suas vontades. Imaginemos que colocamos isso em palco, acessível aos olhos de todos.

Os intérpretes e compositores foram, posteriormente, convidados para a concretização do que foram chamados de: sonhos de I a X, desafiados para uma escrita programática, livre e reativa.

O projeto integra também textos de Hugo Santos e Jorge Santos Ribeiro e composições de Catarina Ribeiro e do trompetista Pedro Jerónimo.


Miguel Meirinhos Piano

Tiago Batista Vibrafone

Catarina Rodrigues Teclas

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo

Hugo Silva Trompete

Pedro Matos Saxofone

André Ramalhais Trombone

José Stark Bateria

Joana Raquel Voz

Sofia Sá Voz

Rui Spranger Ator/diseur

Jan Wiezba Maestro convidado


Conservatório de Música do Porto & Jam Session Café Rivoli

23:30


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 8

Into The Big Wide Open (DE/AT/RU)

A proposta do festival austríaco Bezau Beatz de Alfred Vogel, tem sido um dos muitos pontos altos dos últimos festivais. Este ano não constitui exceção à regra, Vogel apresenta-nos um grupo formado por si e mais três músicos da cena jazz berlinense.

Fascinado e atraído por uma atuação no Festival Bezau Beatz do contrabaixista Felix Henkelhausen e do saxofonista Eldar Tsalikov, dois hot cats da cena de Berlim, nas palavras de Vogel, juntaram-se primeiro em trio e mais tarde em quarteto com a inclusão do pianista Valentin Gerhardus.

Também nas palavras de Vogel, este presente dos anjos e tesouro ainda por descobrir da sofisticada cena berlinense consegue levar o ouvinte numa viagem pelo incalculável infinito do espaço numa música densa e ao mesmo tempo ambiental assim como poderosa e espiritual.

Não sendo um segredo que Alfred Vogel gosta de moldar o avant-garde com leveza e um sorriso, com esta nova banda junta músicos com a mesma abordagem à sua volta para criarem uma aventurosa e audível viagem pela infinitude do grande vazio.


Eldar Tsalikov Saxofone e clarinete

Valentin Gerhardus Piano e live sampling

Felix Henkelhausen Contrabaixo

Alfred Vogel Bateria


293 Diagonal - "Membrana" (PT)

Membrana dos 293 Diagonal, foi uma das propostas de 2022 editadas pelo Carimbo e que, neste Festival, se apresenta ao vivo no palco do pequeno auditório do Rivoli.

A incansável cantora e compositora Joana Raquel junta-se aqui em formato duo com o original e virtuoso saxofonista Daniel Sousa.

Entre a canção, a improvisação e a eletrónica, Joana Raquel e Daniel Sousa convergem as suas influências através de abordagens mais experimentais, numa formação que quer criar um espaço não-convencional, performativo e íntimo. Germinado numa das portas 293 da cidade do Porto, nos últimos dois anos o duo tem desenvolvido colaborações, sublinhando-se a participação no ciclo FLUIR Som, curadoria da Robalo em parceria com o MAAT, e o lançamento do primeiro disco Membrana que aqui podemos escutar ao vivo.

“Membrana apresenta uma visão sobre o quotidiano. Retrata a delicadeza da ação, da memória e da antecipação. Olha de várias perspetivas e abraça o tempo não-cronológico. Contaminação.

A membrana quer-(se) romper.”


Joana Raquel Voz

Daniel Sousa Saxofone e electrónica


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 7

Bode Wilson - Aether (PT/AR)

Aether [Éter] (ver alusão ao significado adiante) é o nome do álbum que os Bode Wilson assinam pelo Carimbo no ano de 2022 e aqui apresentam em palco neste Festival Porta-Jazz.

Depois da estreia em 2014 com 26 e um segundo álbum em 2017 chamado Lascas, aqui está de novo este Bode, que, desta vez, sem recorrer a material musical previamente definido, embarca numa viagem sonora pelas montanhas do experimentalismo e da improvisação total e grava este trabalho ao ar livre, no interior de uma capela em ruínas.

Como um bode irrequieto e faminto que, através de terrenos montanhosos, procura alcançar terreno fértil em alimento, este corpo de três elementos existe e move-se numa simbiose tímbrica e estética que os transforma num elemento só. Tal como o próprio Aether, esse quinto elemento tantas vezes usado ao longo da história para explicar o inexplicável, Bode Wilson apresenta-se assim, volátil, aéreo e envolto num mistério que parece existir desde o princípio dos tempos.

Aether revela também um trio que não se conforma com fórmulas estanque e definidas e que parte sempre para a descoberta de novos caminhos. Um trio que, para além das habituais ferramentas, saxofone, flauta, contrabaixo e bateria, acrescenta aqui o charango, as percussões e uma pedaleira de órgão.


João Pedro Brandão Saxofone alto e soprano, flauta, pedaleira de órgão

Demian Cabaud ontrabaixo e charango

Marcos Cavaleiro Bateria e percussões


Liquify, Spread and Float (Guimarães Jazz / Porta-Jazz #8) (PT)

A já longa e bem sedimentada parceria com o Festival Guimarães Jazz tem como premissa cruzar a música com diferentes áreas artísticas. No ano de 2021, esse projeto foi liderado pela multifacetada cantora Inês Malheiro.

Liquify, Spread and Float é o projeto que Inês criou juntamente com Carolina Fangueiro, Daniel Sousa, João Almeida, José Vale e Vicente Mateus no contexto desta Residência Porta-Jazz / Guimarães Jazz 2021.

A partir da proposta de explorar o diálogo entre várias disciplinas artísticas, o processo focou-se na perceção da visão do som, na criação de música livre de expectativa dos instrumentos e dos seus instrumentistas e na liquidez necessária para contornar a hierarquia dos sentidos.

Gravado ao vivo em novembro de 2021, Liquify, Spread e Float são as 3 faixas, atos ou estados que diluem a vontade de ser canção e será aqui apresentado na sua versão integral pela segunda vez, numa oportunidade rara e quase única de assistir a este trabalho no seu formato original.


Inês Malheiro Voz, fx

Daniel Sousa Saxofone e electrónica

João Almeida Trompete, fx

José Vale Guitarra, fx

Vicente Mateus Bateria, fx

Carolina Fangueiro Visuais


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 6

Encomenda a Miguel Meirinhos feat. Joshua Schofield (PT/ES/UK)

O pianista Miguel Meirinhos é já uma figura de proa da nova geração do jazz portuense. Com créditos firmados, seja através da sua música já editada ou nas suas colaborações em concerto e em disco com a Orquestra Jazz de Matosinhos ou o quarteto de Mário Barreiros, o talentoso Miguel Meirinhos é uma inevitável e bem-vinda nossa escolha para a habitual encomenda, neste 13º Festival Porta-Jazz.

Nesta encomenda, que pretende sempre juntar e criar interações com novos músicos do circuito europeu, Meirinhos apresenta-se em quinteto num formato clássico de trompete, saxofone, piano, contrabaixo e bateria. Convidando o interessante e emergente saxofonista inglês Joshua Schofield, a par do espanhol, já bem nosso conhecido, Ricardo Formoso no trompete e os seus talentosos companheiros locais, João Fragoso no contrabaixo e João Cardita na bateria, a fazerem parte deste desafio.

Se o formato do quinteto é clássico, já o resultado musical apontará certamente para planos e esferas mais distantes. Tão distantes quanto a natureza dos diferentes contextos musicais em que cada um deles cresceu. Nas palavras do próprio Meirinhos: “Espera-se, neste encontro, a absorção dos lugares de convergência, mas, acima de tudo, quer-se descobrir como é que cada uma destas vozes vai persuadir e dissuadir as restantes em discussão. Deste convívio com a estranheza resultará um momento enérgico, espontâneo e livre.”


Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Formoso Trompete

Joshua Schofield Saxofone Alto

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Alfons Slik (PL)

Resultante do intercâmbio com o festival JazzArt em Katowice, na Polónia, este ano vem até nós o duo Alfons Slik.

O pianista Grzegorz Tarwid e o baterista Szymon Pimpon Gasiorek são dois aventurosos músicos que se conheceram em Copenhaga. Na sua música, nunca existem barreiras e abraçam a expressão livre, fundindo o seu virtuosismo com indomáveis vocalizações e experiências sónicas, oscilando entre a tradição do jazz, a improvisação livre, música contemporânea, poesia, rock’n’roll, pop moderno, disco e os costumes dos casamentos polacos.

Com um álbum editado em 2019, Nie Przejmuj Się [Nada de Preocupações], pela Love & Beauty Music e o segundo quase a ser lançado, apresentam-se aqui no Festival Porta-Jazz com a sua arrojada e irónica proposta musical.


Grzegorz Tarwid Piano, teclados, voz

Szymon Gąsiorek Baterias, percussão, OP-Z, voz


ESMAE Jazz & Jam Session Café Rivoli

23:30


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 5

Liudas Mockūnas - Arnas Mikalkenas - Håkon Berre Trio (LT/NO)

As parcerias com associações ou outros festivais europeus que operam no mesmo plano de ação da Porta-Jazz foram sempre um objetivo e uma realidade presente na já longa história da nossa Associação. Em mais um ano e um Festival em que essas colaborações não deixam de estar presentes, consolida-se e expande-se esta prática com a inclusão de mais um valioso parceiro europeu. Falamos, neste caso, da presença, pela primeira vez, de um projeto enviado em intercâmbio pela conceituada plataforma Improdimensija de Vilnius na Lituânia.

Liudas Mockūnas, Arnas Mikalkenas e Håkon Berre são o ingrediente báltico no Caldeirão do 13º Festival Porta-Jazz.

Um trio liderado pelo conceituado saxofonista Liudas Mockūnas, que já tinha marcado presença numa edição anterior do Festival como convidado do contrabaixista Hugo Carvalhais e que aqui apresenta este trio com quase dez anos de existência e um considerável número de concertos em festivais na Europa e no Japão. Com o jovem e talentoso pianista e acordeonista lituano Arnas Mikalkenas e o reconhecido baterista norueguês Håkon Berre, que reside na Dinamarca há quase 20 anos, esta verdadeira armada báltica apresenta aqui a sua música original, que é o resultado de uma escrita repartida pelos três elementos e que se pode caraterizar como jazz de câmara moderno inspirado na música contemporânea e no free jazz.


Liudas Mockūnas Saxofones

Arnas Mikalkėnas Piano, acordeão

Håkon Berre Bateria


Eurico Costa Trio - "Copal" (PT)

Copal é o disco editado pelo guitarrista Eurico Costa e o seu trio no final de 2021. Neste projeto, reconhecido pelo público e pela crítica e que já se apresentou em ciclos e festivais nacionais, o guitarrista portuense explora as suas composições com o contrabaixista argentino Demian Cabaud e o baterista Marcos Cavaleiro, duas figuras incontornáveis do jazz nacional.

Quanto à música, deixemo-nos levar, para já, pelas palavras do próprio autor:

“O trio é um lugar, um espaço onde, embora acompanhado, nunca se sufoca.

Tão longe dos constrangimentos da multidão como do isolamento da individualidade, esta é uma formação que abre portas a dimensões próprias, sempre em busca de um equilíbrio de forças, a pedir a generosidade de cada parte para a construção de um todo mais uno. Isso leva a que o presente se torne no único assunto possível e o processo de composição num exercício de contenção e fé. Desse paradigma, surge este repertório, por vezes numa alusão a imaginários mais pop ou à procura das matizes do jazz, outras só a contemplar um tempo repleto de som. Nele, procura-se evocar episódios, pessoas e lugares de um universo que se quer preservar irreal e idílico, néctar de sonhos. São os fios que tecem pedaços de vidas. As nossas.”


Eurico Costa Guitarra e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 4

Colectivo Osso / Porta-Jazz "Interferências" (PT)

Com mais uma residência a materializar-se neste 13º Festival Porta-Jazz, apresentamos aqui este trabalho que resulta da colaboração da Porta-jazz com o coletivo OSSO.

OSSO é um coletivo com base nas Caldas da Rainha e que inclui artistas e investigadores de diferentes áreas (música e artes sonoras, artes plásticas, fotografia, dança, performance, design, arquitetura e cinema) e que, em conjunto com a Associação Porta-Jazz, apresenta aqui este Interferências.

A par dos conceituados representantes da Porta-Jazz, Susana Santos Silva e João Grilo estarão por parte do coletivo Osso, Nuno Morão e Ricardo Jacinto mais Joana Castro como convidada especial das duas estruturas para integrar este projeto.

Interferências são seis artistas que se encontram para uma residência de criação, durante a qual os seus territórios poéticos serão espaço de contaminação mútua. É daqui que nascerá o som, a voz, o gesto, a palavra, o grito.


João Grilo Piano, eletrónica e voz

Joana Castro Movimento e voz

Nuno Morão Bateria e voz

Ricardo Jacinto Violoncelo, eletrónica e voz

Susana Santos Silva Trompete, eletrónica e voz


Umbral (PT)

Umbral é um trabalho multidisciplinar que junta a música do guitarrista e compositor Nuno Trocado com os textos do dramaturgo Jorge Louraço Figueira e foi editado pelo Carimbo em 2022.

Com um grupo de cinco músicos e uma atriz, este disco será apresentado neste Festival no ambiente íntimo, soturno e dramático que o sub palco do teatro Rivoli proporciona.

De acordo com os autores:

“Se algum de nós pudesse abrir as asas e voar, de maneira semelhante às aves migratórias, e viesse chegando à mesma velocidade dos pássaros, que sons e sílabas iria reconhecendo, à medida que se aproximasse e ficasse cada vez mais perto das pessoas, dos bichos, das plantas e das coisas? As palavras dos pássaros e o canto dos poetas de Trás-os-Montes inspiraram este espetáculo de música e teatro a partir da recolha de vestígios arqueológicos e outros nem tanto.”


Catarina Lacerda Voz

João Pedro Brandão Flauta, saxofone alto

Nuno Trocado Guitarra elétrica, composição

Sérgio Tavares Contrabaixo

Acácio Salero Bateria

Pedro Pires Cabral Theremin, samples, gravações de campo

Jorge Louraço Figueira Texto


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 3

Gianni Narduzzi "Dharma Bums" (IT/PT)

O contrabaixista italiano Gianni Narduzzi, que residiu nos últimos anos na cidade do Porto, apresenta aqui o seu disco editado pelo Carimbo Porta-Jazz no ano de 2022.

Dharma Bums é um projeto musical que exprime o universo sonoro criado pelo contrabaixista e compositor e o nome é uma homenagem ao homónimo livro de Jack Kerouac que tem como temática central a viagem, física e interior, e a busca de um lugar.

O interrogativo e a procura do lugar ideal representam o “leitmotiv” das histórias musicais que os músicos contam.

A banda que Gianni Narduzzi juntou, em formato de quinteto, reúne, para além de Narduzzi, mais quatro músicos da nova cena jazzística do Porto, que aqui se movem entre elementos de música escrita e música improvisada dentro de um vasto campo de influências sonoras, assim como literárias e cinematográficas. Um projeto musical que se inspira no mundo literário e suas personagens, que aqui são transportadas para o mundo musical de Gianni Narduzzi. Um projeto que vive da composição e da improvisação, permitindo a este grupo de músicos descobrir o espaço musical para colocar a sua própria voz num plano individual e consequentemente coletivo.


Gianni Narduzzi Contrabaixo e composição

Hugo Caldeira Trombone

Afonso Silva Saxofone

Joaquim Festas Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria


Carlos Azevedo Quarteto "Serpente" (PT)

Serpente é o nome do disco que o pianista Carlos Azevedo editou no ano de 2022 pelo Carimbo Porta-Jazz e que aqui apresenta ao vivo neste 13º Festival Porta-Jazz.

Este mestre do piano e da composição e figura icónica do jazz portuense e nacional faz assim a sua estreia com a sua música em disco num formato quarteto. Com um currículo que transpõe fronteiras e um consistente reconhecimento nacional e internacional, Azevedo apresenta-se em formação reduzida ao invés das grandes e sinfónicas formações às quais a sua música tem sido dedicada.

Nesta “serpente” a quatro, Carlos Azevedo é acompanhado por Miguel Moreira, Miguel ngelo e Mário Costa, todos eles valores seguros do jazz nacional e além fronteiras e nomes recorrentes nas edições do Carimbo, também como autores.


Carlos Azevedo Piano e composição

Miguel Moreira Guitarra

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


Art'J & Jam Session Café Rivoli

23:30


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 2

Pedro Neves Trio "Hindrances" (PT)

Pedro Neves é um pianista e prolífico compositor do Porto que, com o seu trio, editou já quatro discos pelo Carimbo. Nesta 13ª edição do Festival Porta-Jazz, Pedro Neves apresenta o seu quarto trabalho, de seu nome Hindrances, que, para além de assinalar mais um passo na consolidação da carreira deste valioso músico, é também a primeira edição do Carimbo em formato vinil, a par do CD.

Com o habitual Miguel ngelo no contrabaixo e, pela primeira vez neste disco, com José Marrucho na bateria, Hindrances é um trabalho que explora novas estruturas composicionais e ambientes sonoros, aproveitando a riqueza tímbrica e profundidade rítmica do baterista José Marrucho aliadas à grande cumplicidade musical estabelecida com o contrabaixista Miguel ngelo ao longo de décadas de amizade e construção conjunta.

Nas palavras do autor, Hindrances são cinco obstáculos que impedem a paz de espírito e a clareza mental, sendo as oito peças que compõem o álbum o resultado da reflexão de Pedro Neves perante este conceito budista, a partir da visão imaginária de uma jornada até ao topo de uma montanha, onde o foco maior é a contemplação do momento presente enquanto decorre o percurso para a superação dessas barreiras.”


Pedro Neves Piano e Composição

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Wabjie (CH)

É com este trio de seu nome Wabjie, que os músicos Soraya Berent, Michel Wintsch e Samuel Jakubec dão o pontapé de saída no que diz respeito a parcerias internacionais neste 13º Festival Porta-Jazz.

A participação e o intercâmbio com a congénere suíça com base em Genebra, AMR, já não é de ontem, afirmando-se aqui, mais uma vez, com um interessante projeto a representar o melhor jazz suíço.

Wabjie é o nome dado àquelas ervas ou musgos que crescem entre as pedras da calçada, em rachaduras nas paredes e noutras lacunas indesejadas. Por vezes, em dias abertos, desabrocham em flores invisíveis que poucos conseguem ver, dando um aroma a uma ilha perdida.

Reunindo os improvisadores suíços Soraya Berent, Michel Wintsch e Samuel Jakubec e misturando vozes e sintetizadores assombrosos com piano acústico e bateria, Wabjie explode com riffs originais e sons orgânicos, cativando o ouvinte com reviravoltas inesperadas ao longo do caminho.


Soraya Berent Voz e eletrónica

Michel Wintsch Piano, teclados e eletrónica

Samuel Jakubec Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto


Os Membros Porta-Jazz terão desconto de 50% em todos os bilhetes, que estarão disponíveis no Espaço Porta-Jazz (segunda a quarta das 09:30 às 13:30) e nos locais dos concertos.

Os bilhetes para público geral podem ser adquiridos aqui.

imagem 13º Festival Porta-Jazz Bloco 1

É mais uma vez em formato de residência que se celebra e materializa, neste Festival, a parceria da Porta-Jazz com a sua congénere lisboeta Associação Robalo. Como uma declaração conjunta de interesses, estas duas associações aproximam e juntam os músicos neste desafio com o nome de Ensemble Porta-Jazz/Robalo.

O resultado será apresentado no novo espaço Porta-Jazz sob a forma de um concerto preparado por este ensemble de seis músicos.

O saxofonista Gil Silva, o contrabaixista Pedro Molina e o baterista Eduardo Dias são os músicos do seio da Porta-Jazz que juntamente com os enviados da Robalo, Nazaré da Silva na voz, Duarte Ventura no vibrafone e Bernardo Tinoco no saxofone, apresentam um concerto resultante da habitual residência. Um ensemble que já começa a acumular história neste Festival e que, este ano, não deixará os créditos por mãos alheias, repetindo certamente a frescura e a surpresa artística e musical alcançada nas edições anteriores. Música original com fortes raízes no jazz e na música improvisada feita e trabalhada para este festival por este talentoso e criativo grupo de músicos, figuras de proa da nova e vigente geração do jazz nacional.

Nazaré da Silva Voz

Bernardo Tinoco Saxofone

Gil Silva Saxofone

Duarte Ventura Vibrafone

Pedro Molina Contrabaixo

Eduardo Dias Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / Entrada Livre Membros (doação sugerida)

Membros
Foto abertura 13º Festival Porta-Jazz

Com o surgimento do novo espaço Porta-Jazz, a multidisciplinaridade artística ou o cruzamento entre diferentes artes ficou amplamente reforçado. Com um espaço para exposições e locais de trabalho, ensaio e concerto que podem funcionar em simultâneo, esta realidade torna-se possível e incontornável na nossa existência. Assim, porque não aproveitar a grande celebração que é este 13º Festival Porta-Jazz no Rivoli e dar o pontapé de saída com uma exposição de obras encomendadas aos músicos e compositores Susana Santos Silva, Nuno Trocado e Sofia Sá. Obras que permanecerão expostas na nossa galeria durante o resto do Festival e por tempo indeterminado e que simbolizam também mais um passo no cruzamento da música com diferentes formas de fazer arte. Esculturas sonoras, instalações sónicas interativas ou um trabalho de disco em estúdio que muito dificilmente se consegue replicar em palco dada a natureza da complexidade da gravação, mas que adquire aqui o formato de instalação sonora como no caso de Susana Santos Silva e o seu último trabalho “All the birds and a telefone ringing”.

Será então a partir de 2 de fevereiro pelas 21:00 e a par com o concerto de ante-estreia deste 13º Festival Porta- Jazz que as obras de Nuno Trocado, Sofia Sá e Susana Santos Silva ficarão expostas e disponíveis na galeria do novo Espaço Porta-Jazz.

Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / Entrada Livre Membros (doação sugerida)

Membros
Foto abertura 13º Festival Porta-Jazz

13º FESTIVAL PORTA-JAZZ

Um caldeirão de arte, música e humanismo.

O significado da expressão Melting Pot, na sua génese, descreve um fenómeno social, que abreviadamente se traduz nas diferenças étnicas de um determinado lugar e na forma como essas diferenças se dissipam, através da junção e interação entre uma diversificada população. Criando assim novos padrões de comportamento e novas realidades sociais e culturais. É também esta expressão usada muitas vezes para caracterizar universos mais restritos do que a população de um país ou de uma grande e cosmopolita cidade. Universos esses que podem ser pequenos como um quarteirão dessa mesma grande cidade, ou liliputianos como uma manifestação artística emergente desse pequeno quarteirão.

 

Se apontarmos o foco deste preâmbulo para a palavra quarteirão e substituirmos o inglesismo Melting Pot pela palavra caldeirão, eis-nos num importante ponto de chegada, que sobretudo importa pela diversidade e riqueza dos pontos de partida que proporciona.

Esse ponto de chegada é um Caldeirão e parte neste caso, de um quarteirão histórico da cidade do Porto para outro local histórico desta cidade. Celebrando assim o novo espaço Porta-Jazz na Praça da República e a nossa maior e mais impactante manifestação artística, o 13º Festival Porta-Jazz no Teatro Municipal do Porto, Rivoli.

Um 13º Festival Porta-Jazz que junta no caldeirão 70 artistas em 17 concertos e que mais uma vez acontece nos dias 3, 4 e 5 de fevereiro com a introdução este ano de uma sessão inaugural no dia 2 com um concerto e uma inauguração de uma exposição no novo espaço Porta-Jazz.

Um Festival que traduz toda esta dinâmica e que se alimenta no engenho, empenho e contribuição humana e artística de uma comunidade heterogénea quanto às gerações, correntes artísticas e origem dos elementos que nela se misturam.

Um caldeirão de arte, música e humanismo que tudo isto evoca durante estes primeiros dias de fevereiro.


Bilhetes Blocos Rivoli

Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

cartaz 13º Festival Porta-Jazz

O 13º Festival Porta-Jazz está aí mesmo à porta, e as expectativas são altas!

Mas, para os mais nervosinhos que não aguentam esperar, a Porta-Jazz juntamente com o Hotel Zero Box Lodge (parceiro do evento) organizaram a ZERO JAM - o Warmup para o festival!

Músicos, melómanos, aristogatos, apoiantes e curiosos, contamos com todos para uma noite incrível de partilha e de aquecimento para o 13º Festival Porta-Jazz, no Teatro Municipal do Porto - Rivoli.

Até já!

Zero Hotel

R. do Ateneu Comercial do Porto 13, 4000-380 Porto


Entrada Livre

imagem 13º Festival Porta-Jazz Warmp-up

Numa busca incessante e inexorável, Gonçalo e Quim exploram becos e gargalos de ruas e caminhos já descobertos e por descobrir, viajando sonoramente por entre passados e futuros tumultuosos, incertos e idílicos, alimentados pelo eterno dualismo de tudo o que é, foi e será, tendo como principal objetivo o encontro e reencontro com o eternamente furtivo agora.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Joaquim Festas Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O trio de Samuel Lercher propõe um repertório feito de múltiplas influências, desde a música de Thelonious Monk, à "chanson française" e destacando as composições originais onde se manifesta a formação clássica do pianista. Nas palavras de Nuno Catarino no jornal Público “à sua formação clássica, Lercher junta uma óptima fluência discursiva jazzistica”. André Rosinha no contrabaixo e Bruno Pedroso na bateria, músicos conceituados da cena nacional, formam a secção rítmica do trio.

Samuel Lercher já se apresentou em inúmeras salas e festivais (Casa da Música, Grande auditório do CCB, Teatro Aveirense, Festival de Jazz de Tanger, Sunside Paris, Le Petit Journal Montparnasse, Mines de Jazz, Théatrede Montbéliard, Dias da Música CCB, Jazzminde, Bragança Jazz, Estarrejazz, Outjazz, Hot Clube de Portugal, Assejazz Sevilha, Granadaesjazz, Mazagon Jazz, Vodafone Mexefest, Belem Art Fest, Concerto Antena 2) ao lado de músicos como Salvador Sobral, Géraldine Laurent, Christophe Marguet, Hamza Touré, Gonçalo Marques, Diogo Duque, Nelson Cascais, André Santos, Joel Silva, Daniel Neto, Luis Candeias, Lou Tavano, Vânia Fernandes, Beatriz Pessoa e muitos outros.

O seu primeiro disco « Épilogue » (Sintoma Records) foi destacado na Antena 1, Antena 2, Tsf, Rtp2, Público e jazz.pt. O segundo disco do Samuel Lercher Trio, “Ballade”, foi lançado no Hot Clube de Portugal em abril de 2022.

Samuel Lercher Piano

André Carvalho Contrabaixo

Bruno Pedroso Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Samuel Lercher

Joana Raquel (voz) e Hugo Ferreira (guitarra) juntam-se para explorar novas ideias e sonoridades juntando canções com improvisações.

Este duo, nascido em 2019, surgiu com o intuito de criar música nova, em conjunto, mas também de voltar a olhar para outras canções e tentar levá-las para novos lugares.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Joana Raquel Voz

Hugo Ferreira Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

K’uala é uma banda idealizada pelo guitarrista Rui Catarino, que apresenta o seu primeiro projeto “Songs from a shelf”. Através de um reportório de cançãos originais, visa exolorar várias texturas e ambientes que outrora foram penduradas na prateleira, para serem agora aprimoradas e partilhadas.

Composto por: Gil Silva no saxofone tenor, Rui Catarino na guitarra/composição, João Fragoso no contrabaixo e João Cardita na bateria, K’uala procura navegar no mundo da improvisação, imerso numa sonoridade da escrita primordial da canção.

Gil Silva Sax Tenor

Rui Catarino Guitarra e Composição

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto k'uala

“Quem sou? Quem és tu? Quem somos nós? Estas são algumas das questões que João Próspero (Contrabaixo) e Ricardo Alves (Guitarra) irão responder (ou tentar!) neste serão musical. Certo que não são questões de resposta difícil, ou até complexa, mas não deixam de ser questões que têm que ser respondidas para uma vida socialmente integrada. Como nos apresentaríamos ser saber quem somos? Como faríamos com os cartões desconto? Ou com a publicidade que todos os dias nos cumprimenta ao abrir o Instagram ou o e-mail ou até, para aqueles mais clássicos, a caixa do correio. Para responder a estas questões, João e Ricardo juntaram-se e prepararam, para todos vocês, um variado repertório de música original e improvisada que investiga os meandros da alma, deambulando pelos filamentos constituintes daquilo que é a matéria humana.

Se, dentro das várias canções, não forem capazes de se autodescobrirem, pelo menos fiquem pela comédia; porque vai ser muito engraçado.” - Sinopse escrita por um velho sábio

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Próspero Baixo eléctrico / Contrabaixo

Ricardo Alves Guitarra eléctrica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Apresentação do disco de estreia do guitarrista João Carreiro, "Pequenos desastres", recentemente editado pela Robalo music, e que conta com Gonçalo Marques, Albert Cirera, Demian Cabaud e João Pereira.

As composições são pequenas ideias que servem de ponto de partida para a improvisação conjunta, refletindo o percurso do músico, entre o jazz e a música improvisada.

João Carreiro Guitarra

Gonçalo Marques Trompete

Albert Cirera Saxofones

Demian Cabaud Contrabaixo

João Pereira Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto João Carreiro Quinteto

“Imaginação querida, o que sobretudo amo em ti é não perdoares.” Breton, André. Manifesto Surrealista. 1924

Estou em casa e um homem estranho vestido com gabardine e chapéu entra. Há algo de ansioso no seu olhar, na forma como torce a boca. Fala-me de coisas pretendendo restaurar a normalidade, mas o desconforto é agora uma parede que impede qualquer intenção de comunicar. A minha namorada revira os olhos. Digo-lhe que está na hora. Que tem de ir. Ele manifesta essa intenção. Levanta-se e sai da divisão. Só o alarme do telemóvel anuncia o seu esconderijo atrás da porta da casa de banho e às escuras. O seu suor mistura-se com as lágrimas. Este homem estranho é um grande amigo de infância envelhecido pela vida e pelo trabalho.

Sonhário é um arquivo de sonhos recolhidos de forma indiscriminada. Para esta segunda edição no Jazz à Mesa, será conduzido e narrado por André B. Silva e musicado em tempo real pelo próprio acompanhado por Sérgio Tavares no contrabaixo e FX.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


André B. Silva Guitarra

Sérgio Tavares Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Duarte Ventura e Hugo Ferreira são dois jovens músicos e amigos residentes em Lisboa e Porto.

Após a conclusão dos seus cursos superiores em música, na ESML e ESMAE juntaram-se em Setembro pela primeira vez em formato de residência artística com os incansáveis João Cardita na bateria e João Fragoso no contrabaixo comprometendo-se a fundar GODUA.

Este quarteto - composto por vibrafone, guitarra, bateria e contrabaixo - estará novamente reunido em janeiro para dar continuidade à jornada iniciada.

O objetivo é alcançar uma sonoridade própria e íntima através da qual se expressarão as histórias dos diversos elementos do grupo em forma de canções.

Duarte Ventura Vibrafone

Hugo Ferreira Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Godua

2022

Sofia Sá e João Fragoso juntam-se para tocar música improvisada.

Entre a Voz e o Contrabaixo, o acústico e o electrónico, o consonante e o dissonante, é onde se encontram.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Sofia Sá Voz

João Fragoso Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Filipe Dias (guitarra) e Antón Quintela (bateria) abordam um mundo de criação espontânea numa viagem sem destino definidos. inspirando-se em diferentes fontes na busca de novos ambientes musicais, esta dupla explora as potencialidades e possibilidades que surgem da combinação desta combinação de instrumentação e imaginários musicais.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Antón Quintela Bateria

Filipe Dias Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Asterales é uma ideia transdisciplinar sobre diferentes dimensões do mundo vegetal e modelos que dele podemos subtrair. Música de câmara improvisada, especulação sobre a linguagem das plantas, poéticas vegetais e as suas atmosferas, fluxos e derivas na direção da luz …underground.

Maria Alejandra Quintanilla Voz

Nuno Trocado Guitarra +fx

Renato Diz Piano

Sérgio Tavares Contrabaixo +fx


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Asterales

Explorando novas estéticas musicais, o internacionalmente aclamado trio Dell-Lillinger-Westergaard percorre a linha entre música contemporânea, experimental e avant-garde. Cada elemento do trio contribui em partes iguais para a composição, na performance e enquanto solistas. A música destaca-se pela sua complexidade arquitectural, intensidade energética e fisicalidade, quebrando com barreiras de género através de um processo imersivo e simultâneo entre análise e criação.

Este coletivo de compositores define-se enquanto representante da Neue Neue Musik, referenciando o modernismo heróico do serialismo, estruturalismo e música concreta.

Antes do concerto haverá uma masterclass dirigida por Christian Lillinger às 17:00. Inscrições através de producao.portajazz@gmail.com (10 Euros: geral / 5 Euros: Membros Porta-Jazz)

Christopher Dell vibraphone

Christian Lillinger Drums

Jonas Westergaard Bass


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Dell Lillinger Westergaard

Christian Lillinger é um baterista virtuoso, pioneiro numa nova aproximação ao ritmo e apesar de estar maioritariamente presente no contexto jazzístico, a sua abordagem transcende barreiras estilísticas.

Um dos músicos de maior renome na Europa vem de Berlim até ao Porto para uma masterclass e concerto em trio no Espaço Porta-Jazz. Baterista, compositor, produtor e fundador da editora PLAIST - dedicada em exclusivo à música contemporânea avant-garde, Lillinger tem trabalhado enquanto líder de inúmeros projetos, em colaboração com formações como a orquestra oficial de jazz juvenil da Alemanha - BuJazzO, e como investigador em improvisação. Até este ano participou na gravação de 110 álbuns, incluindo 23 em nome próprio.

A sua irreverência e inconformismo fazem desta masterclass uma que irão querer assistir.

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


10€ / 5€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Christian Lillinger

Este duo é fruto da conexão humana e musical entre João Mortágua e Pedro Vasconcelos, que remonta ao início do milénio. Entre Espinho e a ria de Aveiro, criaram laços de partilha e experimentação, que culminaram mais recentemente na partilha de gravações e palcos europeus, no contexto do sexteto AXES, bem como do mais recente Math Trio. Em Ágora, exploram as potencialidades do duo saxofone/bateria, garantindo uma viagem recheada de fulgor, vertigem e emoção. Apresentaram-se pela primeira vez no Hot Clube, em fevereiro de 2020, reinterpretando um álbum de John Coltrane.

Bem-vindos à Ágora do agora!

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Mortágua Saxofone

Pedro Vasconcelos Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Gods and Godesses é o novo projeto e o novo disco a apresentar em breve pelo Nuno Campos Quarteto.

Dos vários concertos realizados com o disco anterior (TaCatarinaTen) ficou a vontade de materializar musicalmente a viagem ao Egipto que este grupo fez.

Neste novo projeto o quarteto vai desfazer e relatar alguns desses mitos.

Música original, contrapontística, inspirada em mitos, deuses, compositores consagrados do séc XXI e a vida.

Nuno Campos Contrabaixo e Composição

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Coelho Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Nuno Campos Quarteto

João Cardita e Hugo Ferreira apresentam a sua coleção de canções e universos imaginários, nas possíveis. Já com vários anos de experiência próxima e intensa, Cardita e Ferreira consolidam o seu repertório a duo com vista num possível disco físico para breve

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Hugo Ferreira Guitarra

João Cardita Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Iago Fernández é um baterista que toca e compõe como se estivesse a escrever poesia. Não admira que o músico nascido na Galiza seja chamado de "poeta do tambor", especialmente porque, para além da sua premiada bateria, ele escreve poemas e pinta mundos visuais coloridos. Nesta manifestação artística, Fernández explora o seu eu interior e lida com a essência da sua psique. Um acto de equilíbrio entre o sol e o oceano, claro e escuro, igualmente audível nas composições do suíço por opção. O seu espectro vai do jazz ao Radiohead e da música clássica à música popular do Brasil e da Galiza, gravada em quatro álbuns com colaborações como Mark Turner, Yumi Ito e Xan Campos. A nova e quarta obra, "Luzada", será lançada a 25 de Novembro (2022) e, segundo Iago Fernández, tem dois belos significados: "luz emitida por um corpo, própria ou reflectida" e "a primeira luz do dia, quando o sol nasce".

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Xan Campos Rhodes/sintetizador

Miguel Meirinhos Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Iago Fernández Bateria e Composição


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Iago Fernández

A guitarra, o contrabaixo, a tabla, e a electrónica juntam-se em uma viagem que usa improvisação como ponto de partida para a sua narrativa.

O contrabaixista Pedro Molina e o guitarrista Marco Moura, músicos da nova geração de jazz nacional cruzam-se neste contexto de dueto explorando caminhos que cruzam o jazz, com a música hindustani, eletrónica e improvisação livre.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Marco Moura Guitarra

Pedro Molina Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Dancing With Don é um trio de jazz que improvisa canções. Lynn Cassiers, Manolo Cabras e João Lobo colaboram há cerca de 20 anos em várias constelações. Eles têm a sua própria linguagem improvisada única, esculpida e polida ao longo dos anos. De uma sessão em casa, gravada sem pretensões, surgiu o álbum, lançado em Outubro de 2022 pela Robalo, que será apresentado neste concerto.

Lynn Cassiers Voz e electrónica

Manolo Cabras Contrabaixo

João Lobo Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Dancing with Don

Ohad Talmor Back to the Land Trio centers its repertoire on newly discovered music from Ornette Coleman.

In 2008, Coleman invited Konitz to his loft/recording studio in Harlem to play some new music for the occasion. The group also featured Charlie Haden and Billy Higgins. The goal was to eventually record this repertoire but sadly, this never took place and all that is left from this incredible rehearsal session are 3 DAT tapes.

Ohad Talmor, who is one of the executor of the Konitz estate, found the tapes in Lee's apartment after his passing and transcribed the music, 3 hours in total. To his knowledge, and the few musicians who were at the sessions as witnesses, these are all brand new Ornette Coleman compositions written especially for this group. It is a unique window into the world of one of the most important composers in Jazz History.

The Trio's repertoire also features some lesser known originals from Dewey Redman, Ornette's alter-ego, who was one of Talmor original saxophone teacher back in the early 90's.

Ohad Talmor Tenor Saxophone

Chris Tordini Acoustic Bass

Eric McPherson Drums


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Ohad Talmor

A improvisação musical é uma atividade que junta a performance à criação em tempo real. É uma atividade fértil em interação, e uma fonte de riqueza criativa com um potencial colaborativo extraordinário.

E se acrescentarmos o público nesta criação? Qual seria o resultado, se quem vai a um concerto pudesse intervir de forma participativa, reagindo, dirigindo, cantando, e tocando de forma ativa? Que impacto terá na interação de quem está no palco, no próprio público, e na música?

Nesta ação de sensibilização à improvisação em formato concerto, o público será convidado a uma imersão ativa em improvisações musicais. Será um diálogo musical constante, entre público e performers, organizado e mediado pelo cantor e multi-instrumentista Luís Castro e com Pedro Neves no piano, Nuno Campos no contrabaixo e Ricardo Coelho na bateria.

Um concerto com direção artística do público e onde a plateia e o palco se transformarão num só espaço de criação musical.

Luís Castro Direção

Pedro Neves Piano

Nuno Campos Contrabaixo

Ricardo Coelho Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Imersão, improvisação

Esta música é um sistema. Respiratório.
É guelra de peixe. Os pulmões de um corpo.
É uma janela e faz corrente de ar, é cantar em casa.
Uma escama que nasce no corpo, na pele e se solta dele.
Pisar território desconhecido, não poluído. É chegar depois.
Atravessar a senda.

Joana Raquel Voz

Teresa Costa Flauta

Joaquim Festas Guitarra

Yudit Almeida Contrabaixo


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Senda

Gil e João são amigos que gostam de explorar conceitos, dinâmicas, texturas e improvisações. Com gostos musicais semelhantes e alguns mais distantes tentam em palco criar uma ponte que os una e que expresse o "eu" musical de cada um, vindo este a afirmar cada vez mais. Neste concerto vão ouvir algumas improvisações livres, originais e quem sabe standards.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Pedro Dias Trompete

Gil Silva Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

A origem do Todo e o Movimento que lhe é inerente.

Uma exploração sobre a especificidade de movimento, seja este físico, rítmico, harmónico ou tímbrico. Com a Voz e o Corpo como pilares da sua acção, este ensemble, sem a secção rítmica tradicional do jazz, apresenta-se como "uma Drum-machine do futuro, feita de sonhos".

De acordo com os habituais trâmites e fio condutor que envolvem a parceria da Porta-Jazz com o Guimarães Jazz, mais concretamente a criação de um projeto de natureza multidisciplinar que se traduza na colaboração artística entre músicos e outro artista de outra área criativa, o projeto para o ano de 2022 não poderia deixar de cumprir e celebrar esta premissa de já longa data tão bem representada e concretizada até agora.

O guitarrista Mané Fernandes é o músico autor da proposta para este ano e juntamente com o pianista João Grilo mais um conjunto de três vozes femininas representadas por Vera Morais, Sofia Sá e Mariana Dionísio, apresentarão nesta edição do Guimarães Jazz este trabalho musical que se cruza com a área da dança através do convite à performer norte-americana Brittanie Brown.

Alicerçados na extensa e diversificada paleta sonora que a guitarra, o piano, as electrónicas e as três vozes possibilitam, este projeto concretiza-se através da improvisação, micro-composições, harmonias estendidas ou o uso da voz na sua riqueza tímbrica e percussiva, oferecendo assim terreno fértil para a dança criativa. Na música de Mané Fernandes há uma exploração do mundo infinito do micro-ritmo, do groove e do ritmo-alternativo e nesta interação música/dança estes universos ritmicos são também explorados e expressados através de um corpo dançante, oferecendo assim ao público um maior acesso e tradução do seu conteúdo.

Um projeto de música e dança em tempo real e que nas palavras de Mané Fernandes se apresenta como “uma banda que não tem secção rítmica mas que soa a uma Drum-Machine do futuro feita de sonhos”.

Mané Fernandes Composição, guitarra eléctrica customizada, electrónica e voz

Mariana Dionísio Voz

Sofia Sá Voz

Vera Morais Voz

João Grilo Piano, electrónica, voz

Brittanie Brown Dança e coreografia


Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães

Av. Conde de Margaride 175, 4810-535 Guimarães

foto matriz_motriz

Fuzzo é uma nova proposta para músicos que se sentem confortáveis no fio da navalha. Este grupo reúne três estrelas do jazz galego: Virxilio da Silva na guitarra, Xan Campos nos sintetizadores e Chus Pazos na bateria.

Definem-se como uma banda de improvisação livre e cumulativa, tornando os seus concertos numa verdadeira experiência de êxtase selvagem e criativo.

De tudo o que estes músicos fazem pode dizer-se que são especialmente habilidosos a desconstruir desenhos e ideias musicais, com uma estética próxima do rock psicadélico e da música eletrónica sem abandonar a improvisação como canal fundamental de expressão plástica e musical.

Virxílio da Silva Guitarra

Xan Campos Sintetizadores

Chus Pazos Bateria


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Fuzzo

Dois jovens músicos da cena artística portuense juntam-se, nesta viagem a duo, para explorar a improvisação como ponte entre o acústico e o eletrônico.

Através das inclinações de ambos para a criação de música conceptual, Afonso e João visam criar uma paisagem sonora que sirva de ligação entre a Terra, onde se encontram, e o Cosmos, onde pretendem chegar.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Afonso Silva Ewi e electrónica

João Alves Bateria e electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

THEMANUS, projeto criado à responsabilidade de Afonso Silva, vê agora essa responsabilidade repartida pelos 3 membros do grupo. Isto porque, sem esta repartição democrática, a proposta musical seria comprometida.

Partindo de uma instrumentação que, a priori, é peculiar - bateria, guitarra e saxofone - mas que não é assim tão incomum, o trio explora ideias composicionais que vão desde a música escrita à totalmente improvisada e é neste processo preliminar que o arrojo composicional e instrumental se expandem: a bateria aumenta o número de tarolas, pratos e acessórios; a guitarra o número de pedais, o saxofone é agora colega de estante de sintetizadores analógicos e de um EWI. Este expandir dos instrumentos é crucial dada a polivalência necessária para cumprir a música e o número limitado de instrumentistas.

Assentes no ecletismo que o jazz sempre lhes proporcionou, THEMANUS percorre estéticas como drum 'n' bass, ambient, boom bap, a fim de saciarem as suas necessidades musicais e, paralela ou paradoxalmente, as esfaimar.

Eduardo Dias Bateria

Ricardo Alves Guitarra

Afonso Silva Saxofone


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto THEMANUS

josué e sús | do ⴰⵣⵓⵍ não se sabia o nome

Bebendo do azul a verdade,

levamos da cor de um céu limpo

a serena imensidão da sua existência.

Num momento exploratório e de improvisação livre, é mote a ideia de azul e suas pluralidades.

Da calma à tristeza, da monotonia à harmonia, a última cor a ser nominada por distintas civilizações abarca em si caminhos opostos que acabam por se encontrar.

ⴰⵣⵓⵍ (/æzul/), em Tamazigh, saúda os encontros e significa “ao lado do coração”.

Navegamos distintas atmosferas, através de instrumentos acústicos e electrónicos.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


josué Voz, sacofone, guitarra, teclado

sús Voz, electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Músicos Participantes

André B. Silva
AP
Carlos Azevedo
Diogo Silva
Eduardo Cardinho
Eduardo Dias
Eurico Costa
Gil Silva
Hugo Ferreira
Joana Raquel
João Alves
João Cardita
João Pedro Brandão
João Pedro Dias
Luís Castro
Marco Coelho
Nuno Trocado
Pedro Molina
Rafael Gomes
Renato Dias
Ricardo Moreira
Zé Stark

A celebração prossegue na sala de concertos a partir das 19:00 e em vez de escolhermos um grupo específico para fazer as honras de abertura, resgatamos o conceito dos saudosos “Blind Dates” mas em formato “extra large”. Assim, à semelhança do que acontecia nos Maus Hábitos em que todas as semanas eram sorteados dois músicos para se apresentarem em duo, vamos desta vez ter presentes um grande número de músicos aqui da praça e o sorteio irá acontecendo “in Loco” abrindo assim a possibilidade de junções inéditas e inesperadas nesta festa da música e da arte que aqui promovemos. Não faltarão uns aperitivos para os convidados e se nem isto vos aguça o apetite, fiquem a saber que também dispomos de um agradável espaço ao ar livre com capacidade para operarmos também a céu aberto, ficando desde já essa possibilidade, em aberto.


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Cartaz Novembro Espaço Porta-Jazz

Estamos a ficar sem tempo. Sem tempo para ter tempo. Suspensos pelas rotinas irrequietas e frenéticas que norteiam o quotidiano. São elas que decidem, pelo próprio pé, as sequelas das estórias que hoje sentimos na pele. E assim continuamos, marcados e mudos pelo contacto com um passado que não nos fala, mas sussurra: na vulnerabilidade de cada gesto, no desassossego do pensamento, no peso do hábito. Pequenas fendas que projetam, de forma caótica, modos de sentir desconexos, remetentes para a fragilidade de outras realidades.

“Depressa vai o tempo que depressa vem” deixa-nos cair na tentação de descobrir, uma e outra vez, novas formas de habitar vislumbres deste imaginário comum. Vagueamos pelos ecos de excertos subterrados, resgatados por André Araújo. Sentimos, de forma consciente, a textura melancólica da banalidade do olhar de Sally Santiago. Encontramos pertença nas camadas de desconcerto de Nuno Sousa. E pode ser que, ao nos perdermos nestes trechos do caos, consigamos distinguir algumas das ilusões que nos acompanham e compõem a desfragmentação deste universo regido pela exploração material da imagem e do som.

(Texto de Diana Mordido Aires)

Inauguração da exposição "Depressa vai o tempo que depressa vem" no próximo dia 29 de outubro às 18h00, a qual terá lugar na abertura do novo Espaço Porta-Jazz. Esta exposição apresenta trabalhos de André Araújo, Nuno Sousa e Sally Santiago, finalistas do Mestrado em Criação Artística Contemporânea e assinala o início da colaboração entre a Associação Porta-Jazz e a Área de Estudos de Arte do Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro.

A exposição que estará patente no Espaço Porta-Jazz entre o dia 29 de outubro e o dia 31 de dezembro.


Espaço Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto

Cartaz Exposição Depressa vai o tempo que depressa vem

O vibrafonista Eduardo Cardinho e o guitarrista Mané Fernandes são dois músicos da nova geração do jazz nacional ja com créditos firmados no circuito internacional.

Juntam-se aqui em duo para com o seu virtuosismo e apurada sensibilidade musical, conduzirem com os seus instrumentos e eletrónica esta viagem musical assente no repertório original, no experimentalismo e na improvisação.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Eduardo Cardinho Vibrafone e eletrónica

Mané Fernandes Guitarra e electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O guitarrista e compositor Ap é já um valor seguro e estabelecido no meio do jazz nacional. Com música escrita e gravada para formações grandes como no caso do Coreto Porta-Jazz e o seu álbum Mergulho, ou incursões por formações mais pequenas como o seu “Incerteza do trio certo” ou o álbum em quarteto “Lento”, também editado pelo Carimbo Porta-jazz.

Ap apresenta aqui o seu novo trabalho com um novo quarteto. O disco “Nu” é uma experiência musical que entre outras coisas explora a simplicidade melódica,o rigor formal ou ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade.

A música de Ap apresenta-se aqui, como o nome do álbum sugere, despida de acessórios ou artefatos, mas plena do mesmo contéudo e profundidade que distingue as obras musicais mais esclarecidas, maduras e consistentes.

“Nu” é o trabalho de um músico e compositor cada vez mais fiel à sua verdade musical. É o trabalho de um quarteto que se mostra atento a novas tendências e correntes mas que nunca abandona a sua essência. É composição, improvisação e execução musical imbuída da proficiência natural de quem sabe o que está a fazer.

AP Guitarra, Efeitos e Composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo Eléctrico e Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Entrada: 10eur


El Cercano

Rúa Cardenal Quevedo, 20, 32004 Ourense, Espanha

foto AP Quarteto

Foto: João Saramago

O pianista e compositor Pedro Neves apresenta o novo projeto do seu trio, Hindrances, o quarto álbum editado com Carimbo Porta-Jazz.

Depois de Ausente (2013), 05:21 (2016) e Murmuration (2019) este trabalho explora novas estruturas composicionais e ambientes sonoros aproveitando a riqueza tímbrica e profundidade rítmica do baterista José Marrucho aliadas à grande cumplicidade musical estabelecida com o contrabaixista Miguel Ângelo ao longo de décadas de amizade e construção conjunta.

Hindrances são cinco obstáculos que impedem a paz de espírito e a clareza mental, sendo as oito peças que compõe o álbum o resultado da reflexão de Pedro Neves perante este conceito budista, a partir da visão imaginária de uma jornada até ao topo de uma montanha, onde o foco maior é a contemplação do momento presente enquanto decorre o percurso para a superação dessas barreiras.

Este disco vem cimentar a identidade musical criada por Pedro Neves reconhecida como "...alguma da mais bela e delicada música jazz feita em Portugal. ", (por Nuno Catarino in bodyspace.net).

Trata-se da 90ª edição do Carimbo Porta-Jazz, nos habituais formatos (digital e CD), e é a estreia de lançamentos do projeto editorial da Associação Porta-Jazz em disco de vinil.

Pedro Neves Piano, Composição

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Pedro Neves - Hidrances

Uma guitarra e três saxofones mais uma pedaleira de orgão são as ferramentas a serem usadas por este quarteto de veteranos do jazz e da música improvisada. O mote é o experimentalismo e a improvisação livre e embora a artilharia a apresentar seja de certa forma pesada, espera-se elegância e leveza nesta viagem conduzida por estes 4 vultos deste cenário musical que nos rodeia.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


AP Guitarra elétrica e eletrónica

João Pedro Brandão Saxofone alto, flauta e pedaleira de orgão

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui Teixeira Saxofone Barítono e Clarinete Baixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Três músicos da mais atual e atraente oferta jazzística Nova Iorquina, cada um deles com um “palmarés” mais admirável que o outro, apresentam composições originais na sala da Porta-Jazz no dia 9 de Outubro, às 19h.

Inovador e exploratório é como O’Gallagher se destaca como saxofonista e compositor, tendo tocado com músicos como Joe Henderson, Maria Schneider, Kenny Wheeler, entre outros.

Kamaguchi, desde o Japão a Boston, NY, Barcelona, com diversas tours pelos EUA, Europa e Escandinávia, descreve brevemente o seu percurso pelo mundo, resultando numa rara versatilidade pelas suas múltiplas influencias e traduzindo-se num estilo muito intuitivo e particular. Tocou com músicos como Paul Motian, Toots Thielmans, Dave Douglas, entre muitos outros.

Garcia também se destaca como um dos melhores bateristas e compositores do panorama do jazz de NY, tendo várias obras como líder ou sideman com músicos como Joe Lovano, Sheila Jordan, Dave Liebman, Wynton Marsalis, Diana Krall, entre muitos outros, incluindo discos premiados nos Grammy Awards.

John O'Gallagher Saxofone

Masa Kamaguchi Contrabaixo

Rob Garcia Bateria


Sala Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Xan Campos Trio

Para além de ser um músico e compositor de excelência, O’Gallagher demonstra também ter competências muito peculiares no contexto da pedagogia e do ensino. O seu percurso fala por si, até pelos mentores com quem estudou no Berklee College of Music de Boston, excelentes músicos e pedagogos como Joe Viola, Jerry Bergonzi e George Garzone. Recentemente editou um livro que intitulou de “Twelve-Tone Improvisation - A Method for Using Tone Rows in Jazz”, em que explora e relaciona métodos de composição e exercícios de improvisação.

Entrada Livre

Inscrições producao.portajazz@gmail.com


Sala Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto

Foto John O'Gallagher

Xan Campos lidera há mais de 15 anos o seu projecto mais pessoal, Xan Campos Trio. Trata-se de uma proposta de jazz contemporâneo em contínua ebulição, considerada difícil de etiquetar, e que tem vindo a compartilhar com Horacio García no contrabaixo e Iago Fernández na bateria.

REALISMO é o terceiro disco da banda, depois de ORIXE CERO e ECTROPÍA, ambos elogiados pela crítica e pelo público, destacando a sua originalidade e um estilo próprio para além deste género musical. Com este novo disco, consolidam-se como uma das bandas mais estáveis na vanguarda do novo jazz deste século.

Xan Campos Piano

Horacio Garcia Contrabaixo

Iago Fernandez Bateria


Sala Porta-Jazz

Praça da República 156, 4000-291 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
Foto Xan Campos Trio

Foto: Rocio Cibes

Os consagrados guitarrista Eurico Costa e o pianista João Grilo munidos dos seus instrumentos mais eletrónica e efeitos exploram aqui em duo as suas afinidades musicais numa autêntica viagem pelos terrenos do jazz, experimentalismo e improvisação livre.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Eurico Costa Guitarra elétrica/efeitos/eletrónica

João Grilo Teclados/electrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Movidos pelo gosto da improvisação livre e o experimentalismo, o saxofonista Pedro Matos e o pianista Ricardo Moreira apresentam-se aqui em duo para porem em dia as suas conversas e demandas musicais num diálogo musical a dois a não perder.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Pedro Matos Saxofone Tenor

Ricardo Moreira Teclados


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O saxofonista Zé Pedro Coelho e o baterista Marcos Cavaleiro são dois nomes de peso do jazz nacional. Companheiros de outras aventuras que incluem a Orquestra Jazz de Matosinhos ou os seus projetos pessoais, juntam-se aqui em duo com uma proposta musical onde exploram a improvisação e o experimentalismo, sempre assentes numa tradição jassíztica e na sua vasta experiência adquirida ao longo de já uns largos anos em palco.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Marcos Cavaleiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Filipe Teixeira é um exímio contrabaixista portuense que tem emprestado o seu talento a projectos singulares como Espécie de Trio, Baba Mongol ou Low Budget Research Kitchen e acompanhado formações lideradas por nomes como Diogo Vida e Renato Dias e Luís Lapa.

Em 2015, estreou este trio com a gravação de “Páginas”, o seu primeiro disco de originais, onde não só se destaca a sua escrita, como a fluência da formação.

“Tao”, um vocábulo chinês usualmente traduzido como “a Via” ou “o Caminho” e que, segundo o pensamento taoísta, represente a unidade indiferenciada da multiplicidade de tudo o que existe, bem como o contínuo processo de transformações que nela ocorrem, é o título do segundo álbum do trio, que lidera, e a derradeira edição do Carimbo Porta-Jazz, em 2019.

Um disco em que o processo de escrita e interpretação foram pensados de forma a reflectirem a dinâmica espontânea das “dez mil coisas” que existem nessa multiplicidade una.

Aqui se manifestam o Yin, Hugo Ciríaco no saxofone tenor ; o Yang, Acácio Salero na bateria e o S do Filipe Teixeira no contrabaixo.

Filipe Teixeira Contrabaixo e Composição

Acácio Salero Bateria

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Filipe Teixeira Trio

A música improvisada é explorada neste concerto de estreia do Ensemble JAL, onde o cantor e multi-instrumentista Luís Castro assume a composição e direção. Após uma primeira parte, exclusivamente dedicada à improvisação musical coletiva, haverá lugar à coordenação da música improvisada com a projeção do filme “The Boat” de Buster Keaton e Edward Cline.

O trabalho aqui exposto resulta de um workshop promovido pelo Festival Jazz ao Largo, em parceria com a Associação Porta Jazz. Este espetáculo conta também com a participação de elementos da Big Band da Banda Musical de Oliveira e com a curadoria cinematográfica da ZOOM - Associação Cultural.

Entrada Livre


Mais Info Jazz ao Largo

Theatro Gil Vicente

Largo Dr. Martins Lima 24-22, 4750-251 Barcelos

foto Ensemble JAL

Gil Silva e João Fragoso são dois músicos da nova geração do meio jazzístico portuense e nacional partilhando interesses, tendências e estéticas musicais. Gil Silva no saxofone tenor e João Fragoso no contrabaixo exploram aqui a sua música original e a improvisação livre.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Gil Silva Saxofone Tenor

João Fragoso Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O duo Vera Morais / Hristo Goleminov editam o seu disco de estreia “ Consider the Plums” no Carimbo Porta-Jazz e é na Feira do Livro que acontece este lançamento.

O tempo que Vera Morais (voz) e Hristo Goleminov, saxofone tenor) partilham enquanto duo é habitualmente passado em processos de desconstrução e justaposição de sons e de palavras  criando espaço para a coabitação da improvisação com a poesia. Uma seleção de poemas de William Carlos Williams serve como ponto de partida para música de natureza elástica e translúcida e que deambula sobre os limites entre composição e improvisação e entre a voz e o saxofone.

Vera Morais Voz

Hristo Goleminov Saxofone Tenor


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Vera Morais & Hristo Goleminov

Após ter sido apresentado em estreia no 11º Festival Porta-Jazz, este noneto, resultado de uma residência coordenada e liderada pela dupla Gianni Narduzzi e Josué Santos, dão assim vida a este “Vazio e o Octaedro” sob a forma de mais um disco Carimbo Porta-Jazz com lançamento nesta Feira do Livro.

Nas palavras dos autores:

O universo de Vazio e o Octaedro nasce num momento em que o silêncio ocupa todos os espaços que outrora eram ocupados por pessoas e ideias. Numa tentativa de colmatar estas ausências, Gianni e Josué decidem começar a construir algo juntos, sólido e equilibrado, a partir de pontas opostas, mas seguindo o mesmo ritmo e a mesma direção. É nesta linha de pensamento que decidem juntar a um quarteto de jazz que carece de instrumento harmónico um quarteto de cordas que lhe confere esse suporte e verticalidade. Completadas todas as faces, vértices e arestas e preenchidos todos os espaços anteriormente desocupados, passam a sentir falta do silêncio. Assim, decidem recuperá-lo e imediatamente se apercebem de que, tanto o vazio como o octaedro só fazem sentido quando, não só coexistem, mas também cooperam.

Josué Santos Saxofone Tenor, Voz, Composição

Afonso Silva Saxofone Alto

Hristo Goleminov Saxofone Soprano, Tenor, Flauta

Gianni Narduzzi Contrabaixo, Composição

João Cardita Bateria

Beatriz Rola Violino

Alice Abreu Violino

Sara Farinha Viola

Ana Conceição Violoncelo


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto O Vazio e o Octaedro

Foto: Mínima

Quando dois contrabaixos se juntam, é porque mesmo que o assunto não seja grave, o resultado será com toda a certeza, grave. João Paulo Rosado e Filipe Teixeira são já dois veteranos deste “Mobiliário” com quatro cordas. Assim, munidos dos seus contrabaixos e arcos juntam-se neste formato para improvisar e assim construir um efémero universo musical que com toda a certeza não ruirá por falta de alicerces. Dois mestres deste instrumento prontos para derrubar barreiras e preconceitos de tessitura.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Paulo Rosado Contrabaixo

Filipe Teixeira Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Catarse civil nasce do convite literário lançado por Sara Santos Ribeiro a Sofia Teixeira. Um exercício neo-surreal de materializar  "os sonhos da humanidade que dorme".

Neste projeto, um colectivo de jovens compositores e interpretes dedica-se a explorar possibilidades entre a música e as palavras- Espaço de resoluções ou tentativa surreal de alcança-las. Catarse civil – imaginemos que a humanidade é uma pessoa que dorme. Imaginemos que nos seus sonhos os movimentos sociais dançam numa libertação explicita das suas vontades. Imaginemos que colocamos isso em palco, acessível aos olhos de todos.

Os interpretes e compositores, Miguel Meirinhos, André Ramalhais, Tiago Batista, Catarina Ribeiro, Catarina Rodrigues, Sara Santos Ribeiro, Pedro Matos, José Stark, Joana Raquel, Sofia Sá e Pedro Jerónimo,  foram posteriormente convidados para a concretização do que foram chamados de: sonhos de I a X, desafiados para uma escrita programática, livre e reativa. A obra incluí a participação dos atores/diseurs Gisela Ribeiro, Rui Spranger e Joana Carvalho, dos maestros Jan Wiezba e Paulo Filipe de Carvalho  e incorpora ainda textos de Hugo Santos e Jorge Santos Ribeiro.

Joana Raquel Voz

Sofia Sá Voz

Pedro Matos Sax Tenor

Pedro Jerónimo Trompete

André Ramalhais Trombone

Tiago Baptista Vibrafone

Catarina Rodrigues Teclas, Sintetizador e Voz

Miguel Meirinhos Piano

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo

Zé Stark Bateria

Rui Spranger Diseur

Jan Wierzba & Paulo Filipe Direção


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Projecto do Acaso

Foto: Adriana Melo

Entre a canção, a improvisação e a electrónica, Joana Raquel e Daniel Sousa convergem as suas influências através de abordagens mais experimentais, numa formação que quer criar um espaço não-convencional, performativo e intimo.

Germinado numa das portas 293 da cidade Porto, nos últimos dois anos o duo tem desenvolvido colaborações, sublinhando-se a participação no ciclo FLUIR Som, curadoria da Robalo em parceria com o MAAT, e o lançamento do primeiro disco “Membrana” (pela editora Porta-Jazz) em julho, 2022.

Dividido em duas partes, “Membrana” introduz dois universos enlaçados nas suas diferenças. Pele, assente na canção e no som acústico, onde o espaço solto, estimula a espontaneidade da interpretação - conta com a participação do duo LUMP (João Almeida e Mariana Dionísio); Espinho que se desenha sobre field- recordings da cidade do Porto e discursos fragmentados, num formato mais experimental.

“Membrana” apresenta uma visão sobre o quotidiano. Retrata a delicadeza da ação, da memória e da antecipação. Olha de várias perspectivas e abraça o tempo não-cronológico. Contaminação.

A membrana quer-(se) romper.

Joana Raquel Voz

Daniel Sousa Saxofone alto e electrónica


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto 293 Diagonal

É já dia 23 de Julho que acontece a apresentação do trabalho realizado com o cantor e formador Luís Castro e músicos da população local da Freguesia de Parada de Todeia em Paredes. Integrado no Jazz Festival Paredes Jazz e Blues festival, este concerto, fruto de uma parceria da Associação Porta-Jazz e a Junta de Freguesia de Parada de Todeia e com o apoio da Câmara Municipal de Paredes através do Pelouro da cultura, é o culminar de todo o trabalho feito durante 5 sessões com músicos locais. É uma viagem musical onde a improvisação servirá como fio condutor de um concerto onde o cancioneiro de Paredes marcará presença através do uso, em simultâneo com os músicos em tempo real, das gravações do projeto "A Culturinha sai à rua...para ouvir a Tradição.

Informações

Junta de Freguesia de Parada de Tondeia

255 137 918

juntafreguesiaparada@sapo.pt


Parada de Tondeia, Paredes

cartaz apreesentação workshop

Copal é o disco de estreia de Eurico Costa Trio e o octogésimo lançamento do Carimbo Porta-Jazz.

Eles são Eurico Costa na Guitarra Elétrica e composições , Demian Cabaud no contrabaixo e Marcos Cavaleiro na Bateria.

Nas palavras do autor:

O trio é um lugar, um espaço onde, embora acompanhado, nunca se sufoca.

   

Tão longe dos constrangimentos da multidão como do isolamento da individualidade, esta é uma formação que abre portas a dimensões próprias, sempre em busca de um equilíbrio de forças, a pedir a generosidade de cada parte para a construção de um todo mais uno. Isso leva a que o presente se torne no único assunto possível, e o processo de composição num exercício de contenção e fé.

  

Desse paradigma surge este repertório, por vezes numa alusão a imaginários mais pop ou à procura das matizes do jazz, outras só a contemplar um tempo repleto de som. Nele procura-se evocar episódios, pessoas e lugares de um universo que se quer preservar irreal e idílico, néctar de sonhos. São os fios que tecem pedaços de vidas. As nossas.

Eurico Costa Guitarra e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Copal

Tal como as sombras não existem sem a luz também a vida só se completa aceitando as imperfeições nela e em nós existentes.

Seguindo a premissa, presente desde a primeira edição da parceria que a Porta-Jazz mantém com o Guimarães Jazz, de criar um projecto de natureza multidisciplinar, através da colaboração artística entre músicos e um artista de uma outra área criativa, Hugo Raro convidou o artista plástico JAS para juntamente com Rui Teixeira no clarinete baixo, Miguel Amaral na guitarra portuguesa e Alex Lázaro na bateria e percussões, criarem um concerto desenhado.

São conversas entre música e sombras desenhadas tendo como motivo a imperfeição e a beleza que essa imperfeição pode conter, e aceitando as suas sombras como parte integrante da realidade para que ambas se tornem, tranquilamente, companheiras inevitáveis da consciência.

No seu formato original, o artista plástico Jas desenha em tempo real e em palco com os músicos numa sinergia entre imagem e música escrita e improvisada. Este projeto apresenta-se desta vez sem a componente visual num formato adaptado ao espaço e ao contexto, proporcionando assim uma revisitação e uma outra abordagem ao material musical de “Sombras da Imperfeição”.

No palco estarão Hugo Raro no Piano e composição, Rui Teixeira no Clarinete Baixo, Miguel Amaral na Guitarra Portuguesa e Miguel Sampaio na bateria e percussões.

Hugo Raro Piano e Composições

Rui Teixeira Clarinete baixo

Miguel Amaral Guitarra portuguesa

Miguel Sampaio Bateria


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Sombras da Imperfeição

Foto: Adriana Melo

O trompetista João Pedro Dias e o baterista Zé stark embarcam em duo nesta habitual viagem musical das terças-feiras de Jazz à mesa. Ao abrigo das suas múltiplas inpirações, motivações, rigor musical e conceptual, estes dois jovens músicos da cena jazzística portuense atiram-se aqui de cabeça tronco e membros, ao universo da improvisação e do experimentalismo sónico. Segundo as palavras do próprio João Pedro Dias “...música improvisada, é esse o deal entre mim e o Stark.”

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Pedro Dias Trompete

Zé Stark Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O guitarrista e compositor Portuense radicado em Londres está de volta ao Porto para apresentar o seu último disco “Jung”.

É um álbum inteiramente inspirado pelo trabalho do psicólogo Carl Jung cuja música convida o ouvinte a uma viajem imersiva passando por caminhos ambíguos e sombrios que eventualmente explodem em momentos épicos e luminosos.

Vitor explora uma série de influências e mecanismos variados oriundos da musica clássica, minimal ou do rock progressivo. O resultado é uma musica icônica e orgânica onde estruturas rígidas e contrapontísticas se fundem com momentos abertos de improvisação coletiva.

O seu quinteto Português vai contar alguns dos músicos mais excitantes e proeminentes da cena jazzística nacional.

João Mortágua Sax Alto

Bernardo Tinoco Sax Tenor

Nuno Campos Contrabaixo

Ricardo Coelho Bateria

Vitor Pereira Guitarra


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

Foto Vitor Pereira

A parceria Porta-Jazz/Guimarães Jazz tem como premissa cruzar a música com diferentes áreas artísticas. No ano de 2021 esse projeto é liderado pela mutifacetada cantora Inês Malheiro que junta a sua voz e electrónica ao trompetista João Almeida, ao saxofone e electrónica de Daniel Sousa, ao guitarrrista José Vale e ao baterista Vicente Mateus. Inês Malheiro reune este grupo de músicos, em interação com a escultura e a cenografia da artista plástica Carolina Fangueiro numa performance/concerto que é, de acordo com as palavras dos seus criadores, “a ligação do espaço sonoro com o espaço cénico”, numa tentativa de expandir o impacto sensorial da música para o domínio da visualidade, iluminando assim a presença primordial que antecede o som.

Inês Malheiro Voz e Electrónica

João Almeida Trompete e Electrónica

Daniel Sousa Saxofone e Electrónica

José Vale Guitarra e Electrónica

Vicente Mateus Bateria e Electrónica

Carolina Fangueiro Escultura, Cenografia


Capa disco Ines Malheiro - Liquify, Spread and Float

“O Jazz à Mesa de 12 julho estará à responsabilidade da pianista Clara Lacerda e João Próspero, contrabaixista que vai sair à noite de propósito para o efeito. Com um historial considerável de colaboração nos últimos tempos, principalmente a trio, este belo par de músicos desafia-se a colocar em evidência a sua linguagem comum, mas apontando também como objetivo a viagem por novos territórios, num concerto em que será imperial a improvisação e a espontaneidade" Belas palavras do João Ribeiro

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Clara Lacerda Piano

João Próspero Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Pedro Molina, contrabaixista espanhol, vive atualmente na cidade do Porto (Portugal) onde se licenciou em contrabaixo jazz na ESMAE (Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo). Durante a sua estadia em Portugal participou em vários projetos musicais como sideman. Atualmente, lidera o seu próprio projecto de música original onde explora não só a sua faceta interpretativa, mas também os caminhos da sua própria música.

Para além do Pedro Molina, o projeto integra outros três elementos, Filipe Dias na guitarra, Miguel Meirinhos no piano e Gonçalo Ribeiro na bateria. A amizade, cumplicidade e excelência interpretativa de cada um são os pilares deste projeto.

Todos têm liberdade interpretativa na melodia, na harmonia, no seu papel. Por isso, sem perder a sua identidade, estes músicos enfrentam a difícil tarefa de respeitar uma estética e a ideia original do projecto.

Para isso, apesar das composições pertencerem a um elemento, todos contribuem com a sua generosidade e dedicação para uma performance única.

Miguel Meirinhos Piano

Filipe Dias Guitarra

Gonçalo Ribeiro Bateria

Pedro Molina Contrabaixo e composições


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

Foto Pedro Molina

Foto: Adriana Melo (Mínima)

A cantora Ana Luisa Marques e o baterista Antón Quintela são dois músicos pertencentes à nova geração do jazz portuense. Com um percurso musical que extravasa e se completa noutras áreas e estilos musicais, juntam-se no formato duo para explorarem a sua música numa experiência sem barreiras, onde o experimentalismo e a improvisação são condição à partida. Uma voz e uma bateria que sem aumentar de número, se apresentam como suficientes para transcrever o som da humanidade, ou não se considerassem esses mesmo, os instrumentos primordiais.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Ana Luisa Marques Voz

Antón Quintela Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Este grupo nasceu em meados de 2020, em plena pandemia.

Quando a mobilidade era limitada e a música ao vivo era praticamente proibida, o Romeu e o João pegaram num carro e foram até Vilanova y la Geltrú, onde viveram durante dois meses com o Bill McHenry.

O convívio e as sessões musicais diárias (num volume controlado para não incomodar os vizinhos), deram forma ao som desta banda, que procura explorar a acústica, a improvisação e a concentração colectiva para trazer o melhor da música aos seus ouvintes.


Masterclass com Bill McHenry às 17:00

Inscrições: producao.portajazz@gmail.com

Bill McHenry Saxofone Tenor

Romeu Tristão Contrabaixo

João Pereira Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

Foto Bill Shakespeare's Romeu and Joaoliet

Afonso Silva e Pedro Sequeira, munidos de saxofone, vibrafone, eletrónica e percussões, apresentam aqui no formato duo, uma viagem que para além do background jazzístico destes músicos, assenta também e sobretudo noutras premissas e estilos. Assenta na exploração de pequenas ideias ou composições e a variação ou metamorfose das mesmas, aqui submetidas à forja da improvisação e experimentalismo de quem o faz com entrega, fundamentos e rigor musical.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Afonso Silva Saxofone, Eletrónica

Pedro Sequeira Vibrafone, Eletrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Depois de OXY PATINA , “melhor disco de jazz nacional” pela Jazz.pt, o baterista e compositor, detentor do titulo de “músico nacional de Jazz” (2018) MÁRIO COSTA junta um elenco internacional de luxo para este novo projecto: OXY PATINA IV.

O trompetista CUONG VU, parceiro de Bill Frisell , David Bowie, Laurie Anderson ou Pat Metheny com quem venceu dois Grammy de “melhor disco de jazz contemporâneo”. O aclamado contrabaixista francês BRUNO CHEVILLON, membro de vários grupos de Louis Sclavis ou Marc Ducret, e por fim, unificando a atmosfera de Oxy Patina e as novas composições de Costa, o seu mais antigo companheiro, citando a JazzTimes: “One of the most distinctive pianists on the international scene”, BENOÎT DELBECQ. Em poucos anos, o baterista português, tornou-se um caso sério de sucesso no jazz internacional, atuando ao lado de músicos lendários como Michel Portal, Wynton Marsalis e Joachim Kühn, e pertencendo a formações tais como o quinteto da revelação do jazz europeu, Emile Parisien (FR), ou o quarteto do saxofonista britânico Andy Sheppard. Em território nacional, também construiu um notável percurso musical: são mais de 600 os concertos realizados enquanto baterista de artistas como António Zambujo, Miguel Araújo e Ana Moura - com quem tem actuado nas mais prestigiadas salas do mundo. Com este novo projeto, Costa pretende dar mais um passo na sua carreira como compositor e como líder, projetando-se em território nacional e internacional, novamente acompanhado por grandes nomes do panorama internacional do jazz. Meticulosos e profundos exploradores dos seus instrumentos, todos os elementos têm a electrónica como aliada do seu som - uma das principais características da sonoridade deste grupo. Espera-se uma simbiose perfeita entre Composição, Improvisação, Espaço e Caos.

Mário Costa Bateria e Composição

Cuong Vu Trompete

Benoît Delbecq Piano

Bruno Chevillon Contrabaixo


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

Foto Mário Costa

Foto: Pedro Ferreira

Depois de OXY PATINA , “melhor disco de jazz nacional” pela Jazz.pt, o baterista e compositor, detentor do titulo de “músico nacional de Jazz” (2018) MÁRIO COSTA junta um elenco internacional de luxo para este novo projecto: OXY PATINA IV.

O trompetista CUONG VU, parceiro de Bill Frisell , David Bowie, Laurie Anderson ou Pat Metheny com quem venceu dois Grammy de “melhor disco de jazz contemporâneo”. O aclamado contrabaixista francês BRUNO CHEVILLON, membro de vários grupos de Louis Sclavis ou Marc Ducret, e por fim, unificando a atmosfera de Oxy Patina e as novas composições de Costa, o seu mais antigo companheiro, citando a JazzTimes: “One of the most distinctive pianists on the international scene”, BENOÎT DELBECQ. Em poucos anos, o baterista português, tornou-se um caso sério de sucesso no jazz internacional, atuando ao lado de músicos lendários como Michel Portal, Wynton Marsalis e Joachim Kühn, e pertencendo a formações tais como o quinteto da revelação do jazz europeu, Emile Parisien (FR), ou o quarteto do saxofonista britânico Andy Sheppard. Em território nacional, também construiu um notável percurso musical: são mais de 600 os concertos realizados enquanto baterista de artistas como António Zambujo, Miguel Araújo e Ana Moura - com quem tem actuado nas mais prestigiadas salas do mundo. Com este novo projeto, Costa pretende dar mais um passo na sua carreira como compositor e como líder, projetando-se em território nacional e internacional, novamente acompanhado por grandes nomes do panorama internacional do jazz. Meticulosos e profundos exploradores dos seus instrumentos, todos os elementos têm a electrónica como aliada do seu som - uma das principais características da sonoridade deste grupo. Espera-se uma simbiose perfeita entre Composição, Improvisação, Espaço e Caos.

Mário Costa Bateria e Composição

Cuong Vu Trompete

Benoît Delbecq Piano

Bruno Chevillon Contrabaixo


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


Apoio Junta de Freguesia do Bonfim


Entrada Livre

Instrições producao.portajazz@gmail.com

Foto Mário Costa

Foto: Pedro Ferreira

A 3ª edição do projeto do acaso tem como objeto os sonhos.

Um colectivo de jovens compositores e interpretes dedica-se a explorar possibilidades entre a música e as palavras- Espaço de resoluções ou tentativa surreal de alcança-las. Catarse civil – imaginemos que a humanidade é uma pessoa que dorme. Imaginemos que nos seus sonhos os movimentos sociais dançam numa libertação explicita das suas vontades. Imaginemos que colocamos isso em palco, acessível aos olhos de todos.

À semelhança das edições anteriores, o material literário foi entregue a cada compositor para concretização do que serão chamados de: sonhos de I a X.

Os compositores foram convidados a incluir nas composições musicais: frases, palavras, sílabas, quem sabe também, respostas a coisas escritas no trecho respectivo.

Material literário Sofia Teixeira, Jorge Santos Ribeiro, Tiago Batista, Hugo Santos e Sara Santos Ribeiro

Composição Tiago Batista, Pedro Jerónimo, Catarina Rodrigues, Pedro Matos, Sara Santos Ribeiro, Joana Raquel, Inês Malheiro, Sofia Sá, Miguel Meirinhos, Catarina Ribeiro, André Ramahais, Zé Stark

Ensemble

Joana Raquel e Sofia Sá Vozes

Pedro Jerónimo Trompete

André Ramalhais Trombone

Tiago Baptista Vibrafone

Catarina Rodrigues / Miguel Meirinhos Piano / Rhodes / Sintetizador

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo

Zé Stark Bateria

Paulo Filipe Direção musical

Rui Spranger Interpretação de textos


Cineteatro Paraíso

R. Infantaria 15, Tomar

foto Do Acaso - Catarse Civil

O duo de Trombone e Guitarra tem um legado de peso na história do Jazz e basta lembrar as lendárias atuações ao vivo e registos discográficos de Bob Brokmeyer e Jim Hall.

Aqui o duo acontece com o trombonista Hugo Caldeira e o guitarrista Rui Catarino, que embora conscientes desses importantes nomes e sonoridades, revisitam esta formação com a visão e os costumes do seu próprio século e das suas próprias experiências como músicos.

Uma revisitação que se adivinha plena de experimentalismo, improvisação, virtuosismo e sensibilidade musical.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Hugo Caldeira Trombone

Rui Catarino Guitarra Elétrica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O Encontro de Escolas, uma iniciativa que a Porta-Jazz promove regularmente, visa acima de tudo incentivar e provocar aquilo que o próprio nome diz, um encontro entre diferentes escolas, que através do palco da Porta-Jazz, têm assim uma oportunidade de mostrar o trabalho desenvolvido na área do Jazz nas diferentes realidades que cada escola representa.

Uma oportunidade de exposição para estes jovens músicos ou aspirantes a músicos que através do cruzamento de ideias ou simplesmente pela percepção “in loco” de outras realidades musicais e culturais, enriquecem os seus vocabulários e experiências nesta arte de fazer música Jazz.

Neste ano de 2022, esta iniciativa conta com a colaboração de seis Escolas da área do Porto e Aveiro, assim, neste dia 19 de junho perfilarão pelo nosso palco alunos do Conservatório de Música do Porto, Academia de música Valentim de Carvalho, Escola Profissional de Música de Espinho, Escola profissional de artes performativas da Jobra e do Conservatório de música de Aveiro.

Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

“Nu” é uma recente edição do Carimbo Porta-Jazz e o novo trabalho de Ap. O guitarrista e compositor, é já um valor seguro e estabelecido no meio do jazz nacional. Com música escrita e gravada para formações grandes como no caso do Coreto Porta-Jazz e o seu álbum Raíz, ou incursões por formações mais pequenas como o seu “Incerteza do trio certo”, também editado pelo Carimbo Porta-jazz. Ap apresenta-se aqui com o seu novo quarteto numa experiência musical que entre outras coisas explora a simplicidade melódica, ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade.

AP Guitarra e Composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo Eléctrico e Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Centro Cultural de Paredes de Coura (sala de cinema)

Avenida Cónego Bernardo Chousal, 494 VC Paredes de Coura

foto AP Quarteto

Foto: Adriana Melo (Mínima)

Serpente é o nome do disco que Carlos Azevedo e o seu quarteto editaram em Abril de 2022 pelo Carimbo Porta-Jazz.

O Carlos Azevedo é um mestre do piano e da composição e o seu curriculum transpõe as fronteiras locais, angariando desde há muito tempo um consistente prestígio e reconhecimento nacional e internacional. É um ícone musical da cidade do Porto e embora estejamos mais habituados a ouvir a sua música em formações grandes como uma big band ou enormes como uma orquestra sinfónica, é no formato quarteto que acontece esta sua estreia no catálogo do Carimbo Porta-Jazz.

Neste seu disco com o nome “Serpente” , Carlos Azevedo é acompanhado de Miguel Moreira, Miguel Ângelo e Mário Costa, todos eles valores seguros do jazz nacional e além fronteiras e nomes recorrentes nas edições do carimbo, também como autores.

Carlos Azevedo Piano e Composição

Miguel Moreira Guitarra eléctrica

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto Carlos Azevedo

Manuel Linhares apresenta o seu novo espectáculo - “Suspenso”- um trabalho que é reflexo da sua última gravação e que agora é adaptada aos palcos para a sua formação de quarteto. Com Paulo Barros ao piano, José Carlos Barbosa no contrabaixo e João Cunha na bateria. Uma formação com enorme entrosamento, resultado de vários anos de colaboração e de muitos concertos.

Este trabalho de Manuel Linhares surge em plena pandemia como resultado de um período de 14 dias em isolamento num quarto, durante os quais o cantor criou uma série de temas intitulados “Isolation Songs”. Um repertório criado como forma de libertação destas quatro paredes que o confinavam e que o iam fortalecendo na dura batalha contra este vírus.

Estas composições refletem o percurso de carreira, de estudos e de aprofundamentos técnicos que o cantor tem vindo a fazer nos últimos anos e que o têm levado a estudar e trabalhar com figuras de referência internacionais como Bobby Mcferrin, Meredith Monk, Rhiannon ou Theo Bleckmann.

O álbum “Suspenso” reuniu um elenco extraordinário de grandes referências do Jazz nacional e internacional, e a sua adaptação para o palco consegue transmitir a energia criada nos arranjos de Guillermo Klein e António Loureiro. As composições originais de Manuel Linhares, com letras em Inglês e Português, bem como, a letra composta pela aclamada rapper e letrista portuguesa Capicua, completam este espectáculo e dão-lhe força na afirmação de um lugar de destaque no jazz feito em Portugal.

Manuel Linhares Voz e Composição

Paulo Barros Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

João Cunha Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto Manuel Linhares

Foto: Daryan Dornelles

O cancioneiro pessoal de Xacobe Martínez Antelo já ultrapassa a meia centena de composições. O contrabaixista Galego apresenta agora o quarto registro como líder. Depois de "Isto é Jazz ”(2005),“ Xacobe Martínez Antelo Trio ”(2008) e “Jazz from Galicia” (2010), o prolífico baixista de Santiago de Compostela apresenta “CAPTURAS” (2019). Um álbum de composições originais inspiradas por fatos e realidades quotidianas que nos prejudicam, que nos acompanham, ou que fazem parte do nosso contexto vital.

Xacobe Martínez Antelo Contrabaixo

Xosé Miguélez Sax Tenor

Max Gómez Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto XMA

Copal é o disco de estreia de Eurico Costa Trio e o octogésimo lançamento do Carimbo Porta-Jazz.

Eles são Eurico Costa na Guitarra Elétrica e composições , Demian Cabaud no contrabaixo e Marcos Cavaleiro na Bateria.

Nas palavras do autor:

O trio é um lugar, um espaço onde, embora acompanhado, nunca se sufoca.

Tão longe dos constrangimentos da multidão como do isolamento da individualidade, esta é uma formação que abre portas a dimensões próprias, sempre em busca de um equilíbrio de forças, a pedir a generosidade de cada parte para a construção de um todo mais uno. Isso leva a que o presente se torne no único assunto possível, e o processo de composição num exercício de contenção e fé.

Desse paradigma surge este repertório, por vezes numa alusão a imaginários mais pop ou à procura das matizes do jazz, outras só a contemplar um tempo repleto de som. Nele procura-se evocar episódios, pessoas e lugares de um universo que se quer preservar irreal e idílico, néctar de sonhos. São os fios que tecem pedaços de vidas. As nossas.

Eurico Costa Guitarra e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Centro Cultural de Paredes de Coura (sala de cinema)

Avenida Cónego Bernardo Chousal, 494 VC Paredes de Coura

foto Eurico Costa - Copal

O quarteto Winnie da Hop e o seu dançante Swing e o grupo de dança Hop Dance Studio, inspirados nos salões de baile norte americanos dos anos 30 e 40, juntam-se aqui numa parceria musical e visualmente contagiante, que promete desafiar e arrancar o público da cadeira numa viagem de ritmo e libertação. Uma viagem também no tempo, à época de ouro do Swing e dos salões de Baile.

Inês Gouveia Voz

Clara Lacerda Piano

Romeu Tristão Contrabaixo

João Pereira Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto Winnie da Hop

Ninhos nasce de uma primeira colaboração entre Joana e Miguel em que a palavra conduz a criação da música. Deste encontro surgiu uma série de temas que incorpora elementos do jazz e da música erudita. Procura, acima de tudo, ascender à organicidade que amarra os momentos escritos aos improvisados, numa temática que apela ao desamarrar das cordas:

“Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Depois de desenvolver o projeto em duo foi sentida a necessidade de expandir esta música e respetiva temática, criando-se assim um quarteto de piano, voz, contrabaixo e bateria, juntando-se Demian Cabaud e João Cardita.

Relata-se o libertar das amarras e a viagem de um chamariz, protagonista destas músicas e representação voadora de nós próprios. Conta-nos, através de letras, as adversidades da sua jornada pelos ares depois da sua emancipação.

Joana Raquel Voz, Letras e Composição

Miguel Meirinhos Piano e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto Ninhos

O guitarrista e compositor Ap é já um valor seguro e estabelecido no meio do jazz nacional. Com música escrita e gravada para formações grandes como no caso do Coreto Porta-Jazz e o seu álbum Raíz, ou incursões por formações mais pequenas como o seu “Incerteza do trio certo”, também editado pelo Carimbo Porta-jazz. Ap apresenta-se aqui com o seu novo quarteto numa experiência musical que entre outras coisas explora a simplicidade melódica, ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade.

AP Guitarra e Composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo eléctrico e contrabaixo

Eduardo Dias Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto AP

Foto: Adriana Melo (Mínima)

"The Guit Kune Do é um projecto musical da mente de André B. Silva. Na sua eterna busca por sonoridades, formações e lógicas menos exploradas, deu de caras, por uma razão ou outra, com a possibilidade de um large ensemble focado essencialmente na guitarra eléctrica.

O resultado é The Guit Kune Do, uma ode ao instrumento mas também aos ritmos mainstream do final do século XX. As influências do jazz, do funk, do hip-hop e do rock estão bem presentes na sonoridade, e juntam-se a material melódico mais fresco e indecente (característica tão presente no trabalho dos The Rite of Trio). Os pormenores melódicos harmonizados em conjunto com os riffs viciantes contrapontisticos tornam a utilização das cinco guitarras um doce auditivo, a musicalidade é celebrada sempre."

André B. Silva Guitarra e Composição

AP Guitarra eléctrica

Eurico Costa Guitarra eléctrica

Virxilio da Silva Guitarra eléctrica

Francisco Rua Guitarra eléctrica

João Próspero Baixo eléctrico

Diogo Silva Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto The Guit Kune Do

Foto: Rafael Farias

Copal é o disco de estreia de Eurico Costa Trio e o octogésimo lançamento do Carimbo Porta-Jazz.

Eles são Eurico Costa na Guitarra Elétrica e composições , Demian Cabaud no contrabaixo e Marcos Cavaleiro na Bateria.

Nas palavras do autor:

O trio é um lugar, um espaço onde, embora acompanhado, nunca se sufoca.

Tão longe dos constrangimentos da multidão como do isolamento da individualidade, esta é uma formação que abre portas a dimensões próprias, sempre em busca de um equilíbrio de forças, a pedir a generosidade de cada parte para a construção de um todo mais uno. Isso leva a que o presente se torne no único assunto possível, e o processo de composição num exercício de contenção e fé.

Desse paradigma surge este repertório, por vezes numa alusão a imaginários mais pop ou à procura das matizes do jazz, outras só a contemplar um tempo repleto de som. Nele procura-se evocar episódios, pessoas e lugares de um universo que se quer preservar irreal e idílico, néctar de sonhos. São os fios que tecem pedaços de vidas. As nossas.

Eurico Costa Guitarra e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-214 Maia

foto Eurico Costa - Copal

Aether é o nome do álbum que os Bode Wilson assinam pelo Carimbo Porta-Jazz neste ano de 2022. Depois da estreia em 2014 com “26” e um segundo álbum em 2017 chamado “Lascas”, aqui está de novo este Bode, que desta vez sem recorrer a material musical previamente definido, embarca numa viagem sonora pelas montanhas do experimentalismo e da improvisação total. Como um Bode irrequieto e faminto que através de terrenos montanhosos procura alcançar terreno fértil em alimento, este corpo de três elementos existe e move-se numa simbiose tímbrica e estética que os transforma num elemento só. Tal como o próprio “Aether”, esse quinto elemento tantas vezes usado ao longo da história para explicar o inexplicável, Bode Wilson apresenta-se assim, volátil, aéreo e envolto num mistério que parece existir desde o princípio dos tempos.

Gravado ao ar livre numa capela em ruínas e integrado de uma forma transversal na natureza envolvente, este novo trabalho de Bode Wilson, para além de um produto musical é também na sua essência ou quintessência, um exercício de meditação, veneração e comunhão com o universo e a humanidade.

“Aether” revela também um trio que não se conforma com fórmulas estanque e definidas e que parte sempre para a descoberta de novos caminhos. Um trio que para além das habituais ferramentas, saxofone, flauta, contrabaixo e bateria, acrescenta aqui o charango, as percussões e uma pedaleira de orgão.

E é assim que este “Aether” se apresenta e se confirma no universo.

João Pedro Brandão Saxofone Alto e Soprano, Flauta, Pedaleira de Órgão

Demian Cabaud Contrabaixo, Charango

Marcos Cavaleiro Bateria, Percussões


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto


Foto AP
Cartaz lançamento Bode Wilson - Aether

Conheceram-se nos bancos da escola e desde então que não se suportam. Um contrabaixista e um cantor, pela primeira vez em dueto. A razão pela qual Deus inventou a cerveja.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Kiko Pereira Voz, Eletrónica

Miguel Ângelo Contrabaixo, Eletrónica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Com um enorme gosto pela composição, Sofia Machado criou o seu EP de estreia “Connections” que surge da criação de canções originais, onde o jazz se mistura com o fado, o soul, a bossa nova e a música moderna. Da confluência da voz, guitarra, contrabaixo e bateria, surge um novo mundo por descobrir. As suas composições inserem-se no quotidiano, num registo intimista, espontâneo, suave e contemporâneo. Sofia Machado é acompanhada por Marco Moura na guitarra, Pedro André no contrabaixo e Manuel Filgueiras na bateria.

Sofia Machado Voz e Composição

Marco Moura Guitarra Eléctrica

Pedro André Contrabaixo

João Alves Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

cartaz Sofia Machado

Serpente é o nome do disco que Carlos Azevedo e o seu quarteto editaram em Abril de 2022 pelo Carimbo Porta-Jazz.

O Carlos Azevedo é um mestre do piano e da composição e o seu curriculum transpõe as fronteiras locais, angariando desde há muito tempo um consistente prestígio e reconhecimento nacional e internacional. É um ícone musical da cidade do Porto e embora estejamos mais habituados a ouvir a sua música em formações grandes como uma big band ou enormes como uma orquestra sinfónica, é no formato quarteto que acontece esta sua estreia no catálogo do Carimbo Porta-Jazz.

Neste seu disco com o nome “Serpente” , Carlos Azevedo é acompanhado de Miguel Moreira, Miguel Ângelo e Mário Costa, todos eles valores seguros do jazz nacional e além fronteiras e nomes recorrentes nas edições do carimbo, também como autores.

Carlos Azevedo Piano e Composição

Miguel Moreira Guitarra Eléctrica

Miguel Ângelo Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Entrada: 10eur


El Cercano

Rúa Cardenal Quevedo, 20, 32004 Ourense, Espanha

foto Carlos Azevedo

Numa substituição de última hora e contrariando o previamente anunciado, é devido aos ainda recorrentes entraves pandémicos, que o Gonçalo Sarmento no contrabaixo e Marco Coelho na Guitarra Elétrica asseguram a viagem musical do Jazz à Mesa desta terca-feira. Pelos habituais terrenos do jazz, do experimentalismo e da música improvisada.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Gonçalo Sarmento Contrabaixo

Marco Coelho Guitarra Eléctrica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

A cantora Ana Luisa Marques e o baterista Antón Quintela são dois músicos pertencentes à nova geração do jazz portuense. Com um percurso musical que extravasa e se completa noutras áreas e estilos musicais, juntam-se no formato duo para explorarem a sua música numa experiência sem barreiras, onde o experimentalismo e a improvisação são condição à partida. Uma voz e uma bateria que sem aumentar de número, se apresentam como suficientes para transcrever o som da humanidade, ou não se considerassem esses mesmo, os instrumentos primordiais.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Ana Luisa Marques Voz

Antón Quintela Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

"Hugo Ferreira é um guitarrista, compositor e produtor nascido em Coimbra a 19 de Agosto de 1998.

Acompanhado por um leque de músicos que representam e refletem a nova geração do Jazz nacional sediada na da cidade do Porto, Hugo Ferreira apresenta assim a sua música e a sua visão do Jazz nestes tempos em que vivemos. Com Pedro Jerónimo no trompete, Gil Silva no saxofone tenor, Miguel Meirinhos no Piano, João Fragoso no contrabaixo e João Cardita na bateria, Compendium é um coletivo que nasce em 2021 como uma forma de dar vida às composições que Hugo Ferreira criou em tempos de confinamento.

Hugo Ferreira Guitarra e Composição

Pedro Jerónimo Trompete

Gil Silva Saxofone Tenor

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Hugo Ferreira

O saxofonista Rafael Gomes e o pianista Ricardo Moreira juntam-se aqui em duo para explorarem afinidades musicais e os imprevisíveis terrenos da improvisação. Dois músicos com o jazz nas veias a viajarem sonoramente pelos seus gostos, composições e experimentalismos musicais.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Rafael Gomes Saxofones

Ricardo Moreira Piano / Teclados


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Tal como as sombras não existem sem a luz também a vida só se completa aceitando as imperfeições nela e em nós existentes. Seguindo a premissa, presente desde a primeira edição da parceria que a Porta-Jazz mantém com o Guimarães Jazz, de criar um projecto de natureza multidisciplinar, através da colaboração artística entre músicos e um artista de uma outra área criativa, Hugo Raro convidou o artista plástico JAS para juntamente com Rui Teixeira no clarinete baixo, Miguel Amaral na guitarra portuguesa e Alex Lázaro na bateria e percussões, criarem um concerto desenhado.

São conversas entre música e sombras desenhadas tendo como motivo a imperfeição e a beleza que essa imperfeição pode conter, e aceitando as suas sombras como parte integrante da realidade para que ambas se tornem, tranquilamente, companheiras inevitáveis da consciência.

No seu formato original, o artista plástico Jas desenha em tempo real e em palco com os músicos numa sinergia entre imagem e música escrita e improvisada. Este projeto apresenta-se desta vez sem a componente visual num formato adaptado ao espaço e ao contexto, proporcionando assim uma revisitação e uma outra abordagem ao material musical de “Sombras da Imperfeição”.

No palco estarão Hugo Raro no Piano e composição, Rui Teixeira no Clarinete Baixo, Miguel Amaral na Guitarra Portuguesa e Miguel Sampaio na bateria e percussões.

Hugo Raro Piano e Composições

Rui Teixeira Clarinete Baixo

Miguel Amaral Guitarra Portuguesa

Miguel Sampaio Bateria e Percussões


Salão Brazil

Largo do Poço, nº3, 1º Andar Coimbra

foto Sombras da Imperfeição

Foto: Adriana Melo (Mínima)

Teatro Angrense

R. da Esperança n.º 48-52, 9700-073 Angra do Heroísmo


Bilhetes

Ap Quarteto

O guitarrista e compositor Ap é já um valor seguro e estabelecido no meio do jazz nacional. Com música escrita e gravada para formações grandes como no caso do Coreto Porta-Jazz e o seu álbum Raíz, ou incursões por formações mais pequenas como o seu “Incerteza do trio certo”, também editado pelo Carimbo Porta-jazz. Ap apresenta-se aqui com o seu novo quarteto numa experiência musical que entre outras coisas explora a simplicidade melódica, ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade.


AP Guitarra e Composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo eléctrico, Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria

Joana Raquel Miguel Meirinhos “Ninhos”

Ninhos é o nome do disco que a cantora Joana Raquel e o pianista Miguel Meirinhos apresentaram durante o 12º festival Porta-Jazz. Este lançamento Carimbo Porta-Jazz que aconteceu integrado no festival é assim o fruto do primeiro trabalho assinado por estes dois jovens e talentosos músicos que se vão revelando cada vez mais um exemplo das novas referências musicais da cidade do Porto.

Neste seu primeiro disco, Joana Raquel, cantora com presença recorrente em projetos emblemáticos e lapidares de uma nova geração do jazz nacional como o duo de voz e saxofone 293-Diagonal ou em incursões pelo mundo do Hip Hop ao lado de “Capicua” e Miguel Meirinhos, talentoso e original pianista presente ora em projetos desta fervillhante nova geração ora ao lado do veterano e icónico Mário Barreiros e o seu quarteto, convidam o incontornável e omnipresente contrabaixista Demian Cabaud e o talentoso baterista João Cardita para juntos trabalharem e soltarem para o mundo as suas composições e letras originais.

Nas palavras de Joana Raquel, “Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Desta vez com a contrabaixista espanhola Yudit Vidal ao lado de joão Cardita, “Ninhos” de joana Raquel e Miguel Meirinhos vê aqui a sua estreia no mágico arquipélago dos Açores.


Joana Raquel Voz, Letras e Composições

Miguel Meirinhos Piano e Composições

Yudit Vidal Contrabaixo

João Cardita Bateria

foto AP Quarteto

Foto: Adriana Melo (Mínima)


foto Joana Raquel e Miguel Meirinhos

Foto: Diana Gil

"Bob Moses é um baterista lendário que moldou o som do jazz dos anos 70 e 80 nas bandas de Pat Metheny, Paul Bley, Steve Swallow, Gary Burton ou Dave Liebman. Aos 73 anos, reúne em si a experiência do jazz fulgurante que se viveu nas últimas décadas em Nova-Iorque bem como uma curiosidade pura que o mantém atento às novas explorações e rumos da música. É assim que Ra Kalam Bob Moses, o nome espiritual com que agora se apresenta, se encontra com Pedro Melo Alves e Vasco Trilla, duas novas referências imparáveis da percussão exploratória contemporânea com forte atividade discográfica nos circuitos europeus. Os três bateristas que se movem entre as correntes mais livres do jazz e da música improvisada, juntam-se num trio de percussão, combinando entre composições e improvisações as suas fortes personalidades e recursos únicos num espetáculo de diálogos profundos e imprevisíveis, com forte carácter espiritual. Nesta passagem por Portugal com 6 concertos e 3 workshops juntam-se ainda como convidados os saxofonistas marcantes do jazz e música improvisada nacional João Mortágua, Albert Cirera, Yedo Gibson, João Pedro Brandão, José Soares e Julius Gabriel, bem como o percussionista João Pais Filipe.

Ra Kalam Bob Moses Bateria e Percussão

Vasco Trilla Bateria e Percussão

Pedro Melo Alves Bateria e Percussão

João Pedro Brandão Saxofone

José Soares Saxofone

Julius Gabriel Saxofone


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Alma Tree

Conectar notas e batidas individuais a princípios mais amplos é algo natural para Bob Moses, baterista lendário que moldou o som do jazz nova-iorquino dos anos 70 e 80 nas bandas de Pat Metheny, Paul Bley, Steve Swallow, Gary Burton ou Dave Liebman. Ra Kalam Bob Moses, o nome espiritual com que agora se apresenta - significando "o som inaudível do sol invisível", é um músico com uma abordagem decididamente filosófica da música. "Cresci no mesmo prédio que Art Blakey, Max Roach, Abbey Lincoln, Elvin Jones ou Rahsaan Roland Kirk. (...) Da minha janela, eu podia ver Eric Dolphy a tocar flauta no Central Park. Ele sentava lá e tocava com os pássaros.”. Esta imagem captura a ideia de realização interior a que Moses se refere quando hoje descreve a sua relação com a música - “It’s not about entertainment; it’s about inner attainment.”

Este workshop de bateria, percussão e improvisação é destinado a todos os amantes de música, sem idade ou formação mínima.

Integrado no Festival Rampajazz ESMAE


Inscrições producao.portajazz@gmail.com


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Bob Moses

Teatro Angrense

R. da Esperança n.º 48-52, 9700-073 Angra do Heroísmo


Bilhetes

293 Diagonal

Criam um intervalo espontâneo, sensível ao

detalhe acústico dos seus instrumentos.

Transversal à sua relação, o som molda-se

arbitrariamente enquanto expõe as

particularidades, semelhanças e diferenças de

cada um.

Através de uma abordagem pouco convencional

querem criar imagens com ideias geométricas e

canções de mãos dadas com a sua narrativa.

Dão espaço ao desconforto na exploração do som e a sua origem, com a intenção de desafiar as vulnerabilidades que a formação atípica

apresenta.


Joana Raquel Voz

Daniel Sousa Saxofone

Gil Silva "Árvore"

Árvore é o novo projeto liderado pelo trombonista Gil Silva. Gil Silva é um músico valioso da nova geração do jazz nacional. Este talentoso e virtuoso trombonista junta neste projeto aqui em estreia, novos valores como o saxofonista Daniel Sousa, o pianista Miguel Meirinhos, a contrabaixista Yudit Vidal e o baterista Gonçalo Ribeiro. Com esta receita que junta a música de Gil Silva e a improvisação a este valioso leque de músicos, os resultados serão certamente positivos e a promessa de um memorável bom concerto paira no ar, como a copa de uma árvore de grande porte.

Nas palavras do próprio Gil Silva:

“Uma árvore tem raizes, entranhadas na terra.

Algumas são mais curtas, frágeis e podem até desaparecer. Outras, mais compridas, fortes e firmes, que viverão para sempre. Estas, por sua vez, unem forças e fundem-se num robusto tronco.

Assim, a grande árvore possui esta característica sólida. Imóvel, estável, inderrubável. Grave e austera.A árvore possui, em simultâneo, folhas.

As folhas, ao contrário do tronco e das raízes, são frágeis, leves, e livres. Podem voar para longe ou permanecer junto às suas. Diversos são os potenciais destinos e trajetórias.

Assim, na grande árvore existe também leveza, delicadeza, beleza e flexibilidade.A árvore é sábia, e possui um inerente e silencioso equilíbrio.

Afinal as raízes estendem-se até às folhas.”


Gil Silva Trombone

Daniel Sousa Saxofone

Miguel Meirinhos Piano

Yudit Vidal Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria

foto 293 diagonal

Foto: Rosana Sousa e Sofia Vieira


foto Gil Silval

Foto: Joana Pina

Diogo Alexandre Bock Ensemble nasce da exploração coletiva entre 7 dos mais criativos músicos do panorama musical Belga e Português. Tendo a sua génese no balanço entre o intelecto e a expressão, é dado ao grupo imenso espaço para o desenvolvimento de novas abordagens coletivas diluindo as fronteiras entre a musica escrita e improvisada. Tratam-se de músicos que são levados ao seu limite por Alexandre, tendo que tocar com a precisão de um musico de câmara, mas também improvisar novas partes em tempo real. Esta fluidez e lirismo na performance, aliada à visceralidade e caráter impetuoso do grupo, torna improvável que este seja indiferente até a mais distante audiência.

Este é o culminar de um labor de vários anos e sintetiza as experiencias de um músico que, nos últimos anos foi galardoado com prestigiados prémios como “Musico Revelação 2020” (Prémio RTP/Festa do Jazz) “Artista Revelação 2021” (Jazz Logical) “Prémio Jovens Músicos 2019” (RTP/Antena2), para enumerar alguns.

Para dar corpo à música que escreveu, o baterista e compositor Diogo Alexandre procurou especificamente artistas com um forte balanço entre abstracionismo e racionalismo, para que o grupo não se limitasse apenas à expressão, mas sim ao misto de uma narrativa coerente e expressiva. Por essa razão figura na equipa Bram de Looze (Bélgica – piano) Tomás Marques (saxofones), João Mortágua (Saxofones) Paulo Bernardino (clarinete Baixo), André Fernandes (guitarra), e Demian Cabaud (contrabaixo). Diogo Alexandre Bock Ensemble é o exemplo perfeito do estado de evolução do Jazz português, hoje liberto de complexos e perfeitamente conectado como espaço europeu e mundial.

José Soares Saxofone

André Fernandes Guitarra Eléctrica

Bram de Looze Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Diogo Alexandre Bateria e Composição


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Diogo Alexandre

O guitarrista e compositor Ap é já um valor seguro e estabelecido no meio do jazz nacional. Com música escrita e gravada para formações grandes como no caso do Coreto Porta-Jazz e o seu álbum “Mergulho”, ou incursões por formações mais pequenas como o seu “Incerteza do trio certo” ou o álbum em quarteto “Lento”, também editado pelo Carimbo Porta-Jazz.

Ap apresenta aqui o seu novo trabalho com um novo quarteto. O disco “Nu” é a octagésima quarta edição do carimbo e uma experiência musical que entre outras coisas explora a simplicidade melódica,o rigor formal ou ambientes e texturas contrastantes, o groove e a improvisação livre, numa demanda musical que visa sempre alcançar a frescura e a imprevisibilidade.

A música de Ap apresenta-se aqui, como o nome do álbum sugere, despida de acessórios ou artefatos, mas plena do mesmo contéudo e profundidade que distingue as obras musicais mais esclarecidas, maduras e consistentes.

“Nu” é o trabalho de um músico e compositor cada vez mais fiel à sua verdade musical. É o trabalho de um quarteto que se mostra atento a novas tendências e correntes mas que nunca abandona a sua essência. É composição, improvisação e execução musical imbuída da proficiência natural de quem sabe o que está a fazer.


Foto AP

AP Guitarra, Efeitos e Composição

José Diogo Martins Piano

Gonçalo Sarmento Baixo eléctrico e Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Ap Quarteto - Nu

O guitarrista Mané Fernandes e o pianista José Diogo Martins são dois exemplos valiosos da nova geração do jazz português. Ambos estudaram na Escola Superior de Música no Porto e ambos prosseguiram os seus estudo e experiências musicais em Copenhaga, Dinamarca. Agora de volta ao burgo, apresentam-se aqui em formato duo com Mané na guitarra elétrica e eletrónica e José Diogo no sintetizador para um concerto único e pleno de improvisação onde não deixará de estar certamente presente a admiração e o gosto de ambos pelo Groove e a música de tradição Afro-Americana.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Mané Fernandes Guitarra Eléctrica

José Diogo Martins Sintetizador


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Em outubro de 2021 o vibrafonista Ton Risco é convidado pela Bob Sands Bigband.

Aproveitando este encontro, o trombonista Víctor Correa propõe ficar um pouco depois de um ensaio e ler algumas das suas músicas em quarteto, com Francisco Loque no contrabaixo e Dani García na bateria. Assim, surge imediatamente a ideia de tocarem juntos. Com uma tourné de seis concertos pelo norte da Espanha o quarteto ganha vida e a pandemia estoura. Após a Pausa pandémica e quando o confinamento termina, o grupo continua a tocar em diferentes pontos de Espanha e incorpora música de Ton Risco no seu repertório. Com a ideia de uma próxima gravação, continuam a sua proposta de música original baseada no HardBop, misturada com pinceladas de improvisação livre e algumas versões de referências como Eric Hardland ou Rudresh Mahanthappa.

Victor Correa Trombone

Ton Risco Vibrafone

Francisco Loque Contrabaixo

Dani Garcia Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Ton Risco e Correa

THE PEACE OF WILD THINGS é um projeto dedicado à descoberta e re-interpretação de espirituais negros e hinos protestantes, assim como à exploração de repertório original e canções de outros compositores especiais para a banda, como Ornette Coleman, The Doors, Molly Drake ou Randy Weston.

Clara Lacerda (piano) Romeu Tristão (contrabaixo) e Ricardo Coelho (percussão) procuram criar um espaço livre onde estes diferentes universos se fundam e onde a improvisação colectiva dirija a música.

Clara Lacerda Piano

Romeu Tristão Contrabaixo

Ricardo Coelho Percussões


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto The Peace of Wild Things

O guitarrista Hugo Ferreira e o baterista João Cardita são dois músicos da nova geração do jazz nacional. Neste formato duo exploram a improvisação e estendem a sua música de raíz jazzística para além da orla do experimentalismo. No palco deste ciclo resultante da parceria Porta-Jazz/Espaço Maus-Hábitos que já quase completou um ano de existência, tudo acontece esta terça-feira dia 17 de Maio no Espaço Maus Hábitos às 20:00.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Hugo Ferreira Guitarra Eléctrica

João Cardita Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Quatro improvisadores noruegueses com total desrespeito pelo purismo e uma tendência para assumir riscos musicais.

Wako explora a sua própria linguagem e abordagem à música.

Com cinco álbuns e centenas de apresentações ao vivo, Wako toca com uma autoridade e personalidade que os coloca na vanguarda do jazz nórdico. Wako é um dos grupos mais dinâmicos e inovadores da cena jazzística actual e construiu uma base sólida de fãs tendo conquistado o reconhecimento da crítica. Segundo Mark Sullivan (All About Jazz - EUA), Wako é um coletivo de jazz norueguês com som realmente coletivo ” e o álbum anterior“ Wako” (Øra fonograma, 2020) foi destacado e mereceu um lugar no top para a prestigiada publicação Jazzwise (Reino Unido).

Wako levou a sua musicalidade em constante evolução e criatividade por toda a Europa e reproduzindo a sua música ao vivo com convidados como as cordas Oslo Strings e entre outros, o virtuoso trompetista Arve Henriksen. A música é sempre criteriosamente ajustada ao público, ambiente e material musical, o que significa que os concertos não são apenas superlativos, mas também uma experiências única. Em suma, Wako é actualmente um dos mais impressionantes jovens grupos para experienciar ao vivo.

Kjetil André Mulelid Piano

Martin Myhre Olsen Saxofone

Bárður Reinert Poulsen Contrabaixo

Simon Olderskog Albertsen Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Meirinhos / Fragoso / Cardita

Foto: Signe Kysengard

Este trio, que tem como casa a cidade do Porto, junta-se para interpretar repertório original. No universo que pretende criar, a única regra é uma diversidade que tenha tanto de contemplativo, como de enérgico. Para o concretizar, dão-se como válidas intérminas possibilidades e vai-se à descoberta.

O ponto de partida é o jazz e a admiração que os três músicos nutrem pelos sagrados ‘piano trios’, que enalteceram esta forma de fazer música.

Miguel Meirinhos Piano

João Fragoso Contrabaixo

João Cardita Bateria


Casa d'Artes do Bonfim

R. do Dr. Carlos Passos 59-27, 4300-191 Porto (à Av. Fernão Magalhães)


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Apoio Junta de Freguesia do Bonfim

foto Meirinhos / Fragoso / Cardita

Foto: Adriana Melo (Mínima)

A Locomotiva é uma oficina de jazz, ritmo e improvisação aberta a todos os instrumentos, assegurada pela Porta-Jazz, com tutoria de André B. Silva.


Duração 10h00 - 17h00 (com pausa para almoço)

Vagas: 15 participantes

Entrada Livre

Inscrições: Centro Cultural de Paredes de Coura, no horário de atendimento ao público (quarta a domingo, das 14h00 às 18h00), presencialmente ou por telefone (251 780 124).

Requisito: É necessário ter conhecimento prévio do instumento a utilizar durante a oficina.

Sobre André B. Silva

Criador dos elogiados projetos musicais The Guit Kune Do, The Rite of Trio e Mt. Meru, o compositor e intérprete revela paixão por sonoridades inovadoras e imprevisíveis. Em 2015 terminou o Curso Superior de Música, variante Jazz, pela Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo. Obteve o grau de mestre em Performance Jazz em 2020, pelo Queens College de Nova Iorque. Foi professor na Escola de Jazz do Porto, na Jahas Rockschool Porto e na Academia Valentim de Carvalho, contando com mais de dez anos de experiência em ensino.


Nota:

Depois da oficina, os participantes têm oportunidade de assistir ao concerto de Carlos "Zíngaro", com o projeto ZARMensemble, que se apresenta às 18h de dia 14 de maio, na Capela do Espírito Santo.


Centro Cultural de Paredes de Coura

Avenida Cónego Bernardo Chousal, 494 VC Paredes de Coura

foto Oficina André B. Silva

Ninhos é o nome do disco que a cantora Joana Raquel e o pianista Miguel Meirinhos apresentaram durante o 12º festival Porta-Jazz. Este lançamento Carimbo Porta-Jazz que aconteceu integrado no festival é assim o fruto do primeiro trabalho assinado por estes dois jovens e talentosos músicos que se vão revelando cada vez mais um exemplo das novas referências musicais da cidade do Porto.

Neste seu primeiro disco, Joana Raquel, cantora com presença recorrente em projetos emblemáticos e lapidares de uma nova geração do jazz nacional como o duo de voz e saxofone 293-Diagonal ou em incursões pelo mundo do Hip Hop ao lado de “Capicua” e Miguel Meirinhos, talentoso e original pianista presente ora em projetos desta fervillhante nova geração ora ao lado do veterano e icónico Mário Barreiros e o seu quarteto, convidam o incontornável e omnipresente contrabaixista Demian Cabaud e o talentoso baterista João Cardita para juntos trabalharem e soltarem para o mundo as suas composições e letras originais.

Nas palavras de Joana Raquel, “Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Joana Raquel Voz, Letras e Composição

Miguel Meirinhos Piano e Composição

Yudit Vidal Contrabaixo

João Cardita Bateria


Centro Cultural de Paredes de Coura (sala de cinema)

Avenida Cónego Bernardo Chousal, 494 VC Paredes de Coura

foto Joana Raquel & Miguel Meirinhos

Foto: Diana Gil

O saxofonista Josué Santos e o contrabaixista Guilerme Lapa apresentam-se aqui em duo e apresentam uma fusão onde exploram as suas facetas como compositores, instrumentistas e improvisadores. Um concerto que promete ser rico em experimentalismo e reinterpretação das suas obras e opções musicais.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Josué Santos Saxofone

Guilherme Lapa Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Tal como as sombras não existem sem a luz também a vida só se completa aceitando as imperfeições nela e em nós existentes.

Seguindo a premissa, presente desde a primeira edição da parceria que a Porta-Jazz mantém com o Guimarães Jazz, de criar um projecto de natureza multidisciplinar, através da colaboração artística entre músicos e um artista de uma outra área criativa, Hugo Raro convidou o artista plástico JAS para juntamente com Rui Teixeira no clarinete baixo, Miguel Amaral na guitarra portuguesa e Alex Lázaro na bateria e percussões, criarem um concerto desenhado.

São conversas entre música e sombras desenhadas tendo como motivo a imperfeição e a beleza que essa imperfeição pode conter, e aceitando as suas sombras como parte integrante da realidade para que ambas se tornem, tranquilamente, companheiras inevitáveis da consciência.

No seu formato original, o artista plástico Jas desenha em tempo real e em palco com os músicos numa sinergia entre imagem e música escrita e improvisada. Este projeto apresenta-se desta vez sem a componente visual num formato adaptado ao espaço e ao contexto, proporcionando assim uma revisitação e uma outra abordagem ao material musical de “Sombras da Imperfeição”.

No palco estarão Hugo Raro no Piano e composição, Rui Teixeira no Clarinete Baixo, Miguel Amaral na Guitarra Portuguesa e Zé Stark na bateria e percussões.

Hugo Raro Piano e Composição

Rui Teixeira Clarinete Baixo

Miguel Amaral Guitarra Portuguesa

Zé Stark Bateria


Entrada: 10eur


El Cercano

Rúa Cardenal Quevedo, 20, 32004 Ourense, Espanha

foto Puzzle 3

Estes dois talentosos e emergentes músicos da cena jazzística do Porto apresentam-se aqui em duo numa viagem pelos territórios musicais da improvisação e experimentalismo com raízes no jazz. Uma voz e uma bateria que cumprem e trocam funções numa orgânica metamorfose plena de elasticidade, virtuosismo e simplicidade musical

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Sofia Sá Voz

Zé Stark Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

O Carlos Azevedo é um mestre do piano e da composição e o seu curriculum transpõe as fronteiras locais, angariando desde há muito tempo um consistente prestígio e reconhecimento nacional e internacional. É um ícone musical da cidade do Porto e embora estejamos mais habituados a ouvir a sua música em formações grandes como uma big band ou enormes como uma orquestra sinfónica, é no formato quarteto que acontece esta sua estreia no catálogo do Carimbo Porta-Jazz.

Neste seu disco com o nome “Serpente” , Carlos Azevedo é acompanhado de Miguel Moreira, Miguel Ângelo e Mário Costa, todos eles valores seguros do jazz nacional e além fronteiras e nomes recorrentes nas edições do carimbo, também como autores.


Foto Carlos Azevedo

Carlos Azevedo Piano e Composição

Miguel Moreira Guitarra eléctrica

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz lançamento Carlos Azevedo - Serpente

O saxofonista Rui Teixeira e o contrabaixista José Carlos Barbosa, companheiros em vários discos e projetos dos quais se destacam, Rui Teixeira Group; Orquestra Fina; Coreto Porta-Jazz ou Orquestra Jazz de Matosinhos, juntam-se aqui no formato duo para tocarem composições originais e um outro ocasional clássico. Uma nova aventura musical a dois, embalada por uma forte ligação tanto à simplicidade melódica do formato canção, como à ausência de regras da improvisação livre.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Rui Teixeira Saxofones

José Carlos Barbosa Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Mané Fernandes é um guitarrista, compositor e improvisador radicado no Porto e em Copenhaga. Ele faz parte de uma ampla cena musical experimental que ele gosta de chamar de “Estética Pós-Beat”. O encontro da tradição do “Jazz” (#BAM) como fonte sempre inspiradora de profundidade e verdade, com os novos sons e metodologias da música eletrónica é onde ele encontra o seu espaço. Aqui os parâmetros são esticados, as regras estabelecidas para logo serem quebradas, cultiva-se a criatividade e brinca-se com a transcendência. O seu som é fresco na cena europeia, inspirando-se na improvisação espiritual profunda, na música beat e no Boom Bap dos anos 90.

"ENTER THE sQUIGG" é o seu mais recente álbum, lançado em Março pela editora Clean Feed Records. O projeto, nascido em Copenhaga, numa casa “colectivo hippie” dos anos 70, com os companheiros Luca Curcio (contrabaixo) Simon Olderskog Albertsen (bateria), cria uma linguagem rítmica e conceitual original baseada nas composições de Mané Fernandes, explorando o universo dos micro-ritmos, o método de gravação ao vivo seguido de ideias produzidas em estúdio, centrada no som e no papel da bateria. Isso foi muito influenciado por Malcolm Braff e a sua “Teoria Geral do Ritmo”.

Ao vivo, imagine polirritmia, subdivisões improváveis e modulações métricas com hip-hop, eletrónica e improvisações cheias de alma num campo de basquete abandonado

Seja bem vindo(a) ENTER THE sQUIGG!

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Mané Fernandes Guitarra, electrónicas

José Soares Saxofone Alto

João Barradas Acordeão MiDI

José Diogo Martins Piano

Luca Curcio Contrabaixo, Baixo synth

Simon Albertsen Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Se algum de nós pudesse abrir as asas e voar, de maneira semelhante às aves migratórias, e viesse chegando à mesma velocidade dos pássaros, que sons e sílabas iria reconhecendo, à medida que se aproximasse e ficasse cada vez mais perto das pessoas, dos bichos, das plantas e das coisas? As palavras dos pássaros e o canto dos poetas de Trás-os- Montes inspiraram este espectáculo de música e teatro a partir da recolha de vestígios arqueológicos e outros nem tanto.

Foto Umbral

Nuno Trocado Guitarra Eléctrica, Composição

Catarina Lacerda Voz

João Pedro Brandão Flauta, Saxofone Alto

Sérgio Tavares Contrabaixo

Acácio Salero Bateria

Pedro Pires Cabral Theremin, samples, gravações de campo

Jorge Louraço Texto

Capa disco Umbral

AP e Sérgio Tavares são dois músicos estabelecidos da cena jazzística portuense e nacional. O guitarrista Ap, já com alguns discos editados em nome próprio e colaborador assíduo de projetos como o Coreto Porta-Jazz ou os The Guit Kune Do e Sérgio Tavares que pode ser escutado, entre outros, em projetos como Cotovelo e Umbral, ambos editados pelo Carimbo Porta-Jazz, apresentam-se desta vez em formato duo. Guitarra e contrabaixo e um universo de possibilidades musicais em aberto pelas mãos destes dois quase veteranos.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


AP Guitarra Eléctrica

Sérgio Tavares Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Manuel Linhares apresenta o seu novo espectáculo - “Suspenso”- um trabalho que é reflexo da sua última gravação e que agora é adaptada aos palcos para a sua formação de quarteto. Com Paulo Barros ao piano, José Carlos Barbosa no contrabaixo e João Cunha na bateria. Uma formação com enorme entrosamento, resultado de vários anos de colaboração e de muitos concertos.

Este trabalho de Manuel Linhares surge em plena pandemia como resultado de um período de 14 dias em isolamento num quarto, durante os quais o cantor criou uma série de temas intitulados “Isolation Songs”. Um repertório criado como forma de libertação destas quatro paredes que o confinavam e que o iam fortalecendo na dura batalha contra este vírus.

Estas composições refletem o percurso de carreira, de estudos e de aprofundamentos técnicos que o cantor tem vindo a fazer nos últimos anos e que o têm levado a estudar e trabalhar com figuras de referência internacionais como Bobby Mcferrin, Meredith Monk, Rhiannon ou Theo Bleckmann.

O álbum “Suspenso” reuniu um elenco extraordinário de grandes referências do Jazz nacional e internacional, e a sua adaptação para o palco consegue transmitir a energia criada nos arranjos de Guillermo Klein e António Loureiro. As composições originais de Manuel Linhares, com letras em Inglês e Português, bem como, a letra composta pela aclamada rapper e letrista portuguesa Capicua, completam este espectáculo e dão-lhe força na afirmação de um lugar de destaque no jazz feito em Portugal.

Manuel Linhares Voz

Paulo Barros Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

João Cunha Bateria


Salão Brazil

Largo do Poço, nº3, 1º Andar Coimbra

foto Ninhos

“Sete” dá título ao primeiro disco do baterista português Marcos Cavaleiro, editado em 2020 pelo Carimbo Porta-Jazz. Este registo assinala o seu ponto de partida como líder e compositor, tendo a sua relação pessoal com os dias e os lugares servido de inspiração ao universo do disco. Consigo estarão quatro grandes músicos do panorama nacional e internacional, companheiros chave do seu percurso, com os quais tem desenvolvido uma grande afinidade musical ao longo dos últimos anos.

Marcos Cavaleiro Bateria e Composição

André Fernandes Guitarra

João Guimarães Sax Alto

José Pedro Coelho Sax Tenor

Demian Cabaud Contrabaixo


Carmo 81

R. Carmo 81, 3500-096 Viseu

foto Marcos Cavaleiro

Eurico Costa e Pedro Vasconcelos são dois músicos com afinidades musicais de longa data. Presenças habituais em projetos reconhecidos no panorama musical nacional e internacional, Axes, The Guit Kune do ou Ensemble Super Moderne. Juntam-se aqui em duo para explorar e celebrar as suas experiências e cumplicidades musicais numa viagem pela improvisação livre, utilizando ora os caminhos do jazz ora as estradas da música contemporânea ou do psicadelismo.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Eurico Costa Guitarra

Pedro Vasconcelos Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Os Puzzle 3 rumam à Galiza e apresentam o seu recentemente editado álbum “D”, dia 25 de março em Ourense no espaço cultural El Cercano. Numa recente parceria de intercâmbio com a Porta-Jazz, o el Cercano apresenta este concerto no ciclo Caminos con Jazz.

O enigmático trio Puzzle 3 apresentou o seu primeiro álbum “D” pelo Carimbo Porta-Jazz ainda em 2021. Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio são 3 músicos recorrentes no catálogo do Carimbo e no meio jazzístico da cidade e propõe-se aqui com este dinâmico e orgânico trio, completar e descodificar o puzzle das suas afinidades e cumplicidades musicais.

Numa música em que predomina a simplicidade e onde o formato canção é explorado, desmontado e reconstruído como se de um Puzzle se tratasse, Neves, Rosado e Sampaio implicam sempre na equação o seu cunho pessoal, a sua assinatura musical. Uma tarefa a três mãos, ou seis no sentido mais literal mas cujo resultado ou objectivo da mesma é sempre e só um, a poética ambiguidade da homogeneidade que se alimenta na heterogeneidade. Como o mais perfeito ramo de flores selvagens.

Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Entrada: 10eur


El Cercano

Rúa Cardenal Quevedo, 20, 32004 Ourense, Espanha

foto Puzzle 3

Um quarteto internacional a criar a ponte entre o melhor jazz oriundo do seu berço, a américa do norte e o jazz criado em Portugal.

O veterano Jeff Williams que ao longo da sua carreira como baterista já acompanhou históricos desta música como Lee Konitz e Stan getz e John O‘ Gallagher, proeminente saxofonista na cena jazz nova iorquina, juntam-se ao trompetista lisboeta Gonçalo Marques e a Demian Cabaud, contrabaixista Franco-Argentino a residir em Portugal há quase duas décadas.

Um quarteto com dimensões titânicas tal a importância e o valor que estes quatro músicos representam na cena jazzística atual, dentro e fora de portas.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Demian Cabaud Contrabaixo

Gonçalo Marques Trompete

John 0’ Gallagher Saxofone

Jeff Williams Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Dois músicos da nova geração do jazz portuense apresentam-se aqui no formato duo e deixam no ar a promessa de um concerto assente nas suas experiências musicais. Com a sua própria música original, a tradição jazzística e a música improvisada como ponto de partida, a viagem musical que o saxofone de Gil Silva e a guitarra de Joaquim Festas propõem será certamente rica e sofisticada quanto aos ingredientes que a compõem e genuína e virtuosa na forma como será entregue.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Gil Silva Saxofone Tenor

Joaquim Festas Guitarra Eléctrica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Um duo pedestre que calcorreia caminhos municipais como quem percorre estradas nacionais. Corre modestamente a dois tempos mas concorre com os pelotões mais ferozes. A pé ou de bicicleta, este duo tem pedal para maratonas, e a música que dele brota deixa corpo e alma revitalizados.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Mortágua Saxofone

Carlos Azevedo Teclados


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Ninhos nasce de uma primeira colaboração entre Joana e Miguel em que a palavra conduz a criação da música. Deste encontro surgiu uma série de temas que incorpora elementos do jazz e da música erudita. Procura, acima de tudo, ascender à organicidade que amarra os momentos escritos aos improvisados, numa temática que apela ao desamarrar das cordas:

“Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Depois de desenvolver o projeto em duo foi sentida a necessidade de expandir esta música e respetiva temática, criando-se assim um quarteto de piano, voz, contrabaixo e bateria, juntando-se Demian Cabaud e João Cardita.

Relata-se o libertar das amarras e a viagem de um chamariz, protagonista destas músicas e representação voadora de nós próprios. Conta-nos, através de letras, as adversidades da sua jornada pelos ares depois da sua emancipação.

Joana Raquel Voz, letras e composição

Miguel Meirinhos Piano e composição

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria


Salão Brazil

Largo do Poço, nº3, 1º Andar Coimbra

foto Ninhos

Dharma Bums é o projeto musical que exprime o universo sonoro criado pelo contrabaixista e compositor Gianni Narduzzi. O nome é uma homenagem ao homónimo livro de Jack Kerouac que tem como temática central a viagem física e interior e a busca de um lugar.

O interrogativo e a procura do lugar ideal representam o leit motif das histórias musicais que os músicos contam.

Reunindo elementos de música escrita e música improvisada dentro de um vasto campo de influências sonoras, assim como literárias e cinematográficas, a sonoridade da banda é inspirada nos quintetos clássicos de bebop e hardbop, com a diferença que ao Piano substitui-se a Guitarra, bem menos comum na tradição jazzística.

O universo musical de compositores e intérpretes mais recentes como Wayne Shorter ou Kurt Rosenwinkel e o mundo literário e as suas personagens são uma grande fonte de inspiração para muitas composições. Para além da componente escrita, a música vive e brilha da improvisação de cada um dos músicos, cujo desafio é encontrar o espaço musical para mostrar a sua voz.

O projeto nasce em finais de 2019 sob o impulso do Gianni Narduzzi, contrabaixista e autor de todas as composições.

Gianni Narduzzi Contrabaixo e Composições

Gil Silva Trombone

Afonso Silva Saxofone Alto

Joaquim Festas Guitarra

Miguel Meirinhos Piano

Gonçalo Ribeiro Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

A lotação do Auditório da FEUP está limitada a 75%.

É obrigatória a apresentação de Certificado Digital ou teste negativo à COVID-19.

* Bilhetes disponíveis nos seguintes locais:

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Lançamento Gianni Narduzzi - Dharma Bums

José Pedro Coelho é um saxofonista estabelecido e reconhecido no panorama jazzístico nacional. Com alguns discos editados em seu nome e participações em dezenas de álbuns tanto de músicos nacionais como internacionais, junta-se aqui ao veterano contrabaixista Filipe Teixeira e ao jovem e talentoso baterista João Cardita para no formato trio sem instrumento harmónico, explorarem as suas preferências e exporem o seu mundo musical numa surpreendente viagem, através da improvisação livre, da música original e dos standards.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


José Pedro Coelho Saxofone

Filipe Teixeira Contrabaixo

João Cardita Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Foto: Adriana Melo (Mínima)

Num tempo de dormência, de servidão voluntária, de alienação, de consumo rápido e superficial, propomos uma viagem entre memórias e o que há de vir, entre fantasias e realidade, entre a ilusão de passeios por florestas e castelos e o conforto do cheiro a terra molhada, entre a vontade continuada de nos superarmos e o saber apreciar e valorizar o que foi conseguido. Esperamos que a viagem possa ser de repouso, de contemplação, de descoberta, chegando a diferentes destinos e conclusões, e encontrando infinitas sensações.

João Mortágua Sax Alto

Hugo Raro Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Salão Brazil

Largo do Poço, nº3, 1º Andar Coimbra

foto Hugo Raro

Foto: Vera Marmelo

Naiad Splash é um projecto liderado por Nuno Trocado, com composições da sua autoria, para um trio em que à guitarra eléctrica de sete cordas de Trocado se somam João Pedro Brandão (saxofone alto) e Hugo Ciríaco (saxofone tenor), e ainda electrónica, tanto sobre suporte como produzida em tempo real.

Em Naiad Splash congrega-se uma exuberância de elementos: a pulsação, a espontaneidade desabrida, o ruído, o quotidiano, o maquinal, o humano, o emocional, sons da mais artificial pureza, o lançamento falhado de um foguetão, uma melodia tradicional, uma fuga, improvisa  o livre, e o silêncio—desolador, reverencial, contemplativo.

Parceiro institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


Nuno Trocado Guitarra Eléctrica, Electrónica

João Pedro Brandão Saxofone Alto

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Foto: Raquel Lemos

O saxofonista João Paulo Silva e o guitarrista Filipe Dias são dois músicos da nova geração emergente no meio jazzistico portuense e nacional. No minimal e intimista formato duo, exploram e viajam na improvisação através dos seus próprios universos musicais que entre outros, albergam mundos como os da música contemporânea ou do jazz mais tradicional.

Reservas/Bookings: (+351) 937 202 918

Entrada - € 10 por pessoa (inclui 1 menu:: 1 pãozote ou 1 pizza primavera ou 2 piadinas + 1 copo de vinho ou 1 fino (Troféu). Todos os produtos têm opção omnívora e vegetariana).

Mediante a disponibilidade, poderão ser vendidos bilhetes à porta do evento.


João Paulo Silva Saxofone Alto

Filipe Dias Guitarra Eléctrica


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Alfred Vogel “Nest”

Bezau beatz é um festival na Áustria criado e impulsionado por músicos, tendo como timoneiro o baterista Alfred Vogel. A habitual troca de projetos entre estes dois Festivais tem levado e trazido muita música a conhecer através deste canal aberto entre as duas instituições.

Para além do emblemático Alfred Vogel com uma carreira a caminho dos 40 anos de existência, neste concerto dos “Nest” podemos também contar com a forte presença de um músico que é seguramente uma das maiores referências do jazz europeu, o genial e virtuoso violinista francês Theo Ceccaldi, o pianista Felix Hauptman e o baterista Leif Berger, dois músicos alemães que são referências importantes do criativo meio jazzístico de Colónia e ainda o contrabaixista e multi-instrumentista americano Chris Dahlgren, colaborador, entre outros nomes de não menos importância, de Anthony Braxton.


Theo Ceccaldi Violino

Felix Hauptman Piano

Chris Dahlgren Contrabaixo

Alfred Vogel Bateria

António Loureiro “Conexão”

O multi-instrumentista brasileiro António Loureiro, com uma carreira de autor em ascenção é já um dos músicos mais requisitados da atual cena da música brasileira. O multi-instrumentista, também cantor, compositor e produtor musical estende os seus créditos do jazz à música popular.

Com uma prestigiante dimensão internacional, Loureiro faz parte do grupo do ícone do jazz mundial Kurt Rosenwinkel, com quem editou “Caipi”.

Como o próprio nome deste projeto indica, apresenta-se aqui em conexão com cinco músicos portugueses de créditos firmados e carreiras não muito distantes da de Loureiro. O super guitarrista André Fernandes, o incansável e colossal saxofonista João Mortágua, o emergente e talentoso trombonista Gil Silva com a sólida e inventiva dupla rítmica, José Carlos Barbosa no contrabaixo e Diogo Alexandre na bateria.


António Loureiro Piano e Teclados

João Mortágua Saxofone

Gil Silva Trombone

André Fernandes Guitarra

José Carlos Barbosa Contrabaixo

Diogo Alexandre Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 7

Encomenda a Daniel Sousa

Daniel Sousa, músico do Porto a residir em Copenhaga e que se assume como saxofonista-alternativo, compositor e produtor, aparece aqui a liderar uma encomenda, rodeado de seis músicos com percursos e ligações académicas e profissionais muito semelhantes.

A Daniel e ao seu saxofone e voz, junta-se a cantora portuguesa a residir em Copenhaga Susana Nunes, o saxofone alto e a flauta transversal de Wanja Slavin, talentoso e emblemático músico alemão já conhecido através de projetos como Amor Amok, os sintetizadores de PJ Fossum, músico Canadiano a viver em Copenhaga, o piano de José Diogo Martins, músico português também com ligações a Copenhaga, o baixista natural de Viseu mas a residir em Lisboa Carlos Borges e o baterista do Porto Eduardo Dias.


Susana Nunes Voz

Daniel Sousa Saxofone, Composição

Wanja Slavin Saxofone Alto, Flauta Transversal

PJ Fossum Sintetizadores

José Diogo Martins Piano

Carlos Borges Baixo

Eduardo Dias Bateria

Miguel Ângelo Quarteto “Dança dos desastrados”

Com uma carreira espelhada em três discos editados pelo Carimbo Porta-Jazz o Miguel Ângelo Quarteto apresenta neste Festival o seu terceiro trabalho discográfico com o título de “Dança dos Desastrados”.

Os companheiros de Miguel Ângelo são os mesmo desde que o quarteto viu a luz do dia e essa resiliência e dedicação são bem visíveis e especialmente audíveis no trabalho produzido pelo sempre sofisticado e original saxofonista portuense João Guimarães, o relaxado e poderosamente gracioso pianista de Viseu Joaquim Rodrigues e o “maestro” Marcos Cavaleiro na bateria.


João Guimarães Saxofone

Joaquim Rodrigues Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 6

Residência AMR/Porta-Jazz

A dimensão e o alcance da Porta-Jazz estão constantemente a atravessar fronteiras, sejam elas artísticas e conceptuais ou apenas fronteiras físicas e distantes. Exemplo dessa quase globalização artistíca e encurtamento de distâncias é a habitual parceria com a Amr, Associação de músicos Suiça com base em Genebra e que funciona com propósitos e moldes parecidos à sua congénere portuguesa.

O clarinetista e saxofonista Eloi Calame e o contrabaixista Pierre Balda, dois músicos do meio jazzístico Suiço, são os “enviados especiais” para esta missão em terreno Portuense. Quem por aqui os acolhe em residência são três talentosos e emergentes jovens músicos da cidade do Porto. O saxofonista Afonso Silva, o guitarrista Hugo Ferreira e o baterista João Pedro Almeida.


Afonso Silva Saxofone

Eloi Calame Clarinete, Saxofone

Hugo Ferreira Guitarra

Pierre Balda Contrabaixo

João Pedro Almeida Bateria

Wiz

Wiz é o título do primeiro albúm do trio Wiz e que ocupa o lugar 76 do catálogo do Carimbo Porta-Jazz. Ao reconhecido saxofonista português José Pedro Coelho junta-se o guitarrista francês a residir na Galiza, Wilfried Wilde e o baterista espanhol Iago Fernández para materializarem as suas afinidades musicais através das suas próprias composições.

Deste concerto, a envolver um dos mais lapidares saxofonistas do Jazz nacional com dois músicos da cena jazzística da vizinha Espanha, mais concretamente da Galiza. Espera-se uma música que vagueia entre a liberdade da improvisação e o rigor da composição num caleidoscópio sonoro que nos transporta para as mais infinitas e oníricas paisagens.


José Pedro Coelho Saxofone

Wilfred Wilde Guitarra

Iago Fernandez Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 5

Demian Cabaud “Otro Cielo”

“Otro Cielo” foi o primeiro disco a ser editado pelo carimbo em 2021. Neste trabalho Cabaud rodeou-se de companheiros de longa data e reconhecidas cumplicidades como o seu habitual braço direito, o baterista Marcos Cavaleiro ou José Pedro Coelho, seminal saxofonista e parceiro de outros seus discos, mas também o incansável saxofonista e flautista João Pedro Brandão e o luminoso pianista João Grilo a fazerem a sua estreia num trabalho discográfico do mestre Cabaud.

“Otro Cielo” é uma bonita viagem pelos céus da improvisação a bordo de uma aeronave que se alimenta do jazz, da música erudita e da música de raíz mais popular como seu combustível e essa combustão, acontece!


José Pedro Coelho Saxofone

João Pedro Brandão Saxofone e Flauta

João Grilo Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria

"Sombras da Imperfeição" Concerto Desenhado

Ainda no ano de 2020, em novembro, calhou ao pianista Hugo Raro a vez de abraçar a parceria porta-jazz / Guimarães Jazz. Nesta história a dois que já conta com varios discos editados e em que a música se mistura sempre com outra arte, seja ela performativa ou plástica, Hugo Raro juntou a eclética formação de Piano, Guitarra Portuguesa, Clarinete Baixo e percussão e acrescentou-lhe o artista plástico Jas para criar pinturas em tempo real. Pinturas baseadas numa música que as acompanha, sendo muitas vezes essa música ela própria moldada e inspirada pela pintura que em tempo real vai acontecendo.

Sendo um projeto complexo de apresentar devido à especificidade do enlace banda/pintor e toda a logística que daí advém, torna-se este concerto assim uma oportunidade rara, como de resto o seu criador o é, tanto em sensibilidade artística como em nome.

São as “Sombras da Imperfeição” com Hugo Raro, Miguel Amaral, Rui Teixeira, Miguel Sampaio e Jas.


Hugo Raro Piano

Miguel Amaral Guitarra Portuguesa

Rui Teixeira Clarinete Baixo

Miguel Sampaio Percussão

JAS Arte Plástica


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 4

Joana Raquel Miguel Meirinhos “Ninhos”

Neste seu primeiro disco, Joana Raquel, cantora com presença recorrente em projetos emblemáticos e lapidares de uma nova geração do jazz nacional como o duo de voz e saxofone 293-Diagonal ou em incursões pelo mundo do Hip Hop ao lado de “Capicua” e Miguel Meirinhos, talentoso e original pianista presente ora em projetos desta fervillhante nova geração ora ao lado do veterano e icónico Mário Barreiros e o seu quarteto, convidam o incontornável e omnipresente contrabaixista Demian Cabaud e o talentoso baterista João Cardita para juntos trabalharem e soltarem para o mundo as suas composições e letras originais.


Joana Raquel Voz

Miguel Meirinhos Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria

Puzzle 3 “D”

O enigmático trio Puzzle 3 apresentou o seu primeiro álbum “D” pelo Carimbo Porta-Jazz ainda em 2021. Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio são 3 músicos recorrentes no catálogo do Carimbo e no meio jazzístico da cidade e propõe-se aqui com este dinâmico e orgânico trio completar e descodificar o puzzle das suas afinidades e cumplicidades musicais.

De Puzzle 3 podemos sempre contar com uma música imersa em ideias complexas mas que se apresentam simples ou em ideias simples que adquirem profundidade através da entrega e da mestria gerada por os três cantos deste.


Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 3

Vera Morais & Hristo Goleminov

Vera Morais é uma cantora, improvisadora e compositora portuguesa que tal como Hristo Goleminov reside em Amsterdão. Este duo, que por lá se formou, justapõe as suas duas vozes num espaço onde a poesia coabita com a improvisação. Onde se constroi e se descontrói a palavra e os sons. Plenos de elasticidade e munidos de um precioso e discreto vistuosismo, a música deste duo ora soa minimal como a sua própria natureza, ora soa orquestral, como uma agradável e quase onírica ilusão.


Vera Morais Voz

Hristo Goleminov Saxofone

Ensemble Robalo / Porta-Jazz

A cantora Leonor Arnaut, o trompetista João Almeida e o contrabaixista João Fragoso são os músicos representantes da Associação Robalo, na habitual parceria com a Associação Porta-Jazz neste 12º Festival. A estes 3 jovens e talentosos músicos junta-se em representação da Porta-Jazz o jovem baterista Gonçalo Ribeiro e os mais experientes e estabelecidos guitarristas do Porto, Eurico Costa e Nuno Trocado. Mais uma vez em formato de residência, estes seis músicos irão apresentar o resultado de um encontro que a ver pelo ecletismo geracional do ensemble mais a reconhecida entrega que imprimem na sua arte, tem tudo para ser um projeto de futuro ou na pior das hipóteses uma boa memória de um festival passado.


Leonor Arnaut Voz

João Almeida Trompete

Eurico Costa Guitarra

Nuno Trocado Guitarra

João Fragoso Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 2

Manuel Linhares "Suspenso" (Lançamento CD) (PT/BR)

“Suspenso” é o título do álbum que o cantor Manuel Linhares lança durante este festival. Este é um trabalho que nasce como o próprio título sugere em tempos de suspensão. Neste “Suspenso”, Manuel Linhares entrega a tarefa de produção ao surpreendente multi-instrumentista brasileiro António Loureiro que imprime a sua assinatura no resultado final das belas composições e letras de Linhares.

Este seu terceiro álbum,o primeiro pelo Carimbo Porta-Jazz, é pleno em cumplicidades e parcerias felizes como as valiosas colaborações à distância com prestigiados músicos como o saxofonista americano David Binney ou os brasileiros Frederico Heliodoro, Rubinho Antunes e ainda Alexandre Andrés.

No palco do Rivoli a apresentar “Suspenso” não estará certamente este “Line up” de proporções quase sinfónicas, mas pode-se contar com António Loureiro como músico convidado em palco a par de Manuel Linhares, Paulo Barros, José Carlos Barbosa e João Cunha. Uma coisa é certa, neste caso valeu a pena o tempo “Suspenso”.


Manuel Linhares Voz

Paulo Barros Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

João Cunha Bateria

António Loureiro Músico convidado

Coreto "A Tribo" (PT, SP)

O Coreto é um coletivo liderado por João Pedro Brandão, saxofonista, flautista e compositor que em 2012 edita “Aljamia” o primeiro de 5 discos editados até à data por este Coreto e que dá o pontapé de saída no já vasto catálogo do Carimbo Porta-Jazz.

O álbum que aqui é apresentado, “A Tribo” , viu a luz do dia em setembro de 2021 e mais uma vez conta com a música original de Brandão.

Mais uma vez o Coreto oferece uma homogênia soma de muitas e diferentes partes, ideias e conceitos musicais. Tantas neste caso, quanto os membros que fazem parte deste novo “A Tribo”.


João Pedro Brandão Saxofone alto, flauta

José Pedro Coelho Saxofone tenor

Hugo Ciríaco Saxofone tenor

Rui Teixeira Saxofone barítono

Ricardo Formoso Trompete, Fliscorne

Gonçalo Marques Trompete

Daniel Dias Trombone, Voz

Andreia Santos Trombone

AP Guitarra

Hugo Raro Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

imagem 11º Festival Porta-Jazz Bloco 1

Numa conversa com a duração de uma hora e meia, António Loureiro propõe uma masterclasse sobre composição, arranjos e produção musical tendo em conta a sua trajetória e como base a música popular brasileira.

Uma oportunidade única para ouvir e aprender diretamente com um mestre desta música as suas experiências, percursos e métodos de trabalho nunca esquecendo o universo jazzístico em que se move.

António Loureiro, produtor, compositor e músico multi-instrumentista é já uma das referências e um dos músicos mais requisitados da atual cena musical brasileira e internacional. Dos seis discos em nome próprio destaca-se o mais recente “Livre” que em digressão apresentou pelo Brasil, Japão, Portugal e Alemanha. Colaborador do guitarrista norte-americano Kurt Rosenwinkel, com quem gravou “Caipi” e assim tocou em festivais internacionais como Montreux Jazz e Montreal Jazz Festival numa digressão que incluiu mais de trinta países, também toca habitualmente com nomes importantes da cena brasileira como o guitarrista Pedro Martins ou Toninho Horta.

Inscrições

Até 3 de Abril

producao.portajazz@gmail.com


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

foto António Loureiro

Como se vem ao mundo!

No ano em que se realiza o segundo Festival desde que o mundo se alterou e depois de uma décima-primeira edição atípicamente ao ar livre, a Porta-Jazz, neste vai e vem de portas que se abrem e fecham, regressa ao calor do mítico Rivoli, revolucionando o espaço de acção do Festival e abolindo o mais que pode as divisões entre salas, palcos e processos.

Nesta demanda quase existencialista e apontando o foco à translucência presente na própria forma de existir e agir, quer-se com este formato de Festival, também e através da multidiversidade transversal e metamorfósica das suas propostas, proporcionar ao público uma visão mais livre dos ornamentos e liturgias de um palco convencional. Um palco aberto e diáfano que na sua transparência, espelha o nu e o cru. Sinónimos de uma arte genuína e humanizante, forjada com a alma e o amor.

O 12º Festival Porta-Jazz é mais uma vez uma mostra de um meio local que nunca deixou de acolher e crescer com o restante e circundante mundo. São 17 concertos em três dias envolvendo mais de oitenta músicos sem contar com equipas de produção. Nesta extensa lista de concertos não falta a presença do prolífico braço editorial da associação, o Carimbo Porta-jazz, com lançamentos e estreias e concertos de alguns músicos e projetos editados em 2021. Uma mostra, como já se salientou, multidimensional no espaço modularmente expansível e intercomunicante em que decorre, bem como onde se alimenta, inspira e materializa artisticamente.

Uma dinâmica que se revela em forma de residências e parcerias artisticas com outras associações de músicos nacionais como a já habitual Robalo de Lisboa ou a Amr, associação Suiça com base em Genebra e a parceria com o festival Austríaco Bezau Beatz. Encomendas e estreias a músicos em ascenção e na diáspora, seminários e concertos com nomes mais estabelecidos e internacionais, cruzamentos em palco com outras artes como a pintura, em tempo real e Ensembles de escolas com honras de abertura das tradicionais “Jam Sessions”.

Neste carrossel de celebração musical de mecanismo aberto, o 12º Festival Porta-Jazz apresenta-se nu. Não literalmente, evitando a frieza do tempo e dos costumes, mas de uma forma metafórica. A metáfora da nossa existência, livres, claros e simplificados, como se vem ao mundo!


Mais Info


Rivoli

R. do Bonjardim 143, 4000-440 Porto

cartaz 12º Festival Porta-Jazz

peixe-boi é a junção provável de três amigos que partilham gostos e ideias musicais.

A música parte maioritariamente de fragmentos melódicos, formas específicas ou texturas subtis, submetidas ao improviso e à procura conjunta de liberdade dentro de contextos mais estruturados. 

Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


João Fragoso Contrabaixo

Miguel Rodrigues Bateria

João Carreiro Guitarra


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Os “PAIRA” são um quarteto expressivo das estéticas e direções artísticas tomadas pela nova geração do jazz nacional. Com raízes no meio jazzístico portuense, o inventivo trompetista Pedro Jerónimo, o talentoso e surpreendente Gil Silva que aqui troca o trombone pelo saxofone tenor, não deixando certamente créditos por mãos alheias, o contrabaixista Pedro Molina e o cada vez mais presente baterista Gonçalo Ribeiro apresentam-se como “algo que “PAIRA” no ar, a sustentabilidade emitida pelas composições apresentadas revelam uma enorme liberdade na expressão musical com o recurso da improvisação livre. Se “PAIRA” e está em constante mudança, pois assim o é devido ao confortável/seguro e incómodo/desconfortável da criação musical apresentada por este grupo.”

Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Pedro Jerónimo Trompete

Gil Silva Saxofone Tenor

Pedro Molina Contrabaixo

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

2021

Copal é o disco de estreia de Eurico Costa Trio e o novo lançamento do Carimbo Porta-Jazz.

Eles são Eurico Costa na Guitarra Elétrica e composições, Demian Cabaud no contrabaixo e Marcos Cavaleiro na Bateria.

Nas palavras do autor:

O trio é um lugar, um espaço onde, embora acompanhado, nunca se sufoca.

Tão longe dos constrangimentos da multidão como do isolamento da individualidade, esta é uma formação que abre portas a dimensões próprias, sempre em busca de um equilíbrio de forças, a pedir a generosidade de cada parte para a construção de um todo mais uno. Isso leva a que o presente se torne no único assunto possível, e o processo de composição num exercício de contenção e fé.

Desse paradigma surge este repertório, por vezes numa alusão a imaginários mais pop ou à procura das matizes do jazz, outras só a contemplar um tempo repleto de som. Nele procura-se evocar episódios, pessoas e lugares de um universo que se quer preservar irreal e idílico, néctar de sonhos. São os fios que tecem pedaços de vidas. As nossas.

Eurico Costa Guitarra e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


O acesso é gratuito (sujeito à lotação da sala), mediante levantamento antecipado de bilhete.*

A lotação do Auditório da FEUP está limitada a 75%.

É obrigatória a apresentação de Certificado Digital ou teste negativo à COVID-19.

* Bilhetes disponíveis nos seguintes locais:

Infodesk/FEUP: segunda a sexta-feira, 9:30-13:00; 14:00-17:30

Dias de espetáculo: abertura da bilheteira uma hora antes do início do espetáculo

Mais informações: ccultur@fe.up.pt


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Lançamento Eurico Costa Trio - Copal

Depois de muitas voltas nos últimos 10 anos (Torto, OtrotortO), Ry Vuh é outro ponto de encontro de Jorge Coelho e Jorge Queijo, guitarra e percussão. Um êxtase de som de difícil acesso e um mapa desquantizado para percorrer terreno imaginado. Em preparos lentos para concertos em 2022, esta apresentação é uma espreitadela pela porta entreaberta.

Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Jorge Coelho Guitarra

João Queijo Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Jazz à Mesa

Tal como as sombras não existem sem a luz também a vida só se completa aceitando as imperfeições nela e em nós existentes.

Seguindo a premissa, presente desde a primeira edição da parceria que a Porta-Jazz mantém com o Guimarães Jazz, de criar um projecto de natureza multidisciplinar através da colaboração artística entre músicos e um artista de uma outra área criativa, Hugo Raro convidou o artista plástico JAS para juntamente com Rui Teixeira no clarinete baixo, Miguel Amaral na guitarra portuguesa e Alex Lázaro na bateria e percussões criarem um concerto desenhado.

São conversas entre música e sombras desenhadas tendo como motivo a imperfeição e a beleza que essa imperfeição pode conter, e aceitando as suas sombras como parte integrante da realidade para que ambas se tornem, tranquilamente, companheiras inevitáveis da consciência.

No seu formato original, o artista plástico Jas desenha em tempo real e em palco com os músicos. Este projeto apresenta-se aqui com um formato adaptado ao espaço em que os quadros foram especificamente desenhados e previamente filmados para projeção durante esta atuação.

No palco e em interação com o video estarão Hugo Raro no Piano e composição, Rui Teixeira no Clarinete Baixo, Miguel Amaral na Guitarra Portuguesa e Miguel Sampaio na bateria e percussões.


Hugo Raro Piano e Composição

Rui Teixeira Clarinete baixo

Miguel Amaral Guitarra Portuguesa

Miguel Sampaio Bateria e Percussões

JAS Cenografia/Video

O Eixo do Jazz, com o apoio do programa Garantir Cultura faz, este ano de 2021, três pequenas edições do Jazz na Caixa que perseguem os objectivos da associação. Houve participações, em todas as edições, de músicos galegos, levou-se o jazz ao público do futuro - as crianças, divulgaram-se projectos, criando mais público em Famalicão e retribuindo o trabalho dos músicos e dos técnicos envolvidos de forma digna.

Para a Terceira Parte, em dezembro, convidamos a Porta Jazz para fazer a curadoria de um fim de semana no Museu Ferroviário de Lousado, mantendo assim a ligação com a Rede de Museus de Famalicão, com quem já temos feito algumas apresentações de jazz, e retribuindo à Porta Jazz o apoio que nos tem dado, desde 2017, na divulgação do jazz em Famalicão.


Dia 4

17h00 | Joana Raquel e Miguel Meirinhos

18h30 | Puzzle 3

Dia 5

17h00 | WIZ

18h30 | Hugo Raro "Sombras da Imperfeição"


Museu Ferroviário de Lousado

Lousado

imagem Jazz na Caixa Hugo Raro

“WIZ” o novo disco do Carimbo Porta-Jazz.

Wiz é o título do primeiro álbum do trio Wiz e que ocupa o lugar 76 do catálogo do Carimbo Porta-Jazz. Ao internacionalmente reconhecido saxofonista português José Pedro Coelho junta-se o guitarrista francês Wilfried Wilde e o baterista galego Iago Fernández para materializarem as suas afinidades musicais através das suas próprias composições.

Uma música que vagueia entre a liberdade da improvisação e o rigor da composição num caleidoscópio sonoro que nos transporta para as mais infinitas e oníricas paisagens.


José Pedro Coelho Saxofone / Composição

Wilfried Wilde Guitarra / Composição

Iago Fernández Bateria / Composição

O Eixo do Jazz, com o apoio do programa Garantir Cultura faz, este ano de 2021, três pequenas edições do Jazz na Caixa que perseguem os objectivos da associação. Houve participações, em todas as edições, de músicos galegos, levou-se o jazz ao público do futuro - as crianças, divulgaram-se projectos, criando mais público em Famalicão e retribuindo o trabalho dos músicos e dos técnicos envolvidos de forma digna.

Para a Terceira Parte, em dezembro, convidamos a Porta Jazz para fazer a curadoria de um fim de semana no Museu Ferroviário de Lousado, mantendo assim a ligação com a Rede de Museus de Famalicão, com quem já temos feito algumas apresentações de jazz, e retribuindo à Porta Jazz o apoio que nos tem dado, desde 2017, na divulgação do jazz em Famalicão.


Dia 4

17h00 | Joana Raquel e Miguel Meirinhos

18h30 | Puzzle 3

Dia 5

17h00 | WIZ

18h30 | Hugo Raro "Sombras da Imperfeição"


Museu Ferroviário de Lousado

Lousado

imagem Jazz na Caixa WIZ

Imaginação a. história peça surge a a Peça .

Este através constrói da de peças que músico cada um compõe.

trio junção


O enigmático trio Puzzle 3 apresenta o seu primeiro álbum “D” pelo Carimbo Porta-Jazz. Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio são 3 músicos recorrentes no catálogo do Carimbo e no meio jazzístico da cidade e propõe-se aqui com este dinâmico e orgânico trio completar e descodificar o puzzle das suas afinidades e cumplicidades musicais.


Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria

O Eixo do Jazz, com o apoio do programa Garantir Cultura faz, este ano de 2021, três pequenas edições do Jazz na Caixa que perseguem os objectivos da associação. Houve participações, em todas as edições, de músicos galegos, levou-se o jazz ao público do futuro - as crianças, divulgaram-se projectos, criando mais público em Famalicão e retribuindo o trabalho dos músicos e dos técnicos envolvidos de forma digna.

Para a Terceira Parte, em dezembro, convidamos a Porta Jazz para fazer a curadoria de um fim de semana no Museu Ferroviário de Lousado, mantendo assim a ligação com a Rede de Museus de Famalicão, com quem já temos feito algumas apresentações de jazz, e retribuindo à Porta Jazz o apoio que nos tem dado, desde 2017, na divulgação do jazz em Famalicão.


Dia 4

17h00 | Joana Raquel e Miguel Meirinhos

18h30 | Puzzle 3

Dia 5

17h00 | WIZ

18h30 | Hugo Raro "Sombras da Imperfeição"


Museu Ferroviário de Lousado

Lousado

imagem Jazz na Caixa Puzzle 3

Estreia do projeto e apresentação de single.

Ninhos nasce de uma primeira colaboração entre Joana e Miguel em que a palavra conduz a criação da música.

Deste encontro surgiu uma série de temas que incorpora elementos do jazz e da música erudita. Procura, acima de tudo, ascender à organicidade que amarra os momentos escritos aos improvisados, numa temática que apela ao desamarrar das cordas:

“Acordámos num lugar livre. Livre das cordas com que nós próprios nos amarrámos. Acordámos num local amplo, diferente daquele onde adormecemos. Livres da própria redoma, respiramos infinitamente, sem que o oxigénio se esgote.”

Depois de desenvolver o projeto em duo foi sentida a necessidade de expandir esta música e respetiva temática, criando-se assim um quarteto de piano, voz, contrabaixo e bateria, juntando-se Demian Cabaud e João Cardita. Relata-se o libertar das amarras e a viagem de um chamariz, protagonista destas músicas e representação voadora de nós próprios. Conta-nos, através de letras, as adversidades da sua jornada pelos ares depois da sua emancipação.


Joana Raquel Voz, Letras e Composição

Miguel Meirinhos Piano e Composição

Demian Cabaud Contrabaixo

João Cardita Bateria

O Eixo do Jazz, com o apoio do programa Garantir Cultura faz, este ano de 2021, três pequenas edições do Jazz na Caixa que perseguem os objectivos da associação. Houve participações, em todas as edições, de músicos galegos, levou-se o jazz ao público do futuro - as crianças, divulgaram-se projectos, criando mais público em Famalicão e retribuindo o trabalho dos músicos e dos técnicos envolvidos de forma digna.

Para a Terceira Parte, em dezembro, convidamos a Porta Jazz para fazer a curadoria de um fim de semana no Museu Ferroviário de Lousado, mantendo assim a ligação com a Rede de Museus de Famalicão, com quem já temos feito algumas apresentações de jazz, e retribuindo à Porta Jazz o apoio que nos tem dado, desde 2017, na divulgação do jazz em Famalicão.


Dia 4

17h00 | Joana Raquel e Miguel Meirinhos

18h30 | Puzzle 3

Dia 5

17h00 | WIZ

18h30 | Hugo Raro "Sombras da Imperfeição"


Museu Ferroviário de Lousado

Lousado

imagem Jazz na Caixa Joana Raquel & Miguel Meirinhos

Um projeto que procura sempre cruzar diferentes áreas artísticas e que este ano é liderado pela mutifacetada cantora Inês Malheiro que junta a sua voz e electrónica ao trompetista João Almeida, ao saxofone e electrónica de Daniel Sousa, ao guitarrrista José Vale e ao baterista Vicente Mateus. Inês Malheiro junta este grupo de músicos com a artista plástica Carolina Fangueiro numa performance/concerto que é, de acordo com as palavras dos seus criadores, “a ligação do espaço sonoro com o espaço cénico”, numa tentativa de expandir o impacto sensorial da música para o domínio da visualidade, iluminando assim a presença primordial que antecede o som.


Apresentação dos CD’s Porta-Jazz / Guimarães Jazz 2019 e 2020 | 18h30

Antes do concerto do projeto deste ano, serão apresentados os discos resultantes das edições anteriores: 2019 (composta por Miguel Moreira, Lucien Dubuis, Mário Costa, Rui Rodrigues e Valter Fernandes) e 2020 (formada por Hugo Raro, Miguel Amaral, Rui Teixeira, Alex Lázaro e JAS).

Mais info

Inês Malheiro Voz e Electrónica

João Almeida Trompete

Daniel Sousa Saxofone e Electrónica

José Vale Guitarra

Vicente Mateus Bateria

Carolina Fangueiro Escultura, Cenografia


Black Box do Centro Internacional das Artes José de Guimarães

Av. Conde de Margaride 175, 4810-535 Guimarães

foto Inês Malheiro

Lembram-se do Clubedo? Está de volta neste mês de Outubro e até ao dia 9 de Novembro. Nesta reedição do Clubedo pretende-se mais uma vez divulgar o trabalho de mais de duas dezenas de músicos locais, nacionais e internacionais com 10 concertos em parceria com 6 locais míticos e emergentes do circuito musical portuense.


Descarregar Programa

Terça-Feira, 12 de Outubro, 20:30 | Maus Hábitos | Pedro Melo Alves + Julius Gabriel

Quarta-Feira, 13 de Outubro, 21:30 | FEUP | WIZ (Lançamento CD)

Sábado, 16 de Outubro, 19:00 | Mira Forum | DUOT (Albert Cirera, Ramon Prats)

Terça-Feira, 19 de Outubro, 20:30 | Maus Hábitos | This is Water

Sábado, 23 de Outubro, 21:30 | Passos Manuel | João Mortágua "Holi"

Terça-Feira, 26 de Outubro, 20:30 | Maus Hábitos | Daniel Sousa + Afonso Silva

Domingo, 31 de Outubro, 19:00 | M.ou.Co | Sketch Route

Terça-Feira, 02 de Novembro, 20:30 | Maus Hábitos | Filipe Louro + José Soares

Domingo, 07 de Novembro, 21:30 | Hot Five Uptown | AP Quartet

Terça-Feira, 09 de Novembro, 20:30 | Maus Hábitos | Ensemble Colores (feat. Hery Paz, Luis Nacht, Sergio Wagner)

Cartaz clubedo 2021

“WIZ” o novo disco do Carimbo Porta-Jazz

Wiz é o título do primeiro albúm do trio Wiz que aqui se apresenta no lugar 76 do catálogo do Carimbo Porta-Jazz. Ao internacionalmente reconhecido saxofonista português José Pedro Coelho junta-se o guitarrista francês Wilfried Wilde e o baterista espanhol Iago Fernández para materializarem as suas afinidades musicais através das suas próprias composições.

Uma música que vagueia entre a liberdade da improvisação e o rigor da composição num caleidoscópio sonoro que nos transporta para as mais infinitas e oníricas paisagens.


José Pedro Coelho Saxofone / Composição

Wildried Wilde Guitarra / Composição

Iago Fernández Bateria / Composição


Lançamento Carimbo Porta-Jazz

Foto WIZ

Cartaz Lançamento WIZ

Acesso gratuito (sujeito a lotação da sala) mediante levantamento antecipado de bilhete

Bilhetes disponíveis 5 dias úteis antes da data do espectáculo no infedesk/feup

Horário: Segunda a Sexta-feira, 9:30 - 13:00 / 14:00 - 17:30

Dias de Espectáculo : Abertura da bilheteira uma hora antes do início do espectáculo


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz clubedo 2021

O Ciclo de Polinização Musical é o encontro derradeiro entre a música e Paredes de Coura. São 9 fins de semana temáticos dedicados à música clássica, jazz e tradicional.

O oitavo fim de semana é dedicado ao jazz e decorre entre 8 e 10 de outubro.


Entrada gratuita e limitada à lotação dos espaços. Consoante as condições meteorológicas, os concertos podem sofrer alteração de local.


Este ciclo de concertos e atividades culturais é uma iniciativa do Município de Paredes de Coura, em parceria com a Associação Cultural LANDRA e a Associação Porta-Jazz, desenvolvida no âmbito da candidatura Programação Cultural em Rede – Património Cultural NORTE, com o projeto “Polinização Cultural”.

Programação

08 de outubro, 21h30, Centro Cultural de Paredes de Coura Puzzle 3 "D"

09 de outubro, 10h30, Caixa de Música Locomotiva - Oficina de Jazz | Com André B. Silva e Pedro Neves

09 de outubro, 21h30, Centro Cultural de Paredes de Coura João Pedro Brandão - "Trama no Navio"

10 de outubro, 10h30, Caixa de Música Locomotiva - Oficina de Jazz | Com André B. Silva e Pedro Neves

10 de outubro, 17h30, Museu Regional de Paredes de Coura Miguel Ângelo - "Dança dos Desastrados"


Mais info:

https://www.ciclodepolinizacao.paredesdecoura.pt/

Paredes de Coura

Cartaz Ciclo de Polinização Outubro

E os concertos Blind Dates prosseguem esta semana com mais um duo de dois jovens músicos da cena jazzistica local. O guitarrista Rui Catarino e o baterista João Cardita avançam para palco para mais uma sessão deste ciclo resultante da parceria Porta-Jazz/Espaço Maus-Hábitos que já quase completou um ano de existência.

Tudo esta terça-feira dia 5 de Outubro no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Rui Catarino Guitarra Eléctrica

João Cardita Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

A tribo anuncia-se,

A tribo evolui,

A tribo estende, distende e pretende  continuar.

Ora tumultuosa como um curso de água selvagem, ora plácida e contemplável como um leito de águas lentas numa noite de grande lua.

A tribo olha para o céu.

Canta enquanto conta estrelas,

um coro celeste que se encanta e comove com o universo.

A tribo quer o universo e o amor,

A tribo é o universo,

A tribo descansa, cresce e insiste.

Insiste num "óbvio" que poucos parecem ver.

A tribo é profunda e ao mesmo tempo jovialmente simples.

A tribo olha para o céu e assim permanece.

A tribo...

(Rui Teixeira)


“A Tribo” pretende ser uma imagem para a nossa passagem no Planeta Terra, refletindo sobre as várias facetas da nossa vida enquanto indivíduos, sociedade e como parte integrante de um todo a respeitar e proteger.

Neste novo projecto, com nova música de João Pedro Brandão, o Coreto vagueia entre a música escrita e improvisada, procurando espaços para cada um dos músicos, realçando as suas vozes individuais e criando ambientes em que as suas afinidades são cruciais. A música terá espaço para a criação colectiva integrando-a com a música escrita, tirando o máximo partido da paleta sonora e originalidade destes 12 instrumentistas.

Music by João Pedro Brandão

João Pedro Brandão Saxofone Alto, Flauta

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Hugo Ciríaco Saxofone Tenor

Rui TeixeiraSaxofone Barítono

Ricardo Formoso Trompete, Fliscorne

João Almeida Trompete

Daniel Dias Trombone, Voz

Andreia Santos Trombone

AP Guitarra

Hugo Raro Piano

José Carlos Barbosa Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Lançamento Carimbo Porta-Jazz


Acesso gratuito (sujeito a lotação da sala) mediante levantamento antecipado de bilhete

Bilhetes disponíveis 5 dias úteis antes da data do espectáculo no infedesk/feup

Horário: Segunda a Sexta-feira, 9:30 - 13:00 / 14:00 - 17:30

Dias de Espectáculo : Abertura da bilheteira uma hora antes do início do espectáculo


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Lançamento Coreto - A Tribo

O guitarrista Hugo Ferreira e o contrabaixista Pedro André são os músicos convidados desta semana para mais uma sessão de “Blind Dates” no Espaço Maus Hábitos. A carta de intenções dos mesmos é bem clara, plena de curtas palavras e objectiva nos seus propósitos:

"Hugo Ferreira e Pedro André estreiam-se pela primeira vez em duo. Pretendem abordar conversas, ideias e interações sem nunca antes o terem feito, pelo menos através de música. De uma forma resumida, propõem-se a falar do mesmo que sempre tem falado, mas de uma maneira diferente e imprevisível."

À semelhança das edições anteriores, o material literário foi entregue a cada compositor para concretização do que serão chamados de: sonhos de I a X.

Os compositores foram convidados a incluir nas composições musicais: frases, palavras, sílabas, quem sabe também, respostas a coisas escritas no trecho respetivo.

A prometida e musical conversa será esta terça-feira dia 28 no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Hugo Ferreira Guitarra Eléctrica

Pedro André Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

3ª edição do projeto do acaso tem como objeto os sonhos.

Espaço de resoluções ou tentativa surreal de alcança-las. Catarse civil – imaginemos que a humanidade é uma pessoa que dorme. Imaginemos que nos seus sonhos os movimentos sociais dançam numa libertação explicita das suas vontades. Imaginemos que colocamos isso em palco, acessível aos olhos de todos.

À semelhança das edições anteriores, o material literário foi entregue a cada compositor para concretização do que serão chamados de: sonhos de I a X.

Os compositores foram convidados a incluir nas composições musicais: frases, palavras, sílabas, quem sabe também, respostas a coisas escritas no trecho respetivo.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Sofia Teixeira, Jorge Santos Ribeiro, Tiago Batista, Hugo Santos e Sara Santos Ribeiro Material Literário

Tiago Batista, Pedro Jerónimo, Catarina Rodrigues, Pedro Matos, Sara Santos Ribeiro, Joana Raquel, Inês Malheiro, Sofia Sá, Miguel Meirinhos, Catarina Ribeiro, André Ramahais, Zé Stark Composição

Joana Raquel e Sofia Sá Vozes

Pedro Matos Saxofone Tenor

Pedro Jerónimo Trompete

André Ramalhais Trombone

Tiago Baptista Vibrafone

Catarina Rodrigues, Miguel Meirinhos Piano, Rhodes, Sintetizador

Sara Santos Ribeiro Contrabaixo

Zé Stark Bateria

Jan Wiertzba Direção musical


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Nos Blind Dates desta semana Mané Fernandes e Pedro Vasconcelos aproveitam para em duo apresentarem o seu BounceCore DUO. Dois músicos com afinidades de longa data e créditos firmados no meio jazzistico e da música improvisada que aqui se juntam como uma redução da formação de Bouncelab, disco de Mané Fernandes editado pelo Carimbo Porta-Jazz em 2014. Um duo que com toda a certeza nos vai oferecer uma experiência plena de uma emotiva, eclética e virtuosa improvisação. Guitarra, bateria e electrónicas serão as naus destes “novos argonautas” na procura do melhor dos ouros, o musical. Uma viagem imperdível esta terça-feira no Espaço Maus Hábitos às 20:30.

Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Mané Fernandes Guitarra/electrónica

Pedro Vasconcelos Bateria/percussões


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Imaginação a. história peça surge a a Peça .

Este através constrói da de peças  que músico cada um compõe.

trio junção

O enigmático trio Puzzle 3 apresenta o seu primeiro álbum “D” pelo Carimbo Porta-Jazz. Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio são 3 músicos recorrentes no catálogo do Carimbo e no meio jazzístico da cidade e propõe-se aqui com este dinâmico e orgânico trio completar e descodificar o puzzle das suas afinidades e cumplicidades musicais.

Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Mais uma vez integrados na histórica feira do livro do Porto a Porta-Jazz apresenta este ano 3 concertos de discos editados no ano de 2021 pelo Carimbo, braço editorial da Associação.

Miguel Ângelo Quarteto com o seu “Dança dos Desastrados” , Demian Cabaud com “Otro Cielo” e o trio Puzzle 3 com o seu recente disco “D” estarão presentes nesta edição da Feira do Livro a representar a Porta-Jazz e a oferecer à cidade uma parte do melhor jazz que aqui se vai fabricando.


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Puzzle 3

Foi em 1978 que o cineasta norte-americano John Milius apresentou ao mundo o filme “Big Wednesday”. Uma história plena de humanismo que gravita à volta do surf e da amizade, ou até e porque não, um filme de surf que navega constantemente nas águas da amizade e do humanismo. Serveesta obra do também autor do guião de “Apocalipse Now” como ponto de partida para falarmos dos "Blind Dates" que recomeçam já esta terça-feira, pois quanto mais não seja o titulo escolhido para este filme em Portugal foi "Os três amigos". Brandão, Ciriaco e Teixeira também são 3 amigos e embora já tenham dado os seus créditos no surf, créditos mal parados diga-se, aqui nos "Blind Dates" trocam as pranchas por saxofones e celebram a música o humanismo e a amizade. Só não será um "Big Wednesday" porqueo concerto destes 3 amigos é numa terca-feira, ou seja já hoje.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Hugo Ciríaco Saxofones

João Pedro Brandão Saxofone

Rui Teixeira Saxofones


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

“Otro Cielo” é o novo trabalho de Demian Cabaud e a 4ª edição discográfica deste contrabaixista e compositor Argentino radicado em Portugal, com o Carimbo Porta-jazz. Demian é um nos mais importantes músicos em Portugal e a sua música, neste disco, é assim descrita pelo grande Léo Genovese:

“Demian’s music is a flying entity and the band is a breathing organism capable of transforming the atmospheres of reality. The sounds in this album are somehow rooted in reflections of his native country Argentina and his present home Portugal. Using elements of different modern forms of expression through improvisation Demian and his group manage to take you as a first class passenger in this exploratory odyssey. Fasten your sit belts and get ready to go to unimaginable places with the sound of this ensemble.

“Otro Cielo” exhibits a new and fresh set of possibilities for music for quintet.”

João Pedro Brandão Alto sax & Flute

José Pedro Coelho Tenor Sax & Bass Clarinet

João Grilo Piano

Demian Cabaud Double Bass

Marcos Cavaleiro Drums


Mais uma vez integrados na histórica feira do livro do Porto a Porta-Jazz apresenta este ano 3 concertos de discos editados no ano de 2021 pelo Carimbo, braço editorial da Associação.

Miguel Ângelo Quarteto com o seu “Dança dos Desastrados” , Demian Cabaud com “Otro Cielo” e o trio Puzzle 3 com o seu recente disco “D” estarão presentes nesta edição da Feira do Livro a representar a Porta-Jazz e a oferecer à cidade uma parte do melhor jazz que aqui se vai fabricando.


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Demian Cabaud

Foto: Adriana Melo (Mínima)

Depois de ter lançado “BRANCO", o álbum de estreia do grupo, em 2013, e o disco “A VIDA DE X”, em 2016, o Quarteto, liderado pelo contrabaixista e compositor Miguel Ângelo, promove, agora, o terceiro trabalho do grupo - “DANÇA DOS DESASTRADOS".

Mantendo a formação em quarteto com os seus habituais companheiros - João Guimarães no Sax Alto, Joaquim Rodrigues no Piano e Marcos Cavaleiro na Bateria -, o novo álbum é a continuidade do trabalho e da maturação do compositor e do grupo, que se apresenta mais criativo, inspirado e maturado.

Baseado em possíveis Danças Tradicionais, reais ou imaginárias, esta é a proposta do grupo de música para escutar, sentir e dançar, mesmo para os mais “desastrados”.

Miguel Ângelo Contrabaixo e Composição

João Guimarães Saxofone

Joaquim Rodrigues Piano

Marcos Cavaleiro Bateria


Mais uma vez integrados na histórica feira do livro do Porto a Porta-Jazz apresenta este ano 3 concertos de discos editados no ano de 2021 pelo Carimbo, braço editorial da Associação.

Miguel Ângelo Quarteto com o seu “Dança dos Desastrados” , Demian Cabaud com “Otro Cielo” e o trio Puzzle 3 com o seu recente disco “D” estarão presentes nesta edição da Feira do Livro a representar a Porta-Jazz e a oferecer à cidade uma parte do melhor jazz que aqui se vai fabricando.


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto

foto Miguel Ângelo Quarteto

Foto: Adriana Melo (Mínima)

FESTIVAL PORTA-JAZZ 2021

“Da janela saem pássaros” é o lema do décimo-primeiro Festival Porta-Jazz.

Um lema que é um retrato fiel da reacção desta Associação às contingências provocadas pela pandemia que nos assolou, mas que serve, também, para sintetizar o princípio que se esconde por detrás de um profícuo trabalho, de mais de uma década, que tem deixado a sua marca no tecido criativo da cidade e contribuido, decisivamente, para o seu reconhecimento internacional.

“Da janela saem pássaros” porque, num ano em que a arte ficou confinada e em que quase toda a música ao vivo ficou em suspenso, tentando substituir o calor do encontro pela distância, impessoal, dos “Live-streams”, a Porta-Jazz fez destas limitações a sua força. Convidando 39 músicos a transformarem o seu lar em estúdio para lançar o álbum “De Porta Aberta”, mantendo a edição regular de discos que a tem distinguido e que, em 2020, se reflectiu em onze belos álbuns. Estimulando o espirito comunitário que a move, com a montagem de uma tenda, no Quintal da sua sede, que contou com a mão de obra de algumas dezenas de músicos, que viriam a assegurar a costumeira regularidade dos espectáculos promovidos pela associação, desta vez ao ar livre, com total respeito pelas normas sanitárias em vigor. E estabelecendo novas parcerias, de forma a manter a actividade dos seus músicos e técnicos, gerar novas oportunidades de trabalho que incentivassem a motivação artística dos seus projectos e prosseguir a sua missão na formação e fidelização de público.

Porque é assim que o Jazz deve ser vivido.

Promovendo pontes entre a arte e a comunidade, convívios entre sensibilidades diversas que, estimuladas por um espírito de partilha, aberto, permeável e mutável, mantém a criação em constante movimento, neste espaço que tem sido a sua casa.

Este Festival será isso mesmo: a extensão natural desta casa.

E os catorze concertos; as encomendas de obras a autores nacionais, como Grilo, Mortágua, Sá Ribeiro e Trocado, e a compositores europeus, como Hristo Goleminov; as parcerias entre a nossa comunidade de músicos e projectos em que se revêm, como o Ensemble Robalo, ou as residências artísticas, como Vazio e o Octaedro, e a aposta em jovens, como Yudit Vidal, paralelamente às diferentes propostas estéticas que daí resultam e que vão do Jazz mais tradicional à mais pura e livre Improvisação, passando pela Música Contemporânea ou por caminhos apoiados no Groove, a interacção de talento local com gente dotada, oriunda de outros pontos do país e do estrangeiro, de olhos postos na edição, são apenas a concretização anual de toda esta militância, o balanço que serve para lançar o futuro de uma casa que teima em manter-se “de porta aberta” e onde “da janela saem pássaros”.


Jardins do Palácio de Cristal

R. de Dom Manuel II, 4050-346 Porto


Programação (PT) Program (EN)

Entrada Livre

Os bilhetes (máximo 2 bilhetes por pessoa) devem ser adquiridos no próprio dia, na bilheteria do Palácio de Cristal:

23 Julho: 19h00-22h00

24 e 25 Julho: 9h30-12h30 + 15h30-22h00

cartaz 11º Festival Porta-Jazz

O quarteto é liderado pelo trompetista português Luís Vicente que convida o contrabaixista Luke Stewart, figura central da cena nova-iorquina e já conhecida também dos palcos do nosso país, para juntos tocarem em Portugal no próximo mês de julho. Aos dois somam-se o também reconhecido saxofonista John Dikeman, norte-americano sediado em Amsterdão, com quem Luís vem construindo uma frutuosa relação artística e, o jovem baterista holandês Onno Govaert, figura já recorrente nos palcos do nosso país, ao lado de músicos de reconhecido mérito como Rodrigo Amado e Gonçalo Almeida. Luís Vicente, John Dikeman e Onno Govaert tocam juntos desde 2015 e têm feito um caminho desde então. Mas é a primeira vez que poderão formar o quarteto com o Luke Stewart, nesta digressão que promete, apoiada pela GDA e que conta com a passagem por diversas salas pelo país.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Luís Vicente Trompete

Luke Stewart Contrabaixo

John Dikeman Saxofone

Onno Govaert Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Foto: Pedro Jafuno

palavras e sons

numa justaposição

a duas vozes:

cores com as quais

decoramos o tempo

que partilhamos


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Vera Morais Voz

Hristo Goleminov Saxofone


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Vera Hristo

Imaginação a. história peça surge a a Peça .

Este através constrói da de peças  que músico cada um compõe.

trio junção


O enigmático trio Puzzle 3 apresenta o seu primeiro álbum "D" pelo Carimbo Porta-Jazz. Pedro Neves, João Paulo Rosado e Miguel Sampaio são 3 músicos recorrentes no catálogo do Carimbo e no meio jazzístico da cidade e propõem-se aqui com este dinâmico e orgânico trio completar e descodificar o puzzle das suas afinidades e cumplicidades musicais.


foto Puzzle

Pedro Neves Piano

João Paulo Rosado Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Lançamento Carimbo Porta-Jazz


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Cartaz Lançamento Puzzle 3

Josué e Salomão são dois nomes bíblicos mas relaxem os ateus e sosseguem os crentes que o texto que se segue falará de tudo menos de templos, Arcas da Aliança ou a conquista de Canaã.

Às terças-feiras é dia santo de Blind dates no Espaço Maus Habitos e esta semana o duo escolhido junta dois músicos provenientes de continentes separados. O saxofonista português Josué Santos e o baterista Israelita a residir em Amsterdão Guy Salamon prometem uma noite de música que poderá vir a ser sagrada na memória de quem assistir e profana quanto aos trâmites habituais.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Josué Santos Saxofone

Guy Salamon Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

DUO é uma performance dividida em dois atos: 293 diagonal e LUMP. A proposta musical sugere um ambiente intimista, onde o formato - dois duos – explora as diferenças e similaridades entre as duas constelações, ausente de qualquer preconceito ou compromisso estilístico. O momento estimula ao diálogo direto entre os músicos e a audiência.


293 diagonal

Joana Raquel (voz) e Daniel Sousa (saxofone) criam um intervalo espontâneo, sensível ao detalhe acústico dos seus instrumentos. Transversal à sua relação, o som molda-se arbitrariamente enquanto expõe as particularidades, semelhanças e diferenças de cada um. Através de uma abordagem pouco convencional querem criar imagens com ideias geométricas e canções de mãos dadas com a sua narrativa. Dão espaço ao desconforto na exploração do som e a sua origem, com a intenção de desafiar as vulnerabilidades que a formação atípica apresenta.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Lump

Mariana Dionísio e João Almeida partilham o mesmo background após vários anos a estudar juntos. Na área do Jazz, têm ocupado papéis e funções muito semelhantes: solistas, contadores de melodias ou opinadores pontuais cujo comentário aparentemente harmónico é, ainda assim, melódico. O tipo de destaque que lhes parece ser dado advém da linearidade que os seus instrumentos evidentemente apresentam - afinal, tratam-se de dois instrumentos melódicos. Com este projeto, juntam-se para abandonar estes papéis. Sem pretensões de tomar o lugar dos instrumentos harmónicos que normalmente os acompanham, trabalham no sentido de arranjar um outro lugar, desenvolvendo diferentes conceções formais e sonoras que, como consequência, os leva a explorar bastante o seu instrumento a nível técnico - uma pesquisa que, não obstante pessoal, se tem transformado numa procura singular à sua restrita, mas surpreendentemente rica, formação em duo.


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Duo

O disco Lush Life de John Coltrane é gravado em 1958/59 e editado em 1961 e nas primeiras três músicas do disco o titânico saxofonista surge acompanhado apenas por um contrabaixo e uma bateria. A ausência de um instrumento harmónico como o piano ou a guitarra causam alguma estranheza e impacto nos ouvintes e crítica da altura. Mas como está bem explícito nas “liner notes” do álbum a opção por essa formação pouco usual acontece mais por acaso do que por opção estética, ou seja, o pianista simplesmente não apareceu e as horas de estúdio são caras e para aproveitar.

Nos “Blind Dates” desta semana temos uma formação que não é inédita mas é certamente ainda menos usual que o trio de “Lush Life” e neste casonem foi o atraso de um músico nem uma decisão ousada por parte dos restantes que a proporcionou. Foi apenas uma opção de curadoria e um convite que foi aceite. Assim, dia 6 de Julho Rafael Gomes e Gonçalo Ribeiro, saxofone e bateria respectivamente apresentam-se em duo pela primeira vez no habitual estilo “sem rede” dos “Blind Dates” quase a dizer ao baixista Earl May, do disco Lush Life, que também podia ter ficado em casa nesse ano de 1958.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entradaé livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Rafael Gomes Saxofone

Gonçalo Ribeiro Bateria


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Estreado em 2017 no Drawing Center em Nova York (como uma comissão de John Zorn), Recognition (2020) é uma performance interdisciplinar única que combina filmes Super 8 do meu avô da década de 1960, de Angola colonial, com literatura e música.  Com textos de Amílcar Cabral narrados pela cantora angolana Aline Frazão,  Recognition é um documentário experimental realizado por Sara Serpa, em colaboração com o realizador Bruno Soares. Na Porta-Jazz a performance focar-se-á na banda sonora do filme, proporcionando uma experiência sensorial em que a audiência é convidada a reflectir, ouvir  e repensar o passado colonial de uma forma visceral.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Sara Serpa Voz e Composição

Mark Turner Saxofone Tenor

David Virelles Piano


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
foto Sara Serpa

Foto: Carolina Saez

A parceria Porta-Jazz com a associação suiça AMR possegue este ano sob um novo formato. Cada associação convida dois músicos para se juntarem em quarteto. A primeira apresentação, resultado de três dias de residência é já esta semana em Genebra durante o “Festival L’AMR Presque Aux Cropettes” e repete aqui no Porto nos mesmo moldes em Fevereiro de 2022.

Marco de Freitas Contrabaixo

Aina Rakotobe Saxofone Baritono

João Mortágua Saxofone alto

Nuno Trocado Guitarra eléctrica


Assistam ao concerto via streaming aqui

https://www.amr-geneve.ch/performance?id=4406#

foto amr/pj

Ao olharmos para um saxofone e um contrabaixo, mesmo estando estes emsilêncio, somos facilmente induzidos através da imagem para um universo musical, o Jazz. Serão estes dois instrumentos um simbolo maior do jazz? São concerteza e a provar isso mesmo e com um maravilhoso som para além da forte e simbólica imagem, temos esta semana um saxofone e um contrabaixo nos concertos Blind Dates no espaço Maus Hábitos.

Bernardo Tinoco é saxofonista e nasceu em Lisboa e na terça-feira dia 29 desloca-se ao Porto para tocar com o Nuno Campos, que é contrabaixista e nasceu aqui mesmo.

Como só a imagética não lhes é suficiente, Bernardo Tinoco e Nuno Campos quando tocam não deixam qualquer dúvida quanto ao sotaque da linguagem musical que praticam. É ver e ouvirpara crer.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-seque a entradaé livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Bernardo Tinoco Saxofone

Nuno Campos Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Micélio: "a parte vegetativa de um fungo; uma massa de ramificação formada por um conjunto de hifas emaranhadas".

Na natureza, uma rede subjacente, invisível, que conecta organismos que nunca cruzaram caminho antes.

Uma rede que também existe na música, e apesar de ter formas diferentes cumpre a mesma função: junta indivíduos, e cria ligações onde não existiam antes. Uma rede musical composta por um conjunto de influências comuns, de sonoridades e formas de expressão.

Assim torna-se possível que um grupo de músicos se juntem numa sala anônima e criem ligações únicas. Assim aconteceu com esta banda, que nasce da vontade do contrabaixista Gianni Narduzzi de partilhar em palco este encontro fortuito que aconteceu numa viagem à Suíça.

Tendo como referência o quinteto, formação clássica do Jazz, o repertório composto pelos membros da banda pretende criar uma sonoridade homogênea sem deixar de valorizar a personalidade de cada um dos membros.

Além dos membros suiços Tobias Pfister - Saxofone, Samir Böhringer - Bateria, e Javier Leutenegger - Piano a banda conta com o Gianni Narduzzi, contrabaixista italiano residente no Porto.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Tobias Pfister Saxofone

Samir Böhringer Bateria

Javier Leutenegger Piano

Gianni Narduzzi Contrabaixo

Joaquim Festas Guitarra


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Micelio

Diz a voz do povo que o saxofone é o instrumento mais próximo da voz. Diz quem toca e canta que qualquer instrumento está próximo da voz pois sendo o primeiro o instrumento primordial, todos os outros lhe estarão próximos ou lhe tentam pelo menos seguir as pegadas.

Quanto a nós no que diz respeito a esta matéria só temos uma certeza, é que os Blind Dates desta semana vão ter um saxofone muito próximo de uma voz e vice versa. Assim, para dar razão à voz do povo ou anuir com quem toca e canta estarão a cantora Sofia Sá e o saxofonista João Paulo Silva. Apareçam para desfazer as dúvidas ou melhor ainda para assistir à bela música que este duo promete.

Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-seque a entradaé livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Sofia Sá Voz

João Paulo Silva Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Perselí, organismo musical criado em 2017 na cidade de Amesterdão.

As cores do México, Portugal e Escócia misturam-se para formar este trio de 4 vozes.

Depois de terem actuado juntos em vários ensembles, tornou-se claro que a junção dos três tinha que acontecer de forma unificada pois havia uma sensação mútua de expressividade e sensibilidade perante os sons. Para o trio ter este som distinto, José no saxofone, Fuensanta na voz e no contrabaixo e Alistair no trompete, perseguem um caminho constante de descoberta.

A música que fazem desenvolve-se sem pressa, como imitação de flores, folhas e da vida sem ansiedade.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Fuensanta Mendéz Voz e Contrabaixo

José Soares Saxofone

Alistair Payne Trompete


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Perselí

O Círculo da Voz de volta ao Porto!

Juntem-se a nós para o workshop "O Círculo da Voz", um espaço de Canto e Improvisação Vocal!

Uma experiência a não perder, que visa impulsionar a improvisação e criatividade vocal, aberto a cantores profissionais, amadores ou de chuveiro. Todos são bem vindos!

Os lugares são limitados e o evento respeita todas as normas de segurança recomendadas; uso de máscara e distanciamento físico.

Manuel Linhares tem uma vasta experiência como facilitador de workshops e retiros musicais e trabalha frequentemente como assistente de artistas como Meredith Monk ou Bobby McFerrin.

"O Círculo da Voz” pretende dar a conhecer estas novas formas de trabalhar a voz, a improvisação e a criatividade musical, democratizando o seu acesso, impulsionando comunidades de cantores e dinamizando a criação artística interdisciplinar a nível nacional.

“O Círculo da Voz" é um laboratório de improvisação e criatividade vocal fundado em 2017 pelo cantor Manuel Linhares e que decorre regularmente no Porto, no espaço Yoga Sobre o Porto.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Para mais informações/inscrições contatar:

marianabessaagenciamento@gmail.com

Horário: 11.00 - 13.00


Grátis para sócios Porta-Jazz

15€ - público em geral


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto

foto Manuel Linhares

Foto: Antonio Atande

A Câmara Municipal da Maia através da Divisão de Cultura promove, pela oitava vez, um evento dedicado aos jovens valores do Jazz, intitulado “Jazz no Parque Central”, nos dias 18, 19 e 20 de junho.

Numa parceria com a Associação Porta Jazz, este evento congregará projetos musicais de inegável qualidade que procuram refletir a criatividade universal e a alma transcultural (e transcontinental) do jazz contemporâneo.

O Jazz no Parque Central contará com a presença de músicos integrados em circuitos de concertos e festivais internacionais, conferindo-lhe um cariz internacional e possibilitando a projeção de músicos nacionais. Um evento que cruza no mesmo palco, pelo breve espaço de três dias uma série de seis concertos ao final do dia e à noite, e na manhã de sábado, no cenário bucólico do Parque Central, juntando natureza, modernidade e música, o público poderá desfrutar de boa música revelando os diversos caminhos que o jazz contemporâneo tem trilhado.

Entrada livre. Lotação limitada às orientações da DGS.

Programação

18 de junho, 18h30 A Incerteza do Trio Certo

18 de junho, 21h30 Miguel Ângelo Quarteto “Dança dos Desastrados”

19 de junho, 11h30 Mariana Vergueiro + Baile Lindy Hop

19 de junho, 18h30 Gianni Narduzzi "Lugares"

19 de junho, 21h30 Jeffery Davis Quintento

20 de junho, 17h00 Puzzle 3


Parque Central da Maia

R. Simão Bolívar 83-87, 4470-136 Maia

Cartaz Jazz no Parque Central da Maia 2021

Os contrabaixistas Hugo Carvalhais e Demian Cabaud são dois nomes de peso na cena jazzística nacional e internacional. Habituados a carregar os seus instrumentos e as bandas onde tocam às costas estes dois mestres das mais sofisticadas lides acompanhadoras tocam pela primeira vez juntos. Nesta terça-feira dia 15 o “Blind Dates” acontece como sempre no Espaço Maus Hábitos. Não percam este “Duo do Século”, os argumentos são de peso e o assunto é por natureza grave. Apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30.

Relembra-seque a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Hugo Carvalhais Contrabaixo

Demian Cabaud Contrabaixo


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

O nome do colectivo tem um desses grafismos sonoros que põem imagens e sons em conversa aberta. Como numa mancha de Rorshach, cada um vê (e ouve) o que quer a partir desse elemento isolado.

O som do quinteto é uma experiência multicultural, onde coabitam o jazz, a música do mundo, a improvisação livre e a música contemporânea, numa harmonia polvilhada de dissonâncias voluntárias.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Paulo Costa Composição, Bateria e Didgeridoo

Diogo Dinis Contrabaixo e Baixo Elétrico

Eurico Costa Guitarra

Daniel Dias Trombone

João Mortágua Saxofone Alto


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto pLoo

TaCatarinaTen é um disco repleto de emoções e experiências vividas numa década preenchida de mudanças. Fica aqui o registo com tinta musical de todos esses momentos. Este é um disco intimo, largamente pensado e trabalhado como se de filigrana se tratasse.

O primeiro objetivo foi já cumprido, passar para a música as emoções vividas através da composição, improvisação e trabalho colectivo . O segundo objetivo é apenas a esperança de que o ouvinte atento entenda na música de alguma forma estas emoções sentidas na década passada.

Este é o segundo disco de Nuno Campos como compositor e líder de um projeto 10 anos depois do anterior premiado disco gravado em trio pela prestigiada editora Fresh Sound New Talent em Barcelona com músicos da cena local.

Nuno Campos Composição, Contrabaixo e Voz

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Miguel Meirinhos Piano

Ricardo Coelho Bateria


Mais info:

https://www.ciclodepolinizacao.paredesdecoura.pt/

Paredes de Coura

foto Nuno Campos

Foto: Adriana Melo (Mínima)

"The Guit Kune Do é um projecto musical da mente de André B. Silva. Na sua eterna busca por sonoridades, formações e lógicas menos exploradas, deu de caras, por uma razão ou outra, com a possibilidade de um large ensemble focado essencialmente na guitarra eléctrica.

O resultado é The Guit Kune Do, uma ode ao instrumento mas também aos ritmos mainstream do final do século XX. As influências do jazz, do funk, do hip-hop e do rock estão bem presentes na sonoridade, e juntam-se a material melódico mais fresco e indecente (característica tão presente no trabalho dos The Rite of Trio). Os pormenores melódicos harmonizados em conjunto com os riffs viciantes contrapontisticos tornam a utilização das cinco guitarras um doce auditivo, a musicalidade é celebrada sempre."

André B. Silva Guitarra e Composição

AP Guitarra Eléctrica

Eurico Costa Guitarra Eléctrica

Virxilio da Silva Guitarra Eléctrica

Francisco Rua Guitarra Eléctrica

João Próspero Baixo Eléctrico

Diogo Silva Bateria


Mais info:

https://www.ciclodepolinizacao.paredesdecoura.pt/

Paredes de Coura

foto The Guit Kune Do

“Hundred Milliseconds” surge da crescente necessidade de João Martins dar vida a algumas músicas que iam sendo guardadas na pasta “Ideias, temas e afins” do seu computador, há já alguns anos. Por diversos motivos foram-se adiando os contactos, os ensaios, os concertos... As condições reuniram-se e a altura chegou de colocar o projecto em andamento.

Será Jazz? Será Rock? Serão improvisações? Será caos ou silêncio? Será tudo isto junto e misturado? Para já... são simplesmente cerca de 20 anos de experiências musicais resumidas num número de temas que fazem parte de um conceito, As Primeiras Impressões, e que finalmente ganharam vida e saíram da pasta.

João Martins Bateria, Percussões e Sintetizadores

Fábio Almeida Saxofones Alto e Tenor

Gabriel Neves Saxofones Soprano e Tenor

Nuno Trocado Guitarra eléctrica e efeitos


Mais info:

https://www.ciclodepolinizacao.paredesdecoura.pt/

Paredes de Coura

foto João Martins

Benoît Delbecq

“Uma descontração refletida permeia a música de Benoît Delbecq, pianista francês de temperamento investigativo e técnica cristalina. Embora existammontes de energia comprimida na forma de ele tocar, deixa transparecer uma calma inabalável”. Este excerto, que aparece no New York Times em 2010 pela mão do crítico de jazz Nate Chinen, constitui uma descrição pertinente da música de Delbecq.

Pianista e compositor parisiense multipremiado, Delbecq é formador de tendências que persiste no desenvolvimento das respetivas ideias numa abordagem muito rítmica e multifacetada, trazendo a alma do jazz para o piano preparado de John Cage. A sua força musical tece notáveis obras envolventes com inspiração de várias fontes, entre outras, a Matemática, a Poesia ou a Arquitetura.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Bruno Chevillon

Ao evoluir nos limites da música improvisada, da criação contemporânea e do free jazz , Bruno Chevillon estabeleceu-se como uma das principais vozesdo contrabaixo, demonstrando uma notável segurança ao aliar as virtudes de acompanhante à presença determinante de um improvisador capaz de explorar, profundamente, as possibilidades expressivas do seu instrumento. Embora seja principalmente sideman, Bruno Chevillon sente-se perfeitamente à vontade a solo: prova clara disso foi o seu concerto no Pier Paolo Pasolini. A sua gama musical engloba também música contemporânea, pois são abrangentes as respetivas qualidades e competência enquanto instrumentista - rapidez, rigor e uma pertinência altamente invulgar. A sua musicalidade e intuição inabalável ajudaram a fazer dele um dos principais contrabaixistas do panorama de jazz europeu


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


Reservas: producao.portajazz@gmail.com

foto Benoit + Chevillon

Susana Santos Silva e Torbjörn Zetterberg conhecem-se em 2012. 'Almost Tomorrow', editado pela Clean Feed em 2013, foi o disco que resultou da primeira colaboração, uma residência artística nas montanhas cobertas de neve no coração da Suécia, e que foi muito aclamado pela crítica internacional. Desde então têm criado um extenso corpo de trabalho que inclui dois discos com Hampus Lindwall - 'If Nothing Else' (Clean Feed 2015) e 'Hi! Who Are You?' (Matière Mémoire 2019) um disco com Chris Pitsiokos – 'Child of Illusion' (Clean Feed 2018), uma série de vídeos criados em parceria com o artista de vídeo Val King, fruto de uma residência no Q-O2, em Bruxelas, entre outros. Enquanto duo têm colaborado com Carlos Zíngaro, Per-Åke Holmlander, Jim Baker, Tim Daisy, Dave Rempis, Mat Maneri, Kaja Draksler e têm-se apresentado em concertos por toda a Europa e Estados Unidos.

Tomorrow, este novo album editado pelo Carimbo, é a continuação do trabalho que têm desenvolvido durante estes oito anos e contém composições e improvisações de ambos os músicos.

Susana Santos Silva Trompete

Torbjörn Zetterberg Contrabaixo


Lançamento Carimbo Porta-Jazz


FEUP

s/n, R. Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto

Foto Susana Santos Silva & Torbjörn Zetterberg

O Blind Dates desta semana reserva-nos tudo menos um encontro às cegas.Pela segunda semana consecutiva num novo formato com curadoria Porta-Jazz, os convidados desta semana conhecem-se e tocam juntos desde sempre. O saxofonista Mário Santos é um icone do jazz português e com uma carreira bem assente numa integridade e honestidade musical presente e crescente desde a segunda metade da década de 80, parece-nossempre que toca desde sempre. O também saxofonista e já icónico músico de jazz José Pedro Coelho para além de aos 8 anos ter começado a aprendero instrumento com o Mário Santos, tocou e toca regularmente com ele em projectos como o Sexteto Mário Barreiros, Quinteto Mário santos “Bloco de Notas” ou Orquestra Jazz de Matosinhos. Daí que e olhe-se por onde se olhar, os músicos deste Blind Dates, tocam juntos desde sempre.

Não percam esta oportunidade de os ver em duo e apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-seque a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


José Pedro Coelho Saxofone

Mário Santos Saxofone


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Max Moon nasce em 2018 pelas mãos do baixista Ivo Xavier que convida o saxofonista João Mortágua e o baterista Diogo Alexandre para integrarem e co-liderarem o projecto.

Na procura de um som “novo”, mas ainda assim familiar aludindo ao jazz e soul com cumplicidade e improvisação ativa, surge Max Moon.

Depois da boa recepção do público ao primeiro trabalho discográfico a banda prepara esta nova “tour” para mostrar o seu novo trabalho antes de regressar ao estúdio.

O concerto de Max Moon quer trazer uma escapatória aos problemas e enraizar todos no presente...Este ano trazemos a nossa convidada pianista Chaerin Im.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

João Mortágua Saxofone

Ivo Xavier Baixo e Composições

Alexandre Coelho Bateria

Chaerin Im Convidada no Piano


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Max Moon + Charin Im

Novo mês novo Blind Dates e desta vez também com novo conceito.

Esta nova fase de vida dos “Blind Dates” junta os mesmo ingredientes, 2 músicos todas as terças-feiras no Espaço Maus Hábitos. À receita original troca-se a fortuna pela massa crítica e em vez de um duo sorteado passamos a ter todas as terças-feiras músicos convidados com a curadoria da Porta-Jazz.

Cabe assim ao saxofonista João Guimarães e baterista João Pais Filipe a honra do primeiro convite.Dois já icónicos músicos do Porto que coabitam desde longa data no universo do jazz e da música improvisada . Não percamesta oportunidade e apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30.

Relembra-seque a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Depois de ter lançado “BRANCO", o álbum de estreia do grupo, em 2013, e o disco “A VIDA DE X”, em 2016, o Quarteto, liderado pelo contrabaixista e compositor Miguel Ângelo, promove, agora, o terceiro trabalho do grupo - “DANÇA DOS DESASTRADOS".

Mantendo a formação em quarteto com os seus habituais companheiros - João Guimarães no Sax Alto, Joaquim Rodrigues no Piano e Marcos Cavaleirona Bateria -, o novo álbum é a continuidade do trabalho e da maturação do compositor e do grupo, que se apresenta mais criativo, inspirado e maturado.

Baseado em possíveis Danças Tradicionais, reais ou imaginárias, esta é a proposta do grupo de música para escutar, sentir e dançar, mesmo para os mais “desastrados”.

Este disco teve o apoio da Fundação GDA.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Miguel Ângelo Composição, contrabaixo

João Guimarães Sax Alto

Joaquim Rodrigues Piano

Marcos Cavaleiro Bateria


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Miguel Ângelo Quarteto

Foto: Adriana Melo - Mínima

Nos Blind Dates desta semana o duo sorteado é primeiro de tudo uma junção pouco habitual no universo das formações musicais. Voz e percussão foi o resultado obtido na tômbola semanal e os créditos ficarão nas mãos e na voz da cantora Joana Raquel e do percussionista Paulo Costa.

Não percam esta oportunidade e apareçam no Espaço Maus Hábitos às 20:30. Relembra-se que a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço e se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Kintsugi, o mais recente trabalho discográfico de Luís Figueiredo e João Mortágua, acaba de ser editado com o selo RODA Music e tem Booking da Clave na Mão.

Kintsugi é arte quebrada: música feita de estilhaços. É exploração e procura. Encontra significado no imprevisível e acolhe as falhas da criatividade humana. Kintsugi procura beleza nas coisas quebradas.

O conceito

A antiga arte japonesa de kintsugi é mais do que uma técnica de reparação de cerâmica. É uma posição filosófica que aceita as falhas e os defeitos e os transforma em beleza. Um objecto partido não é, portanto, um objecto menor, mas antes uma peça que foi enriquecida pelo curso da vida nos seus vários percursos e percalços.

É claro que este princípio profundamente poético tem aplicação noutras experiências da existência humana, como a arte e a criatividade. Na música, por exemplo, esta ideia parece ressoar de forma mais evidente na improvisação livre, uma prática que procura significado no imprevisto e lida em primeira mão com as limitações da criatividade humana.

Este álbum é um testemunho desse princípio: uma colecção de improvisações onde estilhaços de música e explorações em tempo real se juntam para formar peças musicais.

No processo de gravação desta música, acolhemos de braços abertos cada nova possibilidade, cada surpresa, cada curva inesperada. Confiámos nos nossos ouvidos e um no outro, e várias vezes nos maravilhámos com o resultado. Esperamos que o ouvinte sinta o mesmo.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

João Mortágua Composição, saxofones, flautas, percussão, electrónica

Luís Figueiredo Composição, piano, teclados, percussão, electrónica, programação de caixa de ritmos


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros

Reservas até às 24:00 da véspera do concerto e válidas até as 18:45 do dia do concerto

foto Kintsugi

Foto: João Hasselberg

O consagrado e já histórico pianista e compositor portuense Carlos Azevedo é o sorteado do Blind Dates desta semana. Como a solo não há encontros mesmo que sejam às cegas a segunda “rifa” calhou ao jovem e dinâmico baterista de Aveiro João Martins.

Espera-se muita interação e invenção musical deste duo que aqui se apresenta como se espera que aconteça idealmente num encontro às cegas, pela primeira vez.

Não percam esta oportunidade!

Juntem-se a eles a partir das 21:00 no Espaço maus Hábitos, a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Juntamo-nos com o propósito de dar vida a um pequeno universo musical. Um universo que explora a canção e a palavra, e se inspira na forma que outras culturas lhes dão. Um universo que se apoia em vários géneros e conceitos musicais, e o transformam numa perspetiva. Um universo que surge de ideias, conversas, interações, mas principalmente da vontade de partilhar.

Um registo de canções fragmentadas.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Sofia Sá Voz e Composição

Inês Gouveia Voze Flauta

Hugo Ferreira Guitarra

Zé Stark Bateria

Pedro Molina Contrabaixo


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Membros
foto Sofia Sá

Um dos desafios do Blind Dates são as formações pouco convencionais que a sorte dita, é possível que numa semana sejam escolhidos dois bateristas para tocar em duo ou apenas um trompete e um saxofone, como já aconteceu num passado recente. Mas longe de nós achar que a surpresa e apura invenção são exclusivas ou até condição sine qua non de umaformação não convencional, seja lá o que isso for. Alguem já disse que tudo depende sempre mais do arqueiro do que própriamente do arco e sendo certo que esta semana a formação sorteada tende mais para o lado convencional, não é certo que o resultado musical assim o seja.Guitarra e contrabaixo são assim os sorteados. Os músicos são o Nuno Trocado, guitarrista e compositor portuense de projetos como “Cotovelo” , “Hundred Milliseconds” de João Martins ou “Coreto” e o jovem e versátil contrabaixista, também do Porto, Gonçalo Sarmento.

Esperemos então novidade e improvisação inspirada destes dois arqueiros do duo clássico, guitarra e contrabaixo.

Juntem-se a eles a partir das 21:00 no Espaço maus Hábitos, a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

Bode Wilson, apesar de nunca ter sido fã de automobilismo, acredita que foi a tele-escola o causador da sua obsessiva admiração pelos sinais de trânsito.

Não entendendo o porquê de muitos deles, decidiu nesta nova etapa da sua vida, convidar uma grande amiga, que ele afirma ser a única que o poderá ajudar.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Susana Santos Silva Trompete

João Pedro Brandão Saxofone Alto e Flauta

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Tenda Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


Reservas até às 17h00 do dia do concerto

5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Desconto reembolsado à entrada do concerto

Membros
foto Bode Wilson + SSS

Os Blind Dates somam e seguem nesta sua terceira semana consecutiva desta nova edição pós confinamento. O formato mantém-se fiel a si próprio com duos de músicos sorteados para tocarem pela primeira vez juntos. Estaparceria da Porta-Jazz com o icónico espaço cultural do Porto, Maus Hábitos dá mais um passo em frente e desta vez os sorteados são o trombonista Gil Silva e o baterista Miguel Sampaio. Gil Silva nasceu em Alcobaça e vive no Porto e Miguel Sampaio nasceu em Ovar e também vive no Porto e juntam-se esta noite a partir das 21:00 nos Maus Hábitos para em duo celebrarem acriatividade a partilha e a comunhão musical num duo de trombone e bateria que promete aquecer a mais temperada noite pré-primaveril.

Juntem-se a eles a partir das 21:00 no Espaço maus Hábitos, a entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

ATENÇÃO: MUDANÇA DE HORÁRIO - 19:00

“Implosão” constitui o segundo projecto de música originalliderado pelo trompetista e compositor Ricardo Formoso (A Corunha,1986). Apresentado no Teatro Rivoli do Porto, durante a 10ª edição doFestival Porta-Jazz, este novo conjunto de composições sucede omuito bem recebido “Origens” (2017), também editado com o Carimbo Porta-Jazz.

Esta proposta artística traz um verdadeiro mosaico de talentose geografias. Está-se a falar de um quinteto formado pelo próprioRicardo Formoso (fliscorne), pelo canadiano Seamus Blake (saxofonetenor), pelo catalão Albert Bover (piano), pelo argentino DemianCabaud (contrabaixo) e pelo português Marcos Cavaleiro (bateria). Asolidez, versatilidade e sofisticação presentes tanto na interação,como no discurso individual, aportam profundidade, surpresa e magiaàs composições idealizadas pelo trompetista. Entre si, formam umabela amostra da história recente do jazz, com carreiras ligadas afiguras notáveis do meio, de várias gerações.

“Implosão”, contem um repertório desenhado para propiciar areação entre as estruturas moleculares que configuram a essência evoz dos elementos desta formação, num contexto determinado peloarranjo cuidado, a improvisação e a descoberta do cosmos.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Ricardo Formoso Fliscorne, Composições

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Albert Bover Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria


Tenda Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


Reservas até às 17h00 do dia do concerto

5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Desconto reembolsado à entrada do concerto

Membros
foto Ricardo Formoso

Photo: Isabel González

Trompete e saxofone é uma dupla bastante recorrente e familiar ao longo da história do Jazz.

Charlie Parker e Dizzy Gillespie à frente de uma frenética secção ritmica nos anos 40 ou Miles Davis e John Coltrane embalados na quente cama do “cool jazz” de Kind of Blue ou até Ornette Coleman e Don Cherry mais Eric Dolphy e Freddie Hubbard duplamente acompanhados no quarteto siamês de Free Jazz: A collective Improvisation. Estes são alguns dos mais importantes exemplos desta evidência.

Quis o destino acompanhar a tradição e assim sortear um trompete e um saxofone para irem a jogo nos Blind Dates desta terça-feira.

O trompetista é o Pedro Jerónimo e o Saxofonista é o Brian Blaker, dois jovens músicos residentes no Porto que vão aqui mais uma vez perpetuar a tradição, apenas com a diferença de não terem uma secção rítmica a acompanhar.

Estarão apenas os dois e esperam ser acompanhados de muito público.

Tudo isto acontece no dia dia 27 no Espaço Maus Hábitos, a partir das 20:30, em parceria com a Porta-jazz.

A entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com

A receita está no forno, vamos todos abri-lo e provar a iguaria no dia 26 a partir das 20:30 no Espaço Maus Hábitos.

A entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

A pianista Clara Lacerda e o contrabaixista Romeu Tristão juntam-se para apresentar o seu mais recente projeto, fruto do confinamento.

Esta união nasceu na primeira quarentena em março de 2020 (à distância de Famalicão e Setúbal) pelo amor mútuo pela música do pianista Hank Jones e do contrabaixista Charlie Haden, nomeadamente o albúm “Come Sunday”, que é a principal influência deste projeto.

Após um ano de investigação e de mergulhos pelas interpretações de Jones e Haden, passando por também pelo cancioneiro de Ellington, interpretações de Thelonious Monk, Marian Anderson, Mahalia Jackson e Nat King Cole, o mote deste concerto é a partilha de hinos, espirituais e canções-folk sobre uma nova perspetiva, baseada na improvisação, redescoberta e cumplicidade a/do duo.


Plano de Contingência Concertos QUINTAL PORTA-JAZZ + orientacoes DGS espaços culturais

Clara Lacerda Piano

Romeu Tristão Contrabaixo


Quintal Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto


Reservas até às 22h00 da véspera do concerto

5€ / 3€ Membros (doação sugerida)

Desconto reembolsado à entrada do concerto

Membros
foto Clara Lacerda, Romeu Tristão

Photo: Jep Jorba

Os Blind Dates acompanham a vaga do desconfinamento e assim regressam ao seu local de origem após 3 meses de interrupção. A Porta-Jazz e o Espaço Maus Hábitos chocam mais uma vez cotovelos que é uma nova e um pouco indesejada forma de dizer que vão de braços dados. Mas como o que importa é o resultado dos cotovelos que se tocam aqui estamos para apresentar o resultado do habitual sorteio “Blind Dates” onde dois músicos são sorteados semanalmente para tocarem juntos e oferecerem ao público a magia de um primeiro encontro, a frescura de um primeiro”take”.

Para arrancar com esta nova temporada de encontros às cegas vamos ter Sérgio Tavares no contrabaixo que nas palavras dele estende os seus créditos e préstimos perante o mundo como improvisador, especulador sonoro, contemplativo de taxionomias diversas e argonauta nas horas livres. Para lhe fazer companhia em pelo menos uma destas tarefas estará o guitarrista Luís Ribeiro que tem andado a disponibilizar os seus talentos musicais em projectos de jazz como Carl Minnemnn Quinteto ou Bison ́s Big Bang ou pop-rock como Os Azeitonas.

A receita está no forno, vamos todos abri-lo e provar a iguaria no dia 20 a partir das 20:30 no Espaço Maus Hábitos.

A entrada é livre mas limitada à lotação do espaço, se pretender fazer reserva para jantar e assegurar assim o seu lugar pode fazê-lo em: loja.maushabitos.com


Maus Hábitos

R. de Passos Manuel 178 4º Piso, 4000-382 Porto

foto Blind Dates

O Carlos Azevedo é um mestre do piano e da composição e o seu curriculumtranspõe as fronteiras locais, angariando desde há muito tempo um consistente prestígio e reconhecimento nacional e internacional. É um ícon musical da cidade do Porto e embora estejamos mais habituados a ouvir a sua música em formações grandes como uma big band ou enormes como uma orquestra sinfónica, aqui vamos tê-lo em quarteto. Com piano, guitarra, contrabaixo e bateria entregues às melhores mãos a interpretaremmúsica de um dos nossos melhores.

Para além do Carlos Azevedo no piano estará Miguel Moreira na Guitarra eléctrica, Miguel Ângelo no Contrabaixo e Mário Costa na Bateria. Estão assim então reunidas todas as condições para no sábado 17 às 19:00 inundarmos este link com a nossa presença e comentários e sobrecarregarmos este outro link com importantes e bem-vindos donativos.


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para o nosso canal YouTube

Estes concertos na “Sala Porta-Jazz Live” terão acesso livre, mas não vai faltar um link para donativos:

Doações Porta-Jazz Live

Carlos Azevedo Piano e composição

Miguel Moreira Guitarra eléctrica

Miguel Ângelo Contrabaixo

Mário Costa Bateria


YouTube Porta-Jazz

foto Quarteto Carlos Azevedo

Baterista histórico do jazz português, Mário Barreiros, para além de estar na fundação de um alicerce tão importante no jazz da cidade e do país como a Escola de Jazz do Porto, é também um baterista, guitarrista e produtor de várias mãos cheias. Desde os anos 70/80 no ativo é membro fundador da banda Jáfumega, tocou bateria com António Pinho Vargas em discos históricos como “Cores e aromas” ou Carlos Barreto em “Impressões”. Como guitarrista gravou com Rui Veloso no álbum “Mingos & os Samurais” ou Pedro Abrunhosa em “Tempo”. Como produtor foi responsável, entre outros, por discos como “Viagens” de Pedro Abrunhosa, “Cão” e “O monstro precisa de amigos” dos Ornatos Violeta. Esta lista seria interminável, pois houve poucos trabalhos de referência no Jazz e no Pop-Rock que não tivessem passado pelas mãos do Mário Barreiros até aos dias de hoje. A estrear este quarteto, para além dele próprio na bateria estarão Miguel Meirinhos no piano, José Pedro Coelho no saxofone e Demian Cabaudno contrabaixo.


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para o nosso canal YouTube

Estes concertos na “Sala Porta-Jazz Live” terão acesso livre, mas não vai faltar um link para donativos:

Doações Porta-Jazz Live

Mário Barreiros Bateria

José Pedro Coelho Saxofone

Miguel Meirinhos PIano

Demian Cabaud Contrabaixo


YouTube Porta-Jazz

foto Quarteto Mário Barreiros

Bison’s (Brian Blaker) Big Bang juntam-se para apresentar a música do novo álbum “Beyond the Canyon“.

As fortes melodias e o groove deste álbum reflectem a longa jornada de Blaker desde as suas origens em Los Angeles até Portugal. Embora numa nova apresentação, o vibrante estilo de Blaker mantém-se e funde-se com as influências pessoais dos restantes membros da banda através de uma expressiva improvisação.


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para o nosso canal YouTube

Estes concertos na “Sala Porta-Jazz Live” terão acesso livre, mas não vai faltar um link para donativos:

Doações Porta-Jazz Live

Brian Blaker Saxofone e Composiçao

Nuno Campos Baixo

Miguel Sampaio Bateria

Luís Ribeiro Guitarra


YouTube Porta-Jazz

foto Brian Blaker

Photo: Daniel Vidinha

“Otro Cielo” é o novo trabalho de Demien Cabaud e a 4ª edição discográfica deste contrabaixista e compositor Argentino radicado em Portugal, com o Carimbo Porta-jazz. Demian é um nos mais importantes músicos em Portugal e a sua música, neste disco, é assim descrita pelo grande Léo Genoveses:

“Demian’s music is a flying entity and the band is a breathing organism capable of transforming the atmospheres of reality. The sounds in this album are somehow rooted in reflections of his native country Argentina and his present home Portugal. Using elements of different modern forms of expression through improvisation Demian and his group manage to take you as a first class passenger in this exploratory odyssey. Fasten your sit belts and get ready to go to unimaginable places with the sound of this ensemble. “Otro Cielo” exhibits a new and fresh set of possibilities for music for quintet.”

João Pedro Brandão Alto Sax & Flute

José Pedro Coelho Tenor Sax & Bass Clarinet

João Grilo Piano

Demian Cabaud Double Bass

Marcos Cavaleiro Drums


Lançamento Carimbo Porta-Jazz


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para www.youtube.com/feutv


Foto Demian Cabaud- Otro Cielo
Poster Lançamento Demian Cabaud- Otro Cielo

Chegado agora ao lado de “Dentro da Janela”, Mortágua veio, segundo a crítica, confirmar a sua força criativa e originalidade, num disco sólido e cheio de surpresas, do qual sobressaem influências como a música improvisada, o novo rock, o jazz europeu ou a EDM.

Saídos da fornada de 2009 da ESMAE, estes músicos integram variados projetos da nova lavra do jazz português. Tocaram juntos no septeto ESMAE de 2007, no sexteto de Miguel Moreira (2012) e no quarteto “Janela” (2014), que viria a desaguar neste quinteto.

Depois dos concertos de pré-lançamento no Teatro S. Luiz e na Casa da Música, este quinteto apresentou o seu álbum em Águeda, na Maia, no Liceu Camões, nos Jardins do Palácio de Cristal, no Rivoli (festival Porta Jazz) e mais recentemente no festival Jazz 2020. Ainda em 2020, este grupo arrecadou o galardão de Melhor Álbum Jazz nos Prémios Play da Música Portuguesa.

João Mortágua Saxofones Alto e Soprano

José Pedro Coelho Saxofone Tenor

Miguel Moreira Guitarra

José Carlos Barbosa Contrabaixo

José Marrucho Bateria


Munin Live


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para www.munin.live

Ao adquirir o ingresso os vídeos ficam disponíveis para visualização até às 24:00 de 22 de Março

O acesso é grátis para membros

foto João Mortágua

A incerteza do trio certo nasce da vontade de fazer música. Nasce das afinidades musicais e pessoais do seus elementos, dos seus imaginários, da sua forma de ver e de fazer música. A influência de variados estilos está presente no conceito e no som do trio. Há temas que surgem a partir de uma ideia rítmica que depois é explorada, variada. Noutros o mote é apenas a exploração de cores, de ambientes. Noutros ainda é a melodia ou um groove que estão na base da composição. Mas em todos há uma ideia que depois é explorada, desenvolvida. Nos temas, as partes escritas e improvisadas juntam-se para contar uma história que tenta sempre ser diferente e espontânea. Queremos que a música nunca seja a mesma de cada vez que a tocamos - que vá para sítios diferentes e volte para par(t)ir outra vez. “O que amamos na música é a capacidade que ela tem de nos levar...de nos fazer sentir...de ser visceral, de nos proporcionar momentos de partilha, de nos fazer dançar. A incerteza do trio certo tem como única certeza a vontade de fazer música pela música, de peito aberto, sem pretensão alguma e com metade do cérebro desligado.

AP Guitarra e Composição

Diogo Dinis Contrabaixo

Miguel Sampaio Bateria


Munin Live


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para www.munin.live

Ao adquirir o ingresso os vídeos ficam disponíveis para visualização até às 24:00 de 22 de Março

O acesso é grátis para membros

foto A Incerteza do Trio Certo

MAU é o novo projeto liderado pelo contrabaixista Miguel Ângelo, e UTOPIA é o título do disco de estreia deste trio.

Segundo uma das várias definições da palavra forjada por Thomas More, “UTOPIA” é um sistema ou plano que parece irrealizável. FANTASIA, QUIMERA, SONHO (in “Dicionário Priberam da Língua Portuguesa”). Este é o pressuposto deste trio e deste disco, que cada tema escrito ou improvisado seja a expressão sincera e intencional de cada elemento e que, no seu somatório, produza a Utopia da coisa realizada!

Miguel Ângelo Contrabaixo

Miguel Moreira Guitarras

Mário Costa Bateria


Munin Live


Concerto “Live” ou “Streaming”, sem público presente, filmado e transmitido em directo para www.munin.live

Ao adquirir o ingresso os vídeos ficam disponíveis para visualização até às 24:00 de 22 de Março

O acesso é grátis para membros

foto MAU

Foto: Miguel Estima

Depois de "Ausente" (2013) e "05:21" (2016), "Murmuration" levantou voo em 2019. Um trabalho quase obrigado a confinar no  ano transato mas que ainda anseia ser tocado e ouvido. Neste concerto, que conta com a participação especial de José Marrucho na bateria,  Pedro Neves Trio revisita algumas das composições que fazem parte do último álbum e não resiste a levantar o véu do novo trabalho que está a preparar.

Pedro Neves Piano

Miguel Ângelo Contrabaixo

José Marrucho Bateria