fotografia sala porta-jazz
cartaz 10º Festival Porta-Jazz
fotografia discos carimbo

Tanto na parapsicologia como na musica , uma experiência de aparição é uma experiência anômala caracterizada pela aparente percepção de uma entidade sem que haja qualquer estímulo material para tal percepção.

É o que sinto quando toco a minha musica junto ao Jose Pedro Coelho, Ricardo Formoso, João Grilo e o Marcos Cavaleiro. As minhas composições são pontos de partida, ideias de assuntos para conversar , mas é a interpretação o momento crucial de cada uma, como se acontecesse por acaso, parece que a alma sai do corpo e dança junto ao espirito da musica.

O que me faz ficar encantado nesta banda é ouvir a personalidade de cada musico, o sou som interior e a sua visão musical. Admiro a originalidade destes musicos , no discurso e no som, também a honestidade e a criatividade, a capacidade de surpreender e de não cair em fórmulas, de se reinventarem em cada momento mantendo a identidade e tentando serem honestos com a música.

A junção destas personalidades faz desta "Aparicion" uma experiencia única, que vive em cada momento e não se repete.

Video

Site

Ricado Formoso Flugelhorn e Trompete

Jose Pedro Coelho Tenor Sax

João Grilo Piano

Demian Cabaud Contrabaixo

Marcos Cavaleiro Bateria e Bomdo Leguero


Sala Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto

foto Demian Cabaud

Com uma formação pouco convencional, trombone, duas guitarras, clarinete e bateria, o quarteto de alunos da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo e apresenta se com um reportório original, escrito e pensado para esta formação, dando ênfase à improvisação sem formas predefinidas. Apesar de ser um ensemble criado em contexto académico, não impede que a música reflita cada um dos elementos que o compõem.

Hugo Caldeira Trombone

Rui Catarino Guitarra

Rafael Santos Guitarra e Clarinete

Gonçalo Ribeiro Bateria


Sala Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto

foto ESMAE Jazz Ensemble

Composto por Nuno Costa nas guitarras, Óscar Graça no piano e teclados e André Sousa Machado na bateria e percussão, NoA é um trio à vista desarmada. Soa a sexteto, desdobra-se facilmente numa orquestra. O teclado trabalha às ordens do piano e do inexistente baixista, a bateria acumula funções com a percussão, e a guitarra multiplica- se e viaja por todo o espectro auditivo.

Desde 2012 o grupo tem feito concertos por toda a Península Ibérica, desde clubes a festivais, e vem trabalhando um som muito próprio num estilo especialmente difícil de descrever - nasce no jazz, passeia-se pelo rock, pela pop, pela canção portuguesa, e desagua constantemente em sítios imprevisíveis. O groove é a directriz principal e a forma muito flexível, escapando-se frequentemente a todos os cânones clássicos.

Com uma sonoridade elegante, personalidade musical bem vincada e melodias bem delineadas, este projecto procura assim estabelecer uma estética de fusão entre a contemporaneidade da música cosmopolita e a tradição da música improvisada com origem no jazz.

Nuno Costa Guitarra

Óscar Graça Piano e Teclados

André Sousa Machado Bateria


Sala Porta-Jazz

R. João das Regras 305, 4000-293 Porto

foto Noa